Ada Hegerberg assina contrato de patrocínio milionário com fornecedora de material esportivo - Surto Olimpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Ada Hegerberg assina contrato de patrocínio milionário com fornecedora de material esportivo

Compartilhe

Vencedora da Bola de Ouro em 2018, a norueguesa Ada Hegerberg assinou um contrato milionário com a Nike com duração de 10 anos. Ela receberá 1,3 milhão de euros anuais, um recorde para uma jogadora de futebol da Europa.

Segundo a revista Forbes, há apenas uma jogadora de futebol entre as 15 atletas que mais faturaram em 2019. Na lista que é liderada pela tenista Serena Williams (26 milhões anuais), a americana Alex Morgan é a única futebolista que aparece, com um faturamento 5,13 milhões de euros por ano. No entanto, os rendimentos da Morgan são compostos principalmente por contratos de publicidade. Apenas 4,3% de sua renda corresponde ao seu salário como jogadora de futebol. Só para traçar um paralelo, dos 118 milhões de euros que o argentino Messi recebeu no ano passado, 73% do seu faturamento foi através do seu salário como jogador do Barcelona.

Ao deixar a Puma, sua antiga patrocinadora, a jogadora do Lyon se junta a um elenco de embaixadores mundiais da Nike, como LeBron James, Naomi Osaka, Cristiano Ronaldo, Serena Williams e Neymar.

"É um contrato histórico e um verdadeiro compromisso com a Ada e com o futebol feminino", explicou Victor Bernard, representante da futebolista norueguesa.

“É outro grande passo na minha carreira. A Nike e eu temos objetivos comuns para ajudar no crescimento do esporte feminino. Minhas performances me trouxeram aqui e quero continuar fazendo história com a Nike, dentro e fora do campo. Estou muito satisfeita por fazer parte dessa equipe ”, disse Hegerberg. 

O compromisso da Nike com Hegerberg faz parte da ideia da empresa americana de se posicionar no futebol feminino europeu. Eles já estão consolidados nos Estados Unidos com jogadoras como Alex Morgan e Megan Rapinoe e procuravam um europeia, não mais famosa que Hegerberg, precisamente a grande ausência na última Copa do Mundo de 2019, o que significou a decolagem da mídia no futebol feminino. 

A seleção norueguesa, campeã mundial em 1995, ficou sem a sua maior estrela, que reivindicou o mesmo tratamento que os homens em termos de tratamento e estrutura. "O futebol é o esporte mais importante da Noruega para as mulheres e existe há anos, mas as meninas não têm as mesmas oportunidades que os meninos", explicou Hegerberg sobre sua recusa em viajar para a França. A norueguesa desafiou sua federação pela igualdade entre o futebol masculino e feminino e agora desafia as regras de marketing para se estabelecer como uma das atletas mais bem pagas do mundo.

Foto: Lisi Niesner/Reuters

Nenhum comentário:

Postar um comentário