Últimas Notícias

Duplas femininas do Brasil obtêm bons resultados no Grand Slam do Rio de Janeiro do Circuito Mundial de Vôlei de Praia


Na quarta-feira (09.03) as cinco duplas que representam o Brasil no torneio feminino entraram em quadra duas vezes no Grand Slam do Rio de Janeiro do Circuito Mundial de Vôlei de Praia, com o saldo de seis vitórias em 10 jogos.

Campeãs no Open Maceió há pouco menos de duas semanas, Duda e Elize Maia (SE/ES) tiveram dificuldades na estreia, especialmente em razão de uma entorse no dedão do pé direito do jovem talento sergipano. Na primeira partida da dupla, Duda e Elize sofreram o revés para Borger/Büthe (ALE) por 2 sets a 1 (21/17, 18/21 e 15/10), em 47 minutos. No início da noite as brasileiras reeditaram a final do torneio na capital alagoana contra Meppelink/Van Iersel (HOL), mas também não chegaram ao resultado positivo, 2 sets a 0 para as holandesas (21/19 e 21/19), em 45 minutos.

A parceria recém-formada Juliana/Taiana (CE) iniciou o dia sendo superada por Dubovcova/Nestarcova, da Eslováquia, por 2 sets a 1 (18/21, 21/16 e 15/13), em 50 minutos. A recuperação veio na segunda rodada quando as representantes do Ceará passaram por Matauatu/Pata, de Vanuatu, por 2 sets a 0 (21/16 e 21/18), em 41 minutos. Apesar da vitória, Juliana acredita que ainda é preciso evoluir no torneio.

“Acho que ainda está faltando a Taiana e a Juliana chegarem no campeonato, a gente ainda não chegou. Ganhamos de um time difícil, um time chato, que dá muito volume ao jogo. Mas a gente teve paciência e força na hora que deveria, mas ainda temos muito o que evoluir. Ainda não colocamos nosso melhor jogo aqui, vai chegar ainda”, disse Juliana.

Lili/Maria Elisa (ES/PE) também teve resultados diversos nas duas partidas realizadas nesta quarta-feira. Na abertura da rodada Lilil e Maria Elisa venceram Wang/Yue (CHN) por 2 sets a 1 (17/21, 21/18 e 17/15), em 55 minutos. No jogo seguinte elas não conseguiram passar por Labourer/Sude (ALE), 2 sets a 0 para o time alemão (21/18 e 21/13), em 33 minutos.

Ágatha/Bárbara Seixas (PR/RJ) e Larissa/Talita (PA/AL) foram as duas duplas do Brasil com 100% de aproveitamento no primeiro dia. As atuais campeãs mundiais, Ágatha e Bárbara Seixas estrearam com vitória sobre Arvaniti/Karagouni (GRE) por 2 sets a 0 (21/17 e 24/22), em 44 minutos. No outro jogo elas bateram Broder/Valjas (CAN) também em dois sets (21/11 e 21/14), em 32 minutos.

“Estamos bem conscientes que ainda estamos em início de temporada, mas atleta quer ganhar de qualquer jeito, né? (risos). Em quadra a gente vai além do treinamento, a gente se supera. Tem vontade de botar em prática tudo que treinamos. Nosso primeiro set foi contra um time que a gente nunca tinha enfrentado, elas raramente passam pelo classificatório, achei que elas foram muito bem. De qualquer forma temos que focar em nosso objetivo. Respeitamos todos os adversários independentemente da posição no ranking. Esse segundo time é muito chato, já jogamos várias vezes contra elas. Foi muito bom ter conseguido fazer uma partida tranquila”, comentou Ágatha após a segunda rodada.
Larissa e Talita (PA/AL) começaram batendo Xue/Xia (CHN) por 2 sets a 0 (21/13 e 21/13), em 30 minutos. Depois o confronto foi com a dupla da Suíça Heidrich/Zumkehr, com novo resultado positivo, 2 sets a 1 (17/21, 21/12 e 15/11), em 58 minutos.

A competição segue nesta quinta-feira (10) com mais uma rodada da fase de grupos do torneio feminino. Os jogos acontecem a partir das 8h, e a arena montada na praia de Copacabana têm entrada franca. A grande final acontece no domingo (13).


0 Comentários

.

APOIE O SURTO OLÍMPICO EM PARIS 2024

Sabia que você pode ajudar a enviar duas correspondentes do Surto Olímpico para cobrir os Jogos Olímpicos de Paris 2024? Faça um pix para surtoolimpico@gmail.com ou contribua com a nossa vaquinha pelo link : https://www.kickante.com.br/crowdfunding/ajude-o-surto-olimpico-a-ir-para-os-jogos-de-paris e nos ajude a levar as jornalistas Natália Oliveira e Laura Leme para cobrir os Jogos in loco!

Composto por cinco editores e sete colaboradores, o Surto Olímpico trabalha desde 2011 para ser uma referência ao público dos esportes olímpicos, não apenas no Brasil, mas em todo o mundo.

Apoie nosso trabalho! Contribua para a cobertura jornalística esportiva independente!

Digite e pressione Enter para pesquisar

Fechar