Últimas Notícias

Lei de igualdade salarial para atletas em todos os esportes é aprovada nos EUA

Foto: Reuters
 


Foi aprovado pela Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, um projeto de lei que garante que homens e mulheres sejam remunerados igualmente por seus respectivos desempenhos no esporte. A conquista vem após uma longa campanha para que isso seja implementado no futebol.


Reconhecida como Lei de Igualdade de Pagamento para a Equipe dos EUA, tornará obrigatório o pagamento e benefícios iguais para aqueles que representam os EUA no esporte, estendendo-se a todos os esportes nacionais, isso também significa que o Comitê Olímpico e Paraolímpico dos Estados Unidos (USOPC) pode determinar quais esportes são reconhecidos e estão sob sua jurisdição.


A lei foi aprovada por unanimidade no Senado e agora cabe ao presidente americano Joe Biden confirmá-lo. Jogadoras de futebol feminino como Megan Rapinoe e Alex Morgan estavam na vanguarda dessas ações, fazendo parte de um processo federal de discriminação de gênero contra a Federação de Futebol dos Estados Unidos.


No início deste ano, foi assinado um novo acordo coletivo de trabalho, que incluía distribuição igualitária de dinheiro com base no desempenho na Copa do Mundo da FIFA e embora o acordo coletivo tenha sido feito, esse pagamento igual não era juridicamente vinculativo entre as Federações Nacionais, o que significa que a legislação garante isso no futuro.


A presidente do futebol dos EUA, Cindy Parlow Cone, disse em um comunicado que "Ao enviar esta legislação ao presidente, ambas as casas enviaram uma mensagem clara de que este é o padrão para todas as seleções nacionais em todos os esportes e ressalta a importância de trabalhar com nossos atletas para alcançar a igualdade de remuneração, incluindo a equalização de prêmios internacionais em dinheiro".


Maria Cantwell, senadora democrata por Washington, patrocinou o projeto de lei, que mais tarde foi co-patrocinado por outro membro do partido, a senadora de Minnesota Amy Klobuchar. Também tiveram co-participação no projeto de lei a senadora republicana do Wyoming, Cynthia Lummis, e a senadora republicana da Virgínia Ocidental, Shelley Moore Capit.


O projeto de lei significa que há uma modificação no USOPC para garantir que o pagamento igual seja legalmente aplicado, enquanto um relatório anual sobre igualdade de tratamento dos atletas também será uma exigência.


A campanha pela igualdade salarial vai além dos Estados Unidos, com a seleção masculina de futebol canadense recentemente fazendo greve para pressionar suas contrapartes femininas a receberem a mesma remuneração que eles. Isso fez com que o amistoso com o Panamá fosse cancelado horas antes do previsto, em junho.


Em 2020, Inglaterra e Brasil confirmaram que pagariam suas equipes igualmente nos grandes torneios, juntando-se à iniciativa da época, Austrália, Noruega e Nova Zelândia.


0 Comentários

.

APOIE O SURTO OLÍMPICO EM PARIS 2024

Sabia que você pode ajudar a enviar duas correspondentes do Surto Olímpico para cobrir os Jogos Olímpicos de Paris 2024? Faça um pix para surtoolimpico@gmail.com ou contribua com a nossa vaquinha pelo link : https://www.kickante.com.br/crowdfunding/ajude-o-surto-olimpico-a-ir-para-os-jogos-de-paris e nos ajude a levar as jornalistas Natália Oliveira e Laura Leme para cobrir os Jogos in loco!

Composto por cinco editores e sete colaboradores, o Surto Olímpico trabalha desde 2011 para ser uma referência ao público dos esportes olímpicos, não apenas no Brasil, mas em todo o mundo.

Apoie nosso trabalho! Contribua para a cobertura jornalística esportiva independente!

Digite e pressione Enter para pesquisar

Fechar