ATP Challenger Tour Finals 2015 - Dia 4 - Surto Olímpico

Pesquisar:

Arquivo do blog

Últimas Notícias

ATP Challenger Tour Finals 2015 - Dia 4

Compartilhe

O título do ATP Challenger Tour Finals 2015 ficará em mãos espanholas. Iñigo Cervantes e Daniel Muñoz de la Nava disputam a decisão do torneio neste domingo (29), às 17h, no Esporte Clube Pinheiros, em São Paulo.

No sábado (28), Cervantes se classificou para a final ao superar o gaúcho Guilherme Clezar com parciais de 6/3 e 7/6(9), em 1h43 de partida. Muñoz de la Nava não precisou entrar em quadra, já que seu adversário, o argentino Guido Pella, desistiu do torneio após sofrer uma lesão na coxa direita.

“Houve apenas uma quebra na partida. Depois um 7/6 muito apertado. Clezar aqui é muito perigoso. Não só por estar no Brasil, mas por ser quadra coberta e o jogo ficar mais rápido. Ele saca muito forte, então estou muito feliz por ter vencido a partida”, disse Cervantes, em busca do quarto título na temporada.

Os finalistas espanhóis fizeram a primeira partida do torneio, pelo Grupo A, na quarta-feira, confronto vencido por Cervantes. “Faz poucos dias que nos enfrentamos e foi um jogo duro, de quase três horas. Com certeza será muito difícil, mas conhecemos um ao outro e eu acho que se continuar como hoje, tenho boas chances de ganhar”, previu o 98º do ranking, que sacou 17 aces neste sábado.

“Talvez fisicamente ele (Muñoz de la Nava) esteja um pouco mais fresco que eu. Hoje ele descansou e eu joguei quase duas horas. Mas vou encarar esta vitória como algo positivo. Mentalmente é uma grande ajuda para amanhã estar bem e não ter nenhum problema”, completou Cervantes. O jogador de 25 anos treina no centro comandado por Javier Ferrer, irmão do número 7 do mundo David Ferrer.

Clezar reconheceu a boa partida de Cervantes e está satisfeito com seu desempenho na semana. “Saio de cabeça erguida. Fiz um bom torneio. Os dois jogos que perdi acho que foram mais por mérito do adversário do que eu ter jogado mal”, comentou o tenista de 22 anos. “Em todos os momentos que eu estava em vantagem, não conseguia entrar no ponto. Ele achou saques impossíveis de devolver. Então acho que foi mérito dele ter saído com a vitória”.

O gaúcho atingiu seu melhor ranking da carreira, 153º, em agosto deste ano, mas espera um desempenho ainda melhor no próximo ano. “Algo importante neste ano foi a minha saída do Rio de Janeiro para trabalhar com outro técnico (o argentino Pablo Fuente). Até a gente começar a se entender, demorou um pouco. Mas agora estou totalmente engajado no trabalho. Tenho condições de fazer um 2016 melhor do que 2015”, afirmou Clezar.

Foto: ATP Challenger Tour Finals

Nenhum comentário:

Postar um comentário