Vitor Tavares, com força de vontade e grande dedicação, alimenta o sonho paralímpico - Surto Olimpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Vitor Tavares, com força de vontade e grande dedicação, alimenta o sonho paralímpico

Compartilhe

Quando foi anunciado que o parabadminton seria incluído nos Jogos Paralímpicos pela primeira vez, muitos atletas correram para se classificar. Vitor Tavares era um deles, mas ele parecia não se apressar, quase como se estivesse lenta e firmemente escolhendo seus oponentes, um de cada vez ao longo do caminho.

“Meu adversário mais difícil em 2019 e no início de 2020 foi Jack Shepard, da Inglaterra. Ele é um atleta muito bom, com altas habilidades técnicas e táticas ”, disse Tavares, atualmente classificado em quarto lugar no mundo na categoria Short Stature (SH6), para homens.

Pouco antes das notícias dos cancelamentos chegarem este ano, o jovem de 21 anos conquistou uma medalha de ouro em um evento em casa, o Brazil Parabadminton International e prata no Peru Parabadminton International, levando-o para o sexto lugar na corrida para Tóquio.

Agora, ele terá que esperar mais um ano para que seus esforços sejam recompensados, já que a pandemia global do COVID-19 levou ao cancelamento de torneios esportivos e a Paralimpíada foi adiada para 2021.

À medida que cidades em todo o mundo impõem restrições ao movimento, o treinamento assumiu um significado diferente nas últimas semanas.

"Há momentos em que eu só quero dar uma corrida no parque para aproveitar o meio ambiente, mas não posso", disse o morador de Curitiba, no Paraná.

Tavares tem contato constante com seu treinador e personal trainer para que ele possa acompanhar o treinamento em casa. O tempo é gasto analisando vídeos dele e de seus oponentes, além de outros métodos de treinamento.

"Também estou em contato com meu psicólogo porque é difícil me motivar. Treinar em casa, em comparação com a academia ou na quadra, é muito diferente, mas pensar nos meus objetivos realmente ajuda. ”

Tavares também tende a lutar com o aspecto psicológico de estar em competição e acredita que suas emoções na quadra o detiveram várias vezes.

"Estamos trabalhando para mudar isso. Eu tenho força de vontade e uma grande dedicação. Isso me motiva a treinar mais, continuar a melhorar e obter bons resultados dentro e fora da quadra. ”

Tavares começou a jogar badminton em 2016. Dois anos depois, ele conquistou as medalhas de ouro nas duplas, no Campeonato Pan-Parabadminton.

Nos Jogos Para-Panamericanos 2019 de Lima, ele ganhou o ouro no masculino e é a esperança da medalha do Brasil em Tóquio, mas fazer malabarismos com os prós e contras da vida de um atleta.

“Você se dedica de corpo e alma a treinos e partidas e, quando obtém bons resultados, sente uma sensação de realização. Mas há coisas que você desiste ao longo do caminho quando a maior parte do tempo é ocupada por treinamento ”, afirmou ele.

Um desses sacrifícios é o seu diploma universitário, que ele teve que adiar devido a uma agenda agitada de torneios, mas Tavares está determinado a não desistir. "Pretendo voltar a estudar Educação Física e me formar."

Com seu cronograma regular de treinamento interrompido, Tavares faz todos os esforços para permanecer em forma e está pronto para quando for a hora de volta à quadra novamente. “Quando você fica fisicamente ativo, seu corpo e sua saúde agradecem. Eu sempre me sinto mais satisfeito quando termino um treino e suo bem. ”

Estar longe do circuito também tem seus pontos positivos.

"De certa forma, é uma boa pausa para relaxar em casa, acompanhar os filmes que eu perdi. Também tenho tempo para pensar em mim, planejar meu futuro e alguns objetivos fora da quadra. ”

Foto: Divulgação

Nenhum comentário:

Postar um comentário