O dia em que a trigésima sétima colocada entrou para a história. - Surto Olímpico

Pesquisar:

Arquivo do blog

Últimas Notícias

O dia em que a trigésima sétima colocada entrou para a história.

Compartilhe
                                     Andersen (SUI) cruza a linha de chegada. 


Apenas em 1984 as mulheres puderam correr a a Maratona Olímpica. Joan Benoit (EUA) venceu a prova e levou o primeiro ouro Olímpico na Maratona Feminina. Entretanto, o fato que marcou a história dessa prova, e das Olimpíadas, é sobre a 37ª colocada dessa prova.

Vinte minutos após Benoit ter adentrado o Estádio Olímpico de Los Angeles, uma figura pálida emergiu do túnel. Era Gabriele Andersen-Scheiss (SUI), de 39 anos. Uma instrutora de esqui no estado americano do Idaho, que, tirando vantagem de sua dupla nacionalidade escolheu competir pela Suiça. Sofrendo de insolação, ela prosseguia andando em frente, com o braço direito pendurado e a perna direita rígida. Era como se o maratonista Dorando Pietri (ITA) tivesse voltado setenta e seis anos depois. A audiência assistia horrorizada. Quando os médicos se aproximavam dela, ela os repelia. Como Pietri, em 1908, a plateia a incentivava e também implorava para ela parar. Os médicos a acompanhavam ao redor da pista após notar que ela suava em profusão, um bom sinal, e a deixaram prosseguir.

Por cinco minutos e quarenta e quatro segundos ela se arrastou pela pista, ocasionalmente parando e se aguentando minimamente em pé. Finalmente ela caiu logo após cruzar a linha de chegada, nos braços de três médicos que a aguardavam. Ela foi classificada na 37ª posição.

Inacreditavelmente, a suíça se recuperou com rapidez e liberada pelos médicos apenas duas horas após a prova para retornar a Vila Olímpica e comer algo. Dez horas depois, ela estava sendo entrevistada pela televisão e duas semanas depois competiu em um torneio de montaria e corrida, onde correu vinte milhas e montou em um cavalo por dezoito milhas. Como resultado do acontecimento a IAAF (Federação Internacional de Atletismo) aprovou a regra Scheiss, em que permite aos atletas receber atendimento médico durante a prova sem sofrer desqualificação por isso.


                                                                  


Nenhum comentário:

Postar um comentário