Impedida de competir nos 800m, Caster Semenya buscará a vaga nos 200m em Tóquio 2020 - Surto Olimpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Impedida de competir nos 800m, Caster Semenya buscará a vaga nos 200m em Tóquio 2020

Compartilhe

A atleta sul-africana Caster Semenya, impedida de competir os 800m, mudou o foco e agora brigará por uma vaga na prova dos 200m nos Jogos Olímpicos Tóquio 2020. A esportista foi proibida de participar das provas mais longas em virtude da nova legislação do atletismo quanto a limitação das taxas de testosterona. A atleta apelou ao Tribunal de Arbitragem do Esporte (CAS), mas sem êxito.

Semenya nasceu com traços intersexuais - ou seja, seu corpo produz níveis atípicos de testosterona. Por isso, ela deveria tomar inibidores de testosterona caso quisesse participar das provas de 400m até 1500m. A sul-africana até tentou disputar os 5000m, as agora optou pelas provas de velocidades em sua corrida para a capital japonesa

A mudança para os 200m tornou-se esperada depois que ela correu 300m no mês passado e, supostamente, 200m na ​​semana passada em pequenos eventos na África do Sul. Entretanto, seu tempo de 200m registrado de 23,81 segundos, acima do tempo máximo para obter a vaga olímpica, que é 22,80. Além disso, nenhum sul-africano tem 22,80 desde 2008.

"Meu sonho sempre foi, e continuará sendo, competir no mais alto nível do esporte; portanto, para perseguir meus objetivos e sonhos, decidi mudar os eventos e competir nos 400m", disse Semenya em diversas mídias da África do Sul. "Isso não tem sido fácil, mas tudo é possível. Eu me chamo de sobrenatural, para que eu possa fazer o que quiser" acrescentou a esportista.

Semenya é bicampeã olímpica (Londres 2012 e Rio 2016) dos 800m e invicta na distância desde o início de 2016. Além disso, a atleta é tricampeã mundial da prova (Berlim 2009, Daegu 2011 e Londres 2017) além de bronze nos 1500m na capital britânica. A sul-africana ainda conquistou o ouro nas duas provas pelos Jogos da Commonwealth Gold Coast 2018.

Foto: Paul Childs/Reuters

Nenhum comentário:

Postar um comentário