Escândalo de doping na Jamaica é "ponta do iceberg", afirma médico





Um dos principais médicos no controle antidoping na Jamaica, Paul Wright declarou nesta terça-feira que o cenário do esporte no país caribenho é preocupante. Em entrevista à BBC, o especialista indicou que é possível que haja muito mais atletas fazendo uso de substâncias proibidas do que os cinco que testaram positivo nos últimos meses – dentre eles o ex-recordista mundial Asafa Powell e a medalhista olímpica Sherone Simpson.

"Os resultados não são bons", disse Wright, uma semana após a visita da Agência Mundial Antidoping (Wada, em inglês) à Jamaica. O médico, porém, cobrou mais exames surpresa fora do período de competição e acredita que os cinco atletas flagrados neste ano foram exageradamente descuidados.

"O problema é que eles testaram positivo em uma competição, o que significa que eles sabiam quando o exame seria feito. Se você é flagrado em um exame assim, não significa que você falhou em um teste de doping. Quer dizer que você falhou em um teste de inteligência", disparou o médico.

"Acho que isso é apenas a ponta de um iceberg. Eu só vou ficar convencido quando houver testes fora do período de competição, incluindo um exame de sangue para EPO (eritropoietina, um hormônio). Só depois disso é que saberemos ficar tranquilos", acrescentou.

As palavras de Paul Wright não foram bem aceitas por Mike Fennell, presidente do Comitê Olímpico Jamaicano. "Ele está sendo dramático. Não há evidência alguma de que os casos de doping recente sejam a ponta do iceberg", concluiu.

Fonte: Terra Brasil
Foto: Getty Images

0 Comentários