CAS anula banimento vitalício de três atletas do biatlo russo - Surto Olimpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

CAS anula banimento vitalício de três atletas do biatlo russo

Compartilhe

O Tribunal Arbitral do Esporte (CAS) revogou o banimento vitalício das biatletas russas Olga Vilukhina, Yana Romanova e Olga Zaytseva. Em 2017 elas receberem a punição por terem violado o código antidoping durante os Jogos Olímpicos de Inverno de Sochi, em 2014. 


O trio de biatletas fez parte do time que faturou a medalha de prata na prova do revezamento 4x6 quilômetros , mas foram desclassificadas após terem seus resultados anulados em 2017, como parte da punição pela violação, após uma investigação sobre doping generalizado e adulteração de amostras de atletas russos durante as Olimnpíadas em questão. Com isso, elas tiveram suas medalhas retiradas. Vilukhina havia perdido também a medalha de prata conquistada no sprint de 7,5 km. No entanto, as atletas entraram com recurso diante a decisão de seus respectivos banimentos. 


As atletas estavam na lista de mais de 40 atletas russos que foram banidos de forma permanente, após o médico Grigory Rodchenkov tornar-se testemunha chave no escândalo de doping no país e incluir o nome das três atletas entre aqueles que estariam supostamente envolvidos no caso. 


Anos após a decisão, o CAS revelou que o caso contra Vilukhina e Romanova equivale a nada mais do que a “suspeita de uma potencial violação da regra antidoping”.


“O painel concluiu que nenhum dos atos alegadamente cometidos por essas duas atletas haviam sido estabelecidos de forma confortável”, disse o CAS em um comunicado.


“O painel ordenou que as conclusões e sanções impostas à Sra. Vilukhina e à Sra. Romanova nas decisões contestadas fossem postas de lado e que seus resultados em eventos individuais nos Jogos de Sochi fossem restabelecidos”. Portanto, de acordo com as alegações do Tribunal, as medalhas conquistadas em Sochi 2014 deverão ser devolvidas às atletas. 


Porém, no caso de Zaytseva, o CAS afirmou que de fato houve envolviment da atleta com a quebra do código antidoping, mas reduziu a punição, que ao invés de ser aplicada por toda a sua vida, foi considerada validada apenas até os já realizados Jogos Olímpicos de Inverno em PyeongChang, 2018, na Coreia do Sul. 


Foto: Stefan Wermuth

Nenhum comentário:

Postar um comentário