Últimas Notícias

Torneio testa área de luta elevada e sistema de pontuação do taekwondo


Mesmo depois de receber três eventos-teste no mês de janeiro – basquete, halterofilismo e luta olímpica – a Arena Carioca 1 teve novos aspectos avaliados durante o Torneio Internacional de Taekwondo, encerrado no domingo (21.02). Um dos principais foi o uso de uma área de competição elevada, semelhante à que será adotada nos Jogos Olímpicos de 2016, além de todo sistema eletrônico de pontuação da modalidade.

 Segundo Rodrigo Garcia, diretor de esportes do Rio 2016, o número de competições realizadas na arena permitiu que outros fatores fossem avaliados pelo Comitê Organizador ao longo do fim de semana. “Já estamos no fim da segunda ‘onda’ de eventos, começando a terceira, então já temos muitas lições aprendidas e a chance de cometermos erros é um pouco menor. Mesmo assim, em cada evento a gente testa alguma coisa diferente”, explica.

Durante a competição de luta olímpica, no mês passado, a área elevada não foi montada na arena. Para o brasileiro Leonardo Moraes, que disputa uma vaga olímpica na categoria -58kg, é importante competir no modelo que será adotado nos Jogos. “Os campeonatos lá fora, como Mundiais e Grand Prix, costumam ser com área elevada. No Brasil é mais raro. Lutar com área elevada, para mim, é um sonho desde pequeno porque nos Jogos Olímpicos a gente vê os atletas subindo a ‘escadinha’ para lutar”, comenta.

“Eu achei que a área está muito bem feita. Ela faz um pouco mais de barulho por ser elevada, então acaba assustando um pouco, mas achei muito bem montada. O piso também não está escorregadio, o que também atrapalharia bastante”, analisa o atleta, que lutou no sábado (20.2) e acabou lesionando um dedo da mão direita logo no primeiro confronto.

Ainda assim, Leonardo aprovou o torneio para a adaptação dos atletas também aos novos equipamentos. “Tanto o colete eletrônico quanto o capacete são de modelos novos e há algumas diferenças. Na técnica do chute, por exemplo, agora precisa ser com um pouco mais de força e precisão. Dependendo da categoria, a calibragem aumentou ou diminuiu um pouco”, detalha. “Por todos esses fatores, o evento-teste foi muito positivo porque deu para os atletas terem uma noção do que vai ser nos Jogos Olímpicos”, acredita.

O presidente da Confederação Brasileira de Taekwondo (CBTKD), Carlos Fernandes, também elogiou as medidas operacionais da competição, mas observou aspectos que deverão ser aprimorados até os Jogos.  “Foi um evento bem enriquecedor e que atingiu as expectativas. Claro que há alguns ajustes a fazer, como ter um telão e melhorar a qualidade do som, mas é por isso que é um teste”, opina.

Outra questão para o dirigente foi a da segurança.  “As delegações saíram nos ônibus e eu não vi nenhum aparato de segurança e achei as ruas muito escuras. No Maria Lenk (saltos ornamentais) tem segurança total. Deveria ter aqui também”, compara.

Segundo o Rio 2016, o taekwondo contou com a operação de 40 profissionais de segurança, somando a equipe do Comitê e a empresa privada contratada. “Nos eventos abertos aos espectadores, como a Copa do Mundo de saltos ornamentais, a gente conta com o apoio da Força Nacional, que vai ser nossa grande parceira na área de segurança durante os Jogos. No taekwondo, como é um evento privado, onde você só entra com credencial e é dentro do Parque Olímpico, onde a gente já vem fazendo eventos desse mesmo padrão, a gente mantém o mesmo esquema de segurança. Todas as medidas são tomadas dentro de um plano operacional”, explica Rodrigo Garcia.

Avaliação
A Arena Carioca 1, que já havia recebido elogios no último sábado da brasileira Iris Tang Sing, foi novamente aprovada pelos competidores. “Eu achei que está excelente, não tenho do que reclamar. O evento está super organizado, começou na hora. Achei lindo o tatame, tudo está maravilhoso”, destaca Rafaela Araújo, que tenta uma vaga olímpica na categoria -57kg. “A arena é maravilhosa. Está sendo uma grande experiência”, comenta a canadense Evelyn Gonda, que no ano passado disputou os Jogos Pan-Americanos de Toronto, onde foi derrotada na disputa pelo terceiro lugar. Gonda, entretanto, subiu ao pódio neste domingo para receber a medalha de bronze.

Campeão dos Jogos Pan-Americanos de 2007 e bronze na edição de Santo Domingo, em 2003, Diogo Silva assistiu às lutas na Arena Carioca 1 e também gostou do que viu. “Pela primeira vez estou vindo em um evento-teste e achei muito legal. É exatamente como nos Jogos Olímpicos, até no cronograma de horários. Alguns países mandaram seus representantes, o que é interessante para os brasileiros verem o patamar do esporte. Estou gostando muito, a organização está impecável, tudo está funcionando”, elogia.

Para Philippe Bouedo, membro da Federação Internacional de Taekwondo e diretor técnico da federação francesa, o evento-teste serviu para antecipar o que irão encontrar em agosto. “É uma boa oportunidade para testar tudo nas condições  reais. Os atletas podem ver como será nos Jogos Olímpicos”, avalia.

O dirigente também espera que a modalidade atraia a atenção do público. “O taekwondo é um grande desafio para nós todas as vezes nos Jogos Olímpicos. Nós trabalhamos muito com transparência e tecnologia para fazer os Jogos mais ativos e espetaculares. Tentamos mudar um pouco as regras para deixar o esporte mais popular”, acrescenta.

O torneio internacional contou com a participação de 64 atletas, de 15 países. A operação foi auxiliada pelo trabalho de 144 voluntários. O estudante de educação física Leonardo Rubio, de 20 anos, foi um deles. Já tendo praticado o taekwondo, ele aceitou o convite para trabalhar no evento-teste deste fim de semana. “Eu fiquei na área de equipamentos, então pego os protetores dos atletas e levo até as áreas dos árbitros para eles retirarem o sensor. Já levei água, gelo, já carreguei equipamento para a área de treinamento”, conta, animado. “Estou convocado para as Olimpíadas e a princípio ficarei na mesma área, aqui no taekwondo. Já estou treinando para isso”, encerra.

Foto: Brasil 2016

0 Comentários

.

APOIE O SURTO OLÍMPICO EM PARIS 2024

Sabia que você pode ajudar a enviar duas correspondentes do Surto Olímpico para cobrir os Jogos Olímpicos de Paris 2024? Faça um pix para surtoolimpico@gmail.com ou contribua com a nossa vaquinha pelo link : https://www.kickante.com.br/crowdfunding/ajude-o-surto-olimpico-a-ir-para-os-jogos-de-paris e nos ajude a levar as jornalistas Natália Oliveira e Laura Leme para cobrir os Jogos in loco!

Composto por cinco editores e sete colaboradores, o Surto Olímpico trabalha desde 2011 para ser uma referência ao público dos esportes olímpicos, não apenas no Brasil, mas em todo o mundo.

Apoie nosso trabalho! Contribua para a cobertura jornalística esportiva independente!

Digite e pressione Enter para pesquisar

Fechar