Presidente do IPC diz que Jogos de Tóquio poderão ocorrer mesmo sem uma vacina contra a Covid-19 - Surto Olimpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Presidente do IPC diz que Jogos de Tóquio poderão ocorrer mesmo sem uma vacina contra a Covid-19

Compartilhe


O presidente do Comitê Paralímpico Internacional (IPC), Andrew Parsons, não acredita que a realização dos Jogos de Tóquio, no próximo ano, esteja condicionante a uma vacina contra o coronavírus. Em entrevista ao portal insidethegames, o brasileiro disse que a ideia de que o megaevento só ocorrerá se houver uma erradicação completa da pandemia é "errada".

“Quando as pessoas dizem 'precisamos de uma vacina', acho que o que precisamos é dizer que precisamos ter o vírus controlado, precisamos ter a pandemia sob controle", opinou ele. “É claro que a vacina será a solução definitiva - ou melhor, as vacinas, porque você tem várias organizações tentando apresentá-las.

"Mas podemos ter cenários em que, devido ao desenvolvimento natural da pandemia, os números diminuirão. E quando tomarmos medidas preventivas, poderemos proporcionar um ambiente seguro para os atletas e todos os envolvidos nos Jogos", completou.

Parsons se mostrou otimista quanto à celebração da Paralimpíada. Suas esperanças foram renovadas principalmente depois que grandes eventos esportivos começaram a ser realizados pelo mundo, como a NBA (basquete) e a Champions League (futebol). Segundo ele, as organizações dessas competições são "encorajadoras".

“Estou otimista quanto à possibilidade de termos os Jogos no próximo ano”, falou. “Penso que alguns dos eventos desportivos que ocorrem neste momento em todo o mundo, como a Champions League, a NBA e outras ligas de futebol, são encorajadores porque também estamos a aprender com isso e o que estão a fazer.

“Claro que sabemos a diferença na dimensão e magnitude dos eventos. Nas Paralimpíadas, temos 4.350 atletas, o que é diferente de oito equipes de futebol nas quartas de final da Champions League, em Portugal. Mas há alguns conceitos que acho que podemos aprender com eles", destacou.

Assim como os campeonatos citados, o plano dos organizadores é realizar os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio de forma reduzida, restrita e simplificada. Eles já esboçaram algumas ideias, como testagem em massa dos envolvidos, quarentena na chegada a Tóquio e rígido controle sobre a saída e entrada da Vila dos Atletas, mas nenhuma delas foi confirmada de forma oficial.

“Precisamos ter o vírus, a pandemia, sob controle, ou melhor, precisamos proporcionar um ambiente seguro e saudável para os atletas e todos os envolvidos nos Jogos. Algumas outras medidas podem ajudar em um cenário em que não temos tantos casos ao redor do mundo como temos agora.

“Estamos planejando todos os cenários possíveis - no que diz respeito aos Jogos, no que diz respeito ao que vai acontecer com o Movimento Paralímpico caso não tenhamos os Jogos. Portanto, sou positivo, mas realista", finalizou.

Os Jogos Paralímpicos de Tóquio estão previstos para acontecerem de 24 de agosto de 2021 a 5 de setembro de 2021. Nesta segunda-feira, o IPC "recomemorará" a marca de um ano para o megaevento.

Foto: Divulgação/IPC

Nenhum comentário:

Postar um comentário