SurtoLista: Sete casais formados por medalhistas olímpicos - Surto Olimpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

SurtoLista: Sete casais formados por medalhistas olímpicos

Compartilhe

Quais as chances de um atleta conquistar uma medalha olímpica? Esse é o sonho de quase todos os esportistas e o motivo pelo qual muitos treinam e se esforçam em todos os dias de suas carreiras. É o ponto máximo do sucesso de qualquer um que viva do esporte.

Outro sonho - este, da grande maioria das pessoas pelo mundo, e não só de atletas - é o de viver com grande amor de sua vida. Muito além de aspectos físicos, essa busca envolve sentimentos, respeito e responsabilidade, fatores que a tornam mais complexa do que pode parecer.

Afinal, qual dos dois sonhos é mais difícil de ser alcançado? As duas opções têm seus desafios, mas é ainda mais improvável que ambas ocorram ao mesmo tempo. Porém, ao longo da história olímpica, alguns atletas venceram o duelo contra as probabilidades e não só chegaram à gloria esportiva como também encontraram o amor em outro, ou outra, medalhista.

Por isso, neste Dia dos Namorados, separamos sete casais formados por atletas que subiram ao pódio em Olimpíadas. Prepare seu coração, porque o amor está no ar no Surto Olímpico!

1 - He Zi e Qin Kai

Uma das imagens mais marcantes dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro em 2016 ocorreu no pódio do trampolim de 3m dos saltos ornamentais. Logo após receber a medalha de prata que conquistou na prova, a chinesa He Zi foi surpreendida por seu namorado e também saltador olímpico Qin Kai, que se ajoelhou e a pediu em casamento.

A cena correu o mundo. He Zi aceitou o pedido e os atletas se casaram em junho de 2017. Alguns meses depois, em dezembro, nasceu a primeira filha do casal.

He Zi e Qin Kai se casaram após pedido no pódio da Rio 2016 (Foto: Global Times)

Além de medalhar na Rio 2016, He Zi conquistou sua primeira prata no trampolim de 3m individual em Londres 2012. Também no Reino Unido, a atleta foi campeã olímpica do trampolim sincronizado feminino com sua parceira Wu Minxia. Já Qin Kai é bicampeão olímpico do trampolim sincronizado masculino (2008 e 2012) e tem mais uma prata e dois bronzes em outros eventos olímpicos.

2 - Sue Bird e Megan Rapinoe

Ouro nos quatro últimos Jogos Olímpicos, quatro títulos mundiais e três troféus de campeã da WNBA, principal liga dos Estados Unidos. Essa é apenas uma parte do extenso e vitorioso currículo de Sue Bird, uma das maiores atletas do basquete feminino do mundo. Atualmente no Seattle Storm, a armadora também tem importantes passagens no basquetebol russo, onde conquistou quatro ligas nacionais pelo Spartak Moscou e mais uma pelo Ekaterimburgo.

Sua namorada, a jogadora de futebol Megan Rapinoe, não fica atrás. Campeã olímpica com a seleção americana em Londres 2012, Rapinoe é também bicampeã da Copa do Mundo, sendo eleita a craque do Mundial de 2019, na França. Uma das maiores ativistas dos direitos das mulheres e da comunidade LGBTQ+ dos Estados Unidos, a meio-campista, junto a outras colegas de seleção, abriu um processo pedindo igualdade entre homens e mulheres no esporte do país no ano passado e chegou a entrar em conflito com o presidente Donald Trump.



Em entrevista à revista ESPN Women em julho de 2017, Bird revelou que se encontrava com Rapinoe desde o final do ano anterior. Juntas desde então, foram o primeiro casal abertamente homossexual a posar para ao especial "Body Issue" da revista The Magazine, da ESPN, em 2018. A edição retrata anualmente grandes atletas nus ou seminus, cobrindo estrategicamente as partes íntimas, como forma de destacar as diferentes facetas dos corpos dos esportistas.

3 - Kate Richardson-Walsh e Helen Richardson-Walsh


Kate e Helen Richardson-Walsh estiveram juntas no ouro olímpico da Grã-Bretanha na Rio 2016 (Foto: Reprodução/Instagram)

Kate Walsh e Helen Richardson - que hoje atendem pelo sobrenome Richardson-Walsh - conquistaram muitos troféus jogando juntas pela seleção inglesa de hóquei na grama. Atuando lado a lado, foram prata nos Jogos da Comunidade Britânica de 2002 e de 2014, campeãs europeias em 2015 e campeãs olímpicas nos Jogos do Rio em 2016, representando o time unificado da Grã-Bretanha.

Além disso, Kate Richardson-Walsh detém o recorde de mais partidas pelo time feminino do país, com 375 jogos. A jogadora foi também capitã da equipe durante 13 anos. Nos Jogos Olímpicos de 2012, onde Helen também estava, Kate sofreu uma lesão na mandíbula após ser atingida por um taco, mas se recuperou a tempo de voltar a jogar e liderou o time rumo ao bronze.

Juntas desde 2008, as inglesas se casaram em 2013. Após o ouro em 2016, Helen e Kate se tornaram o primeiro casal britânico a conquistar um título olímpico desde Antuérpia 1920, quando Cyril e Dorothy White venceram a disputa de 7m da vela. Em dezembro do ano passado, nasceu Pfeiffer, a primeira filha das atletas.

4 - Brianne Theisen-Eaton e Ashton Eaton


O casal Ashton e Brianne Eaton formam uma parceria com múltiplas habilidades do atletismo. Isso porque ambos competiam nas provas combinadas do esporte: Ashton Eaton no decatlo, para homens, e Brianne Theisen-Eaton no heptatlo, para mulheres.

Antes de anunciarem a aposentadoria juntos em janeiro de 2017, os dois conseguiram conquistas em competições importantes. A canadense Brianne foi bronze no heptatlo nas Olimpíadas do Rio em 2016, prata nos Mundiais de 2013 e de 2015 e campeã dos Jogos da Comunidade Britânica de 2014. Já o americano Ashton é considerado um dos maiores decatletas de todos os tempos. Bicampeão olímpico (2012 e 2016) e mundial (2013 e 2015), o esportista foi o dono do recorde mundial da prova de 2012 a 2018 e detém até hoje o recorde do heptatlo, disputado em competições indoor.


Os atletas se conheceram quando competiam juntos na Universidade de Oregon, Estados Unidos, ainda em 2006. Casados desde 2013, o primeiro filho do casal, Ander Nicholas Eaton, nasceu em janeiro deste ano.

5 - Nadia Comăneci e Bart Conner


A romena Nadia Comăneci dispensaria apresentações. Um dos maiores ícones olímpicos de todos os tempos, a ginasta conquistou três medalhas de ouro, uma de prata e uma de bronze nos Jogos de Montreal em 1976. Muito além dos títulos, porém, as sete notas 10 conquistadas pela atleta naquelas Olimpíadas foram as primeiras apresentações perfeitas da história da ginástica olímpica moderna e fez com que a Federação Internacional do esporte precisasse repensar seus critérios de pontuação. Comăneci ganharia mais dois ouros e duas pratas em Moscou 1980, chegando a nove medalhas olímpicas na carreira.

Nadia conheceu seu atual marido, o americano Bart Conner, em Montreal. Conner também era ginasta e foi campeão olímpico na prova por equipes e nas barras paralelas nos Jogos de Los Angeles em 1984. O atleta auxiliou Nadia a escapar de um relacionamento abusivo com o homem que a ajudou a fugir da Revolução Romena em 1989 e que se aproveitava da imagem de Comăneci para seu benefício financeiro, mantendo-a isolada durante três meses. Desde então, os ex-ginastas cultivaram uma relação de amizade que acabaria se tornando um namoro e, posteriormente, um noivado.

Comăneci e Conner são medalhistas olímpicos e estão casados há mais de 20 anos (Foto: Reprodução/newsmuseum)

O casamento de Comăneci e Conner ocorreu no antigo Palácio Presidencial em Bucareste em 1996 e foi televisionado pela TV romena com altíssimos níveis de audiência. Atualmente, os dois vivem juntos nos Estados Unidos com o filho Dylan, nascido em 2006.







Uma publicação compartilhada por Bart Conner (@bartconner) em

6 - Jaqueline e Murilo

Jaqueline e Murilo formam um dos casais mais conhecidos do esporte brasileiro. Os dois se encontraram pela primeira vez em 1998, ano em que Jaque se mudou para São Paulo para dar seus primeiros passos em uma grande equipe de vôlei. Juntos desde então, os atletas se casaram em 2009 e, em 2013, tiveram seu primeiro filho, Arthur.







Uma publicação compartilhada por Jaque (@jaqueline) em

Medalhista de ouro em Pequim 2008 e em Londres 2012, Jaqueline faz parte do seleto grupo de atletas brasileiras bicampeãs olímpicas - além dela, apenas suas companheiras de seleção Sheilla, Thaísa, Fabiana, Fabi Alvim e Paula Pequeno têm esse feito entre as mulheres. A ponteira, hoje com 36 anos, defendeu a equipe de Osasco na última temporada, sendo um dos maiores destaques do time na Superliga.

Já Murilo jogou como líbero no SESI-SP nos últimos anos. Na seleção, quando ainda era ponteiro-passador, o atleta conquistou o Mundial de Vôlei de 2006 e repetiu a dose em 2010. Em Jogos Olímpicos, porém, não teve a mesma sorte nas finais: duas medalhas de prata, em 2008 e em 2012. Apesar da derrota na partida decisiva, as boas atuações de Murilo em Londres o levaram a ser considerado o melhor jogador do torneio olímpico.

7- Dani Lins e Sidão

Mais um casal medalhista do vôlei brasileiro! A levantadora Dani Lins e o central Sidão têm retrospectos semelhantes aos de Jaque e Murilo em suas carreiras olímpicas. Enquanto Dani foi campeã nos Jogos de 2012, conquistando a titularidade durante a competição e se destacando nos momentos decisivos da campanha brasileira, Sidão venceu o Mundial em 2010, mas sentiu na pele a dolorosa derrota para a Rússia na final olímpica em Londres e ficou com a prata.

Os medalhistas estão juntos desde 2010, mas, devido à agenda repleta de compromissos esportivos de ambos, se casaram apenas em 2015. Lara, a primeira filha do casal, nasceu em fevereiro de 2018. 



Dani, Sidão e Lara estão atualmente em Bauru, cidade da equipe defendida pela levantadora na última temporada, o SESI-Bauru. Sidão, por sua vez, atuava pelo SESI da capital paulista até o início da pandemia do novo coronavírus, quando a Superliga acabou interrompida. Durante live no Instagram do canal SporTV, o atleta de 37 anos revelou ter planos de aposentadoria para poder passar mais tempo com a família.

Foto de capa: Reuters

Nenhum comentário:

Postar um comentário