Qualificado para Tóquio, saltador Alexsandro Melo volta para Londrina para poder treinar - Surto Olimpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Qualificado para Tóquio, saltador Alexsandro Melo volta para Londrina para poder treinar

Compartilhe

Alexsandro do Nascimento Melo, mais conhecido como Bolt no meio atlético, mudou-se de São Paulo, onde mora, para Londrina, cidade em que nasceu, logo que as restrições foram impostas pela pandemia da COVID-19. Foi ficar perto da família e aproveitar a possibilidade de treinar melhor na casa paranaense, de olho nos Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2021.

"Estou fazendo treinos de fortalecimento muscular e de coordenação motora. Tenho em casa duas caixas de salto, algumas anilhas e um colete pesado. Assim posso fazer os treinos passados pelo Neilton de segunda-feira a sábado", disse, referindo-se ao treinador Neilton Salvador Alfano Moura.

A parada das competições deixou o saltador, medalha de bronze no salto triplo no Mundial Universitário de Nápoles-2019, triste, pois havia desempenhado bem no início da temporada 2020 no Campeonato Sul Americano Indoor, em Cochabamba, Bolívia. Ele foi o destaque da delegação brasileira e da competição, realizada no início de fevereiro pela primeira vez no continente. 

"Venci o salto em distância e o salto triplo, com bons resultados, ganhando dois ouros em Cochabamba. Estava me preparando para o Mundial em Pista Coberta da China, que acabou adiado para 2021. A expectativa era muito grande para a Olimpíada de Tóquio, mas de repente tudo parou. O foco, porém, continua igual. Quero ir a Tóquio no ano que vem em condições ainda melhores e o objetivo é lutar por medalha. Antes da Olimpíada, teremos o Mundial Indoor na China", lembrou ele,. 

O paranaense conseguiu o índice olímpico para ir a Tóquio no triplo no Meeting de Sotteville, na França, com 17,20 m (2.0), em julho de 2019. Pouco antes, ainda fora do prazo de obtenção das marcas mínimas, ele saltou 17,31 (0.4) em Cochabamba, em abril. Com a marca, ele lidera o Ranking Brasileiro de 2019. É o primeiro colocado também no salto em distância, com 8,12 m (0.4).

Além dos treinos nesta época de quarentena, Alexsandro, de 24 anos, aproveita o tempo para se aprofundar nas questões escolares. Ele cursa educação física na UNG e está preparando seu TCC sobre o atletismo e saltos horizontais, acompanhando a diversas palestras do Brasil e do exterior, pela internet.

Para Neilton, o objetivo principal dos treinos realizados por Bolt é evitar uma queda mais pronunciada em seu condicionamento. "Ele é um dos atletas que estão se mantendo isolados e treinando apenas em casa. Já são oito semanas. Tenho tentado fazer com que ele cumpra os treinos adaptados para o espaço e implementos que conseguiu juntar. Tentamos controlar seu estado de treinamento com alguns testes", comentou o treinador. Alexsandro tem também como responsabilidade, em Londrina, conscientizar a família do problema, tentando preservar a integridade de todos nos próximos meses.

O treinador espera voltar à rotina de preparação em breve. "Tenho esperança de podermos voltar aos treinos normais em 6 a 8 semanas e competir em dezembro, o que já seria preparação para os eventos indoor da temporada seguinte. O Alexsandro tem melhorado seus resultados a cada ano e o adiamento das competições, num primeiro olhar, foi vantajoso, mas o isolamento trará uma grande desigualdade de condições para a próxima temporada."


Bolt começou a se interessar por esporte aos 13 anos, após as Olimpíadas de Pequim-2008. Uma cena em especial despertou seu desejo ao ver Maurren Maggi emocionada após a conquista do ouro no salto em distância e abraçada a seu treinador Nélio Moura (irmão de Neilton). Começou em Londrina ao acompanhar uma prima que já era atleta.

Foto: Wagner Carmo/CBAt


Nenhum comentário:

Postar um comentário