Órgão alemão pede uma supervisão independente das reformas da IWF e maior representação dos atletas - Surto Olimpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Órgão alemão pede uma supervisão independente das reformas da IWF e maior representação dos atletas

Compartilhe

O órgão independente formado por atletas de alto nível na Alemanha, Athleten Deutschland, pediu "um pessoal abrangente e um relançamento estrutural" na Federação Internacional de Levantamento de Pesos (IWF) depois que a Investigação Independente de McLaren (foto) registrou uma corrupção generalizada sob o ex-presidente Tamás Aján.

O relatório de Richard McLaren condenou a IWF sob o comando de Tamás Aján, detalhando como os húngaros conseguiram o poder comprando votos e expondo encobrimentos de doping e falta de fundos.

Jürgen Spieß, membro da Athleten Deutschland e representante da Federação Alemã de Halterofilismo, disse que o relatório mostra evidências de um "segredo aberto" dentro do esporte. "As investigações finalmente confirmam por uma fonte independente o que tem sido um segredo aberto na comunidade de levantamento de peso", disse Spieß.

"Também está claro que os resultados provavelmente revelam apenas a ponta do iceberg. Agora espero investigações abrangentes de todos os países e cem por cento de cooperação da IWF" comentou Jürgen.

Spieß, que ganhou uma medalha de ouro no Campeonato Europeu de Halterofilismo de 2009, acrescentou: "Precisamos criar oportunidades para a próxima geração de atletas da modalidade. Em vez de ganho pessoal e preservação do poder de oficiais únicos, os atletas devem finalmente ser o foco da Federação e, portanto, de qualquer esforço de reforma."

A Athleten Deutschland afirma que a representação democrática dos atletas é necessária e que a reforma só será credível se for supervisionada por um comitê independente depois que parte do Conselho Executivo da IWF se recusou a cooperar com o inquérito da McLaren.

A investigação ocorreu após revelações feitas em um documentário da emissora alemã ARD, e a Athleten Deutschland comentou que "o fato de mais uma vez ter sido necessário que jornalistas descobrissem um escândalo e não o próprio esporte organizado causasse profunda preocupação".

Maximilian Klein, representante da política esportiva internacional e organizacional da Athleten Deutschland, disse que o caso da IWF demonstrou que o fluxo de dinheiro no Movimento Olímpico deve ser "rastreável e transparente" para garantir que os atletas possam se beneficiar.

O Comitê Olímpico Internacional (COI) nunca se cansa de enfatizar que 90% de suas receitas voltam ao esporte e, portanto, uma participação direta de atletas nas receitas de bilhões de dólares não é apropriada. O caso flagrante da IWF é apenas um dos muitos no esporte internacional, onde milhões ganhos com a comercialização de imagens e o trabalho duro dos atletas são desviados e não estão beneficiando os atletas como o último elo da cadeia. É óbvio que os sistemas de auditoria do COI não são eficazes.

"Caso contrário, como é possível que US$ 23,2 milhões (R$119,6 milhões) que o COI pagou à IWF de 1992 a 2008 não foram totalmente declarados nos balanços da IWF e cerca de US$ 10 milhões (R$ 51,5 milhões) pagos durante o período em análise estão ausentes? As finanças e os fluxos de dinheiro dentro do Movimento Olímpico devem ser totalmente investigados, rastreáveis ​​e transparentes" acrescentou Klein.

Fonte: Neil Hall / Reuters

Nenhum comentário:

Postar um comentário