Coluna Sudamérica Olímpica - O Esporte precisa de mais investimento na América do Sul - Surto Olímpico

Pesquisar:

Arquivo do blog

Últimas Notícias

Coluna Sudamérica Olímpica - O Esporte precisa de mais investimento na América do Sul

Compartilhe
Por Paul Huanqui Arosemena

Um atleta ou um time nunca competem sozinhos. Sempre precisam do apoio extra, como o alento da torcida nas arquibancadas, que é importante, mas o melhor forma de ajuda vêm do Estado e também da iniciativa privada. Ganhar medalhas nos Jogos Olímpicos podem ser uma consequência de maiores investimentos desportivos nos países da América do Sul.

De acordo numa pesquisa do Forbes no ano de 2015, Brasil era a nação com maior orçamento para esporte na região com 1,895 bilhões de dólares, uma liderança que não mudou, pois isso é uma política do governo. Um plano de desarrolho esportivo que passar dos anos, lhes permitiu sediar os dos torneios internacionais importantes: o Mundial de Futebol (2014) e os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro (2016), sendo esse último uma justificativa para que o ano passado o Ministério do Esporte tenha colocado à disposição 1.72 bilhão de reais.

No Brasil o investimento, ainda criticado, nos projetos de infraestrutura, ajuda para viagens e preparação dos atletas, massificação de programa para ativação física, são alguns dos temas que receberam durante o ano dos Jogos Pan-Americanos em Toronto, sendo 800 milhões de dólares. Um dos principais programas lá são a Bolsa Atleta, Bolsa Pódio e a parceira com as Forças Armadas. Nesse país darão maior ênfase na pasta à inclusão social e esporte educacional.

Mais para o ano 2017, serão 960 milhões de reais de investimento –44% menos do que  no ano passado. Embora a redução, a Bolsa Atleta, um programa que no 2016 apoiou seis mil atletas brasileiros com 143 milhões de inversão, mantém este ano quase orçamento com apenas um descenso de 2%.

Na mesma pesquisa do Forbes, Chile era o segundo pais com melhor investimento esportivo com 213 milhões no 2015, com 45% do dinheiro usado na Copa América. Para o ano 2017 terá uma redução para  49 milhões de dólares devido à recorte de dinheiro por falta de execução em obras de infraestrutura desportiva.

No terceiro, fica a Colômbia com 169 milhões de dólares em 2015. Para 2017 o Presidente desse país Juan Manuel Santos prometeu um aumento de 110 milhões de pesos, cerca de 39 milhões de dólares, para os esportistas de alto rendimento. E seu programa ‘Desportista Apoiado’ acrescentaria de 250 a 400 milhões. Colômbia tem apostado  pesado no esporte.

Mais a preocupação dos atletas lá é a diminuição do apoio em 27.5% para o 2017 comparado com os dos anos anteriores, até próximo dezembro terão 299 milhões de pesos, cerca de 104 milhões de dólares.

O norte da região teve um grão desenvolvimento alto, e Equador com seus 246 atletas salariados é outro notável exemplo. O governo de Rafael Correa criou o programa Equador Exercita-te, permitindo beneficiar meio milhão de pessoas.

No Sul, Argentina tem uma tradição pôr os programa do Estado que permitiram a aparição de grandes figuras do tênis, futebol, basquete, hóquei sobre grama e boxe. Embora a situação econômica complicada no pais da bandeira do Sol radiante, seus progresso na matéria do esporte segue.

Uns dos casos emergentes é Peru que teve um aumento no orçamento importante ao sediar torneios continentais e mundiais nos últimos 5 anos e com os Jogos Pan-Americanos do 2019 recebe na atualidade maior inversão em infraestrutura e preparação de esportistas. Para um exemplo, a federação com maior subvenção do Estado no ano 2017 é de atletismo com um 1,2 milhões de dólares.

Um caso parecido acontece em Uruguai com 11 milhões de dólares entre os anos 2011 e 2015. Como no Peru e de acordo as cifras da Secretaria do Esporte de esse pais, o atletismo foi a federação com maiores ingressos com 689 mil dólares.

Na maioria de países mencionados a maior parte da financiamento do esporte vem do governo e os Comitês Olímpicos Nacionais, e num mínimo porcentagem de apoio privado para os atletas.

Além disso as leis de patrocínio desportivo são necessárias cada vez mais nos países da região, dando benefícios como exoneração de impostos ás empresas privadas é toda instituição que ajude nossos esportistas.



Nenhum comentário:

Postar um comentário