Ex-presidente da Federação de Críquete das Índias Ocidentais discute plano de inclusão da modalidade nas Olimpíadas - Surto Olimpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Ex-presidente da Federação de Críquete das Índias Ocidentais discute plano de inclusão da modalidade nas Olimpíadas

Compartilhe

O ex-presidente da Federação de Críquete das Ocidentais, Dave Cameron, revelou que acredita na possibilidade de inclusão de sua modalidade no programa esportivo dos Jogos Olímpicos. Ele ainda revelou o objetivo de concorrer à presidencia do Conselho Internacional de Críquete (ICC). 

De acordo com o ex-mandatário, o esporte na categoria T-20 seria a forma ideal de encaixar sua realização durante uma Olimpíada. 

"O T20 permite que as equipes sejam competitivas e, nos hoje em dia o tempo é importante", disse ele em relação ao tempo de jogo, conforme noticiado pela Asian News International. 

"Portanto, uma partida de três horas funciona para a maioria do público. Se formos para os Estados Unidos e China, este é o único formato que funcionará".

O críquete foi esporte olímpico apenas nos Jogos de Paris em 1900, quando apenas uma partida foi realizada no evento para definir os medalhistas de ouro e prata, já que duas seleções desistiram de jogar. A Grã Bretanha levou a melhor sobre a França, sendo a única campeã olímpica do críquete em toda a história. 

Cameron sugeriu ainda o uso de seleções Sub-23 e torneios classificatórios para os Jogos Olímpicos. 

Aos 49 anos, Cameron pretende concorrer ao cargo de presidente da ICC, após Shashank Manohar deixar o posto vago no mês passado. 

A principal diferença entre o críquete tradicional e sua variação denominada T20 é a duração da partida. No primeiro não há limitação de turnos, enquanto no segundo o jogo é limitado a 20 entradas. 

Foto: Divulgação

Um comentário:

  1. o criquete só viavel se tornar olimpico se for o formato de t20. pois os outros formatos de partida demoram muito.

    ResponderExcluir