Espírito Olímpico: bisavó de 91 anos aprende inglês para ser voluntária em Tóquio/2020


Setsuko Takamizawa está determinada a provar que nunca é tarde demais para aprender. Impedida de estudar inglês na juventude, quando o Japão sediou suas últimas olimpíadas, em 1964, por ser considerada uma nação inimiga, a nonagenária aproveita o tempo de paz para aprender o idioma e receber ainda melhor os visitantes.

Quando o Japão sediou a Olimpíada de Verão pela última vez em 1964, Takamizawa também estava ocupado demais cuidando de uma família. Agora bisavó, terá 92 anos quando as Olimpíadas voltarem a Tóquio em julho do ano que vem e, desta vez, ela quer chegar o mais perto possível dos eventos esportivos.

Ela é uma das mais de 200.000 pessoas que se candidataram como voluntários para auxiliar nas Olimpíadas e Paralimpíadas, esperando fazer parte do grupo de pessoas escolhidas para ajudar a organizar e orientar milhares de visitantes em toda a cidade.

Embora não seja uma qualificação obrigatória, a habilidade de falar inglês é uma habilidade crucial que os organizadores estão procurando e Takamizawa está ansiosa para finalmente aproveitar a oportunidade de aprender a língua: "Quando eu era novata na escola secundária, a Segunda Guerra Mundial estourou", explicou Takamizawa em uma entrevista. "No meu segundo ano lá, o inglês foi banido porque era o idioma inimigo".

Takamizawa disse que seus netos ajudaram a convencê-la de que ela não era velha demais para aprender: "Eu não falo inglês, então eu pensei que gostaria de aprender. Quando conversei com meus netos sobre o meu desejo, eles disseram: 'não é tarde demais. Nós vamos ensiná-la uma palavra por dia. Vai ser um bom desafio para você '. E assim tudo começou".

Segundo os organizadores, menos de 1% dos candidatos têm mais de 80 anos.

A capacidade de falar inglês, espera a simpática idosa, irá ajudá-la a atingir seu objetivo principal: compartilhar histórias com pessoas de todo o mundo.

“Quando lhe ensinei a palavra 'mundo', a avó disse: 'É disso que eu quero saber, o mundo e os seus países. Quero saber sobre o mundo”, disse Natsuko, neta de Takamizawa. Natsuko fala inglês bem e é a principal professora da avó.

“O que eu quero não é apenas uma chance de falar inglês, mas também quero encontrar várias pessoas com várias culturas e valores usando o inglês como ferramenta”, acrescentou Takamizawa.

De acordo com o Índice de Proficiência em Inglês da EF, o Japão ocupa o 49º lugar entre os países onde o inglês não é a primeira língua, abaixo do Chile, Belarus e Coreia do Sul. Isso está mudando lentamente, à medida que as gerações mais jovens adotam o inglês e são ensinadas nas escolas desde uma tenra idade.

No entanto, Takamizawa acredita que mudanças reais não acontecerão, a menos que os japoneses se tornem mais abertos ao resto do mundo: "Há apenas poucas pessoas que querem falar inglês ou que se interessam por outros lugares no mundo", disse ela sobre seus compatriotas. Devemos viver e agir não apenas como uma pessoa japonesa, mas também como um membros da Terra". 

Natsuko envia a sua avó uma nova palavra em inglês para aprender todos os dias via telefone e também se reúnem regularmente para trabalhar em frases-chave que Takamizawa precisará nas Olimpíadas.

"Bem-vindo a Tóquio, este é o estádio olímpico, como posso ajudá-lo?", Diz Takamizawa quando é convidada a recitar as frases em inglês que aprendeu.

A neta de Takamizawa ainda afirma ser uma alegria passar o tempo ensinando algo a avó. E crava que as aulas têm dado resultado: “Eu posso ver claramente que o inglês dela está melhorando. É a minha alegria agora".

Foto:Divulgação

Postar um comentário

Copyright © Surto Olimpico. Designed by OddThemes