Capital da Somália reabre seu Estádio Nacional após 16 anos de uso militar - Surto Olimpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Capital da Somália reabre seu Estádio Nacional após 16 anos de uso militar

Compartilhe

Apesar da Guerra Civil ainda seguir em curso na Somália, a vida no país vai tentando voltar ao normal aos poucos. Nesta terça (30 de junho), o Estádio Nacional de Mogadishu celebrou sua renovação, às vésperas do aniversário de 60 anos da independência do país, com o clássico nacional entre Mogadishu City Club e Horseed Sports Club, dois dos principais times da Premier League nacional.

O Presidente do país, Mohamed Abdullahi Mohamed, deu o  primeiro chute na bola do estádio que estava fechado desde 2004 e receberá não só os jogos do time nacional, conhecido como Ocean Stars, mas também da Liga Nacional que também voltou à ação após três meses suspensa devido ao Covid-19, informou o Somaliland Standard.



O Estádio foi retornado à Federação de Futebol da Somália (SFF, na sigla em inglês) após anos de ocupação por parte das forças militares do país. O presidente da entidade, Abdiqani Said Arab, disse à Federação Internacional de Futebol (FIFA) que os novos escritórios da federação serão construídos ao lado do Estádio, com apoio financeiro da FIFA.

O estádio foi construído em 1977 e fechou os portões no início da guerra civil em 1991. A partir de 1993, tropas norte-americanas e o exército paquistanês usaram o estádio de base enquanto apoiavam a Missão de Paz da ONU na Somália. Reaberto no fim de 1995, o Mogadishu Stadium fechou novamente em 2004, servindo de base militar quando tropas etíopes foram ao país apoiar a luta do frágil Governo conta as Cortes Islâmicas entre 2007 e 2009. 

O Al Shabaab eventualmente tomou controle do estádio em Janeiro de 2009 e seus militantes ficaram lá até 6 de agosto de 2011, quando foram forçados a deixar a capital do país. Os últimos "residentes não-esportivos" foram os representantes da Missão de Paz da União Africana na Somália (AMISOM, em inglês), que enfim, deixaram o estádio em 28 de agosto de 2018, dando início a um processo de renovação que durou quase dois anos.


A normalização da prática esportiva no país está sendo apoiada também pela Fifa com a reconstrução do Estádio de Waamo, na cidade portuária de Kismayo, a 500 quilômetros do sul da capital, sob os auspícios do Projeto Adiante da FIFA (FIFA Forward Project). A obra deverá ficar pronta ao final do ano.

A Somália apenas esteve presente nos Jogos Olímpicos com representantes do atletismo e atualmente conta com muitos cidadãos que refugiaram-se em países da América e Europa, alcançando fama, como Mo Farah, pelo Reino Unido. Nenhum atleta representante do país garantiu vaga para os Jogos de Tóquio.

Foto: Divulgação

Nenhum comentário:

Postar um comentário