Tóquio 2020 lança concurso para a escolha das medalhas olímpicas e paralímpicas

O Comitê Organizador das Olimpíadas e Paralímpiadas de Tóquio 2020 lançou uma competição para escolher as medalhas que serão entregues aos vencedores nas duas edições dos jogos. Poderão concorrer os japoneses e residentes do país, com idade igual ou superior a 18 anos, que deverão apresentar propostas de design para as medalhas. A competição é dirigida a pessoas com experiência em design, incluindo mais jovens e experientes, estudantes de design e profissionais da área.

Em um primeiro momento os candidatos serão solicitados a enviar seus perfis pessoais e exemplos de trabalhos prévios para avaliação até o dia 19 de janeiro de 2018. Aqueles julgados conforme os critérios exigidos serão convidados a enviar projetos para a parte traseira das medalhas olímpicas e para os dois lados das medalhas paralímpicas. Os criadores deverão enviar suas propostas para os três projetos como um conjunto.

Foi formado um painel de seleção de design da medalha de Tóquio 2020, composto por membros do Conselho Consultivo de Tóquio 2020, ex-atletas e designers profissionais. Eles analisarão todos os inscritos e selecionarão uma lista restrita de projetos até abril de 2018.

Os designers escolhidos, juntamente com uma instituição de produção, criarão maquetes tridimensionais das medalhas selecionadas. O fim do processo de escolha, com a seleção do vencedor, deverá ser feito em agosto de 2018, já a apresentação das medalhas deverá acontecer apenas em 2019.

Para o boxeador japonês Ryota Murata, medalhista de ouro nos Jogos Olímpicos de Londres 2012, e atual campeão entre os médios da Associação Mundial de Boxe, as medalhas "precisam durar para sempre". "Um design simples que você nunca se cansa é melhor. As medalhas de Tóquio 1964 e Nagano 1998 foram impressionantes na medida em que elas traziam uma sensação japonesa para elas", afirmou.

As medalhas serão produzidas com materiais reciclados. No início deste ano os organizadores de Tóquio 2020 começaram a coletar em todo o país dispositivos eletrônicos descartados e obsoletos para usar o metal que eles contêm na produção das medalhas. Tóquio 2020 afirma que é a primeira vez na história que uma abordagem inovadora e ambientalmente amigável foi adotada por um Comitê Organizador de Jogos Olímpicos e Paralímpicos.


Entre abril e outubro deste ano, aproximadamente 1.874 toneladas de dispositivos descartados foram coletadas pelas autoridades municipais em todo o Japão. Durante o mesmo período, cerca de 1,78 milhões de celulares usados ​​foram entregues nas lojas NTT DOCOMO em todo o país.

Foto: Tokyo 2020


APOIE O SURTO OLÍMPICO EM PARIS 2024

Sabia que você pode ajudar a enviar duas correspondentes do Surto Olímpico para cobrir os Jogos Olímpicos de Paris 2024?

Faça um pix para surtoolimpico@gmail.com e nos ajude a levar as jornalistas Natália Oliveira e Laura Leme para cobrir os jogos in loco.

Composto por cinco editores e sete colaboradores, o Surto Olímpico trabalha desde 2011 para ser uma referência ao público dos esportes olímpicos, não apenas no Brasil, mas em todo o mundo.

Apoie nosso trabalho! Contribua para a cobertura jornalística esportiva independente!

Postar um comentário

To Top