Reportagem: Com primeira medalha dos Jogos e prata de Wu, Tiro Esportivo assume o protagonismo do primeiro dia de Jogos Rio 2016 - Surto Olímpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Pesquisar:

Últimas Notícias

Reportagem: Com primeira medalha dos Jogos e prata de Wu, Tiro Esportivo assume o protagonismo do primeiro dia de Jogos Rio 2016

Compartilhe
Quem chegava ao Centro Olímpico de Tiro Esportivo em Deodoro na manhã do sábado (6) já tinha em mente que a primeira medalha de ouro dos Jogos Rio 2016 seria distribuída ali. Um brasileiro, Felipe Wu, também tinha chance de subir no pódio durante à tarde. O grande destaque é a forma como os fatos se desenrolaram nos estandes.

O público chinês tomou as arquibancadas da disputa feminina da carabina de ar 10 metros, afinal, duas atletas do país eram favoritas para faturar a primeira medalha dourada da Olimpíada. Yi Siling defendia o título obtido em Londres 2012, enquanto Du Li foi a campeã de Atenas 2004. Ambas avançaram para a final no Rio.

Na posição “B” das oito finalistas estava uma norte-americana ainda não tão conhecida internacionalmente. Com apenas 19 anos de idade, Virginia Thrasher começou a praticar o tiro esportivo com 15. Quatro anos foram suficientes para torná-la o maior destaque universitário do esporte nos Estados Unidos.

Enquanto as chinesas oscilavam na classificação entre as oito finalistas, Thrasher se manteve sempre entre as líderes, com pontuações seguras e longe das eliminações, que ocorriam uma a uma. O meio tempo foi o suficiente para eliminar outra favorita, a croata Snjezana Pejcic, eleita a melhor do ano em 2015 pela Federação Internacional de Tiro Esportivo (ISSF).

Quando a alemã Barbara Engleder foi eliminada na quarta posição já se sabia que a disputa do ouro ficaria entre as duas experientes chinesas contra a norte-americana “invasora”. Thrasher não sentiu a pressão e emendou uma sequência de 10.7, 10.5, 10.5 e 10.4 para somar 208 pontos e ficar com o primeiro ouro dos Jogos Rio 2016.

Primeiro pódio no Rio | Foto: ISSF

Coube a ela receber de Thomas Bach, presidente do Comitê Olímpico Internacional, a medalha. “Eu, honestamente, estou feliz só por estar aqui. Isso vai além dos meus sonhos mais bárbaros", disse a norte-americana na coletiva após a prova. "Eu acho que quando eu assumi a liderança na final eu me dei conta da possibilidade [de ganhar o ouro]. Mas eu rapidamente recuperei o foco nos tiros".

Wu é o primeiro brasileiro a medalhar no Rio

Junto com a tarde no Centro Olímpico de Tiro veio uma invasão brasileira no local de disputa. Tudo para ver Felipe Wu em ação. Primeiro jornalistas e torcedores lotaram a sala de qualificação da prova masculina da pistola de ar 10 metros, na tentativa de decifrar os códigos estranhos aos olhos do público leigo de tiro esportivo. O fato de apenas duas telas – de visibilidade limitada – exibirem os resultados no estande de qualificações adicionou uma dose extra de emoção.

No fim, sétimo lugar para Felipe Wu e uma vaga na final. Wu já falava há semanas que, se conseguisse avançar entre os oito, teria grandes chances de medalhar. Na tarde do sábado (6) ele confirmou, na prática.

Pódio da Pistola de Ar 10 metros | Foto: ISSF

Wu chegou a ter a liderança nas mãos ao fim das sessões dois e três de tiros, antes de ser ultrapassado pelo vietnamita Xuan Vinh Hoang. Os dois monopolizaram a briga pelo primeiro lugar, com o asiático chegando a fechar a sétima série com 1.5 ponto acima do brasileiro. Enquanto isso, os outros adversários caíam um por um.

Juraj Tuzinsky foi o quinto eliminado da final, o que deixou apenas três competidores vivos na final. Em seguida foi a vez do chinês Pang Wei deixar a disputa, o que garantiu pelo menos a prata para Wu.

Com apenas um tiro para disparar e uma vantagem de apenas 0.2 a favor, Felipe Wu tomou a iniciativa do tiro final e obteve um 10.1. Hoang então fez suspense. Esperou por segundos que pareceram minutos para os brasileiros na arquibancada, que tentavam fazer pressão em cima do vietnamita.

Quando Xuan Vinh Hoang disparou o placar mostrou a pontuação de 10.7, próxima da perfeição, e que garantiu o primeiro ouro da história do Vietnã em Olimpíadas. Para Wu a prata rendeu muita comemoração da torcida, que passou a gritar “Felipe”. O fator casa se fez valer segundo o brasileiro: “Foi profundamente tocante e isso me ajudou. Fez a diferença no meu desempenho".

Em um dia que já começou cheio para o Brasil na primeira Olimpíada em casa, o tiro abocanhou um lugar que não costuma ser dele no país durante os Jogos Olímpicos.  O nome do fenômeno, sem dúvida, é Felipe Wu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário