Últimas Notícias

Vôlei defende histórico de bons resultados e se arma para resistir à pressão


Nas últimas três edições dos Jogos Olímpicos, poucas modalidades garantiram tantas medalhas para o Brasil quanto o vôlei de quadra. De seis medalhas possíveis, as seleções brasileiras ganharam cinco, sendo três de ouro (duas no feminino em Pequim-2008 e Londres-2012 e uma no masculino em Atenas-2004) e duas de prata (ambas no masculino, em Pequim e Londres). Com as próximas Olimpíadas no Rio de Janeiro, é natural que o favoritismo do Brasil e a expectativa da torcida aumentem, mas atletas e comissões técnicas das seleções estão cientes do desafio que terão pela frente.

“Eu acho que esse desafio vai ser o mais difícil das nossas vidas. Porém, vejo com otimismo essa situação de jogar próximo da torcida, em um local que você já conhece. Nosso time tem condições de jogar de igual para igual com qualquer time do mundo. Eu sempre digo que a gente tem a responsabilidade de jogar bem, de se apresentar bem, de jogar bem dentro de casa, e fazer o melhor possível. Ganhar ou perder faz parte da competição”, diz José Roberto Guimarães, técnico da seleção feminina atual bicampeã olímpica e que também conquistou um ouro com os homens em Barcelona-1992.

O otimismo do treinador é compartilhado pelo oposto Wallace Souza, prata em Londres-2012 com a seleção masculina. “Não vai ser nada fácil, mesmo jogando em casa. Sempre tem uma pressão a mais, mas é uma pressão boa. O time vai saber lidar com isso. Infelizmente na Liga Mundial que foi em casa a gente não conseguiu chegar à fase final, mas acho que tem tudo para dar certo dessa vez e vamos tentar trazer essa pressão para cima dos adversários”, afirma o jogador do Sada Cruzeiro, lembrando da edição de 2015 da Liga Mundial, quando o Brasil acabou fora do pódio.

A vontade de dar a volta por cima depois da decepção na Liga fica mais forte quando Wallace lembra da medalha de ouro que escapou há quatro anos, em Londres, quando o Brasil perdeu a final para a Rússia. “Acho que eles fizeram bem o lado deles na ultima Olimpíada, mas com certeza a gente ficou frustrado, ainda mais por estar ganhando de 2 sets a 0, ter a oportunidade de fechar e não conseguir, mas o jogo foi jogado. Fica o gosto amargo, mas a gente vai fazer de tudo para não acontecer isso de novo e trabalhar bastante para trazer esse ouro”, projeta.

Recuperado de cirurgia para corrigir uma hérnia de disco, Wallace não esconde a vontade de disputar uma edição dos Jogos em casa. “Eu sofri uma cirurgia, mas agora estou na melhor forma para poder ajudar tanto o clube quanto a seleção se vier a convocação. Estou trabalhando para isso. Todo ano sempre digo a mesma coisa: ninguém tem vaga cativa na seleção. Tem que fazer por onde, e eu trabalho em cima disso. Mas acho que a preparação está boa e vamos chegar bem para essas Olimpíadas”, projeta.

Foto: Getty Images

0 Comentários

.

APOIE O SURTO OLÍMPICO EM PARIS 2024

Sabia que você pode ajudar a enviar duas correspondentes do Surto Olímpico para cobrir os Jogos Olímpicos de Paris 2024? Faça um pix para surtoolimpico@gmail.com ou contribua com a nossa vaquinha pelo link : https://www.kickante.com.br/crowdfunding/ajude-o-surto-olimpico-a-ir-para-os-jogos-de-paris e nos ajude a levar as jornalistas Natália Oliveira e Laura Leme para cobrir os Jogos in loco!

Composto por cinco editores e sete colaboradores, o Surto Olímpico trabalha desde 2011 para ser uma referência ao público dos esportes olímpicos, não apenas no Brasil, mas em todo o mundo.

Apoie nosso trabalho! Contribua para a cobertura jornalística esportiva independente!

Digite e pressione Enter para pesquisar

Fechar