Vôlei de Praia do Brasil disputa as Finais do Circuito Sul-Americano - Surto Olímpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Pesquisar:

Últimas Notícias

Vôlei de Praia do Brasil disputa as Finais do Circuito Sul-Americano

Compartilhe


O Circuito Sul-Americano de vôlei de praia está de volta depois de um ano suspenso. A competição retorna com a disputa do torneio final da temporada 2020, que acontece em Santiago, no Chile, a partir do domingo (28), na arena montada no Parque Peñalolén. O evento contará com a participação de nove países, cada um representado por uma dupla em cada naipe. Estarão presentes equipes da Argentina, do Brasil, do Chile, da Colômbia, do Equador, do Paraguai, do Peru, da Venezuela e do Uruguai.

O Brasil terá Oscar/Thiago (RJ/SC) e Andressa/Vitória (PB//RJ) como representantes e busca o título geral. Na liderança do ranking em ambos os naipes, o voleibol brasileiro terá mais uma oportunidade de manter a hegemonia continental.

Em razão do advento da pandemia da COVID-19 a temporada 2020 teve apenas duas etapas antes da disputa do evento Final. Em fevereiro do ano passado Coquimbo, no litoral norte do Chile, recebeu a primeira parada. Nela o Brasil ficou com três medalhas – uma de ouro, uma de prata e uma de bronze. Lima, capital peruana, foi a sede da segunda etapa, em março do ano passado, quando os brasileiros conquistaram quatro medalhas – duas de ouro, uma de prata e uma de bronze.

A competição em Santiago será realizada sem público presente e seguindo protocolos sanitários. As nove duplas de cada naipe serão divididas em três grupos de três participantes cada, que jogam entre si dentro das respectivas chaves. Os dois melhores de cada grupo seguem na competição, sendo que as duas melhores campanhas de primeiro lugar avançam diretamente para as semifinais, enquanto o terceiro melhor primeiro e os três que ficaram em segundo jogam pelas quartas de final.

Campeãs no primeiro evento em 2020, Andressa e Vitória (PB/RJ) retornam ao país vizinho em busca de mais um título. Elas estarão no grupo B e estreiam neste domingo às 9h (horário de Brasília) contra Gabi/Agudo, da Venezuela. No mesmo dia, às 15h, as brasileiras enfrentam Michelle/Pati, do Paraguai. A paraibana Andressa está animada em poder representar o Brasil mais uma vez.

“Chegamos bem e estamos muito animadas para voltar a competir internacionalmente. As expectativas são as melhores, além de termos alcançado uma boa performance no nosso último sul-americano jogado, estamos jogando frequentemente no circuito brasileiro, com duplas de alto nível, nos colocando a prova a todo momento, o que faz evoluir ainda mais nosso jogo e nos dá um bom ritmo para a competição também. Estou animada para representar nosso país novamente”, contou Andressa.

No torneio masculino Oscar e Thiago, que ficaram com a prata em Lima, na segunda etapa, em março de 2020, enfrentam os venezuelanos Vicente e Mussa às 10h, pelo grupo B. Mais tarde, às 16h, os adversários serão Jaramillo e Marcos, do Equador. A dupla esteve no último evento antes da parada, e agora participa da retomada. Para Oscar os desafios são grandes, mas o atleta afirma estar preparado para a responsabilidade de ser o representante brasileiro.

“É muito bom poder voltar a representar o Brasil internacionalmente. É algo que qualquer atleta almeja. Eu e o Thiago estivemos no último evento do Sul-Americano e hoje voltamos para um torneio totalmente diferente, sem público, com um protocolo rígido de segurança. Esta será também uma competição que define os campeões da temporada, o que traz uma responsabilidade maior, mas eu e o Thiago estamos muito bem entrosados. Estamos prontos para representar o Brasil. Vamos deixar tudo dentro de quadra”,

A pontuação do Finals é bonificada, e vale o dobro em relação às etapas normais. O primeiro colocado leva 400 pontos, o segundo 360 pontos, o terceiro 320, e cada posição seguinte tem um decréscimo de 60 pontos. No ranking masculino o Brasil está em primeiro com 380 pontos, seguido de Chile e Argentina com 320, e a Colômbia tem 240. Entre as mulheres a liderança também é brasileira com 400 pontos, com as argentinas em segundo (360), e chilenas e equatorianas na sequência com 260 pontos.

Foto: Beto Doloret


Nenhum comentário:

Postar um comentário