Medalha de bronze em 2012, Yane Marques terá preparação seletiva para os Jogos


Antes do bronze de Yane Marques em Londres-2012, apenas atletas da Europa, dos Estados Unidos, da China e do Cazaquistão haviam subido ao pódio na categoria feminina da modalidade em Jogos Olímpicos. Após ter colocado o Brasil no mapa de um esporte desconhecido no país, Yane quer ir além. Aos 32 anos, pretende chegar aos Jogos de 2016, em agosto, com a melhor base de preparação de sua carreira. 

“A meta é chegar convicta de que aquele dia é o dia em que eu estou no auge da forma física. E fazer na prova o que estiver fazendo no treino, que eu espero que seja bom, e que isso nos dê bons resultados”, projeta a atleta.

A vaga olímpica foi conquistada por antecipação. “Minha primeira chance foi o Mundial (disputado em julho de 2015, em Berlim, na Alemanha) e com o bronze eu me classifiquei para as Olimpíadas. Depois confirmei isso nos Jogos Pan-Americanos (Toronto 2015), com o ouro”, conta a pernambucana, única brasileira da modalidade com lugar confirmado nos Jogos.

Com a primeira missão já cumprida, Yane pode planejar melhor a preparação. “Eu tenho normalmente quatro etapas da Copa do Mundo, depois a final da Copa do Mundo, Campeonato Mundial... Na condição de classificada, a gente seleciona as provas para participar, outras para não participar, umas para testar, outras para confirmar. Esse é o conforto de ter conseguido a classificação precocemente”, explica a pentatleta.

Tranquilidade, frisa ela, não quer dizer acomodação. “Não vale a pena ficar preparando só para as Olimpíadas durante quase oito meses sem competir. Todas as provas vão servir de teste, de confirmação de coisas e para a gente ir avaliando e entendendo se a coisa está indo no caminho certo”, conta.

Evento-teste

Antes do Mundial, o pentatlo moderno terá seu evento-teste em Deodoro, de 10 a 14 de março. A competição utilizará as instalações olímpicas do Estádio de Deodoro (hipismo e combinado de tiro e corrida), do Centro Aquático de Deodoro (natação) e da Arena da Juventude (esgrima). “Há uma promessa de termos as instalações 98% prontas”, diz Helio Meirelles. “É no mesmo lugar onde ocorreram o Pan de 2007 e os Jogos Mundiais Militares em 2011, então são instalações familiares. Algumas mudanças vão acontecer, mas tenho certeza de que vai ficar bonito, organizado e em condições de nos receber muito bem”, diz Yane.

O presidente da CBPM vê uma possível vantagem no fato de os Jogos de 2016 serem no Brasil. “Um ponto importante são os cavalos. O cavalo é sorteado, quem oferece são os organizadores. O atleta tem 20 minutos para aquecer e se adaptar. Então o interessante é que há uma possibilidade grande de os cavalos do evento-teste serem os mesmos dos Jogos Olímpicos. Não sei se eles ficariam entre março e agosto lá em Deodoro disponíveis para os atletas treinarem, mas ainda assim seria uma vantagem”, opina Meirelles.

Mesmo assim, o dirigente prefere não definir uma meta em termos de resultado. “O pentatlo é complexo e sujeito a surpresas. Em 2012, os especialistas identificavam que a Yane ficaria entre as 10 primeiras, mas ela no dia reuniu toda a capacidade de concentração, sua experiência e acabou conseguindo o bronze. O resultado é muito ligado à questão de o atleta estar no seu dia. Eu diria que a Yane está mais preparada hoje, mesmo com quatro anos a mais de idade, do que em 2012. Houve um aprimoramento, mas isso não é garantia de medalha. No caso do masculino, temos um caminho longo a percorrer para estarmos entre os 10 melhores do mundo, mas podemos surpreender”, garante.

Foto: Brasil 2016

Postar um comentário

To Top