Último dia do Brasileiro Sub-23 de Atletismo tem três recordes





Mais três recordes foram quebrados no último dia do Campeonato Brasileiro Sub-23 de Atletismo, encerrado na tarde da sexta-feira (18), no estádio do Centro Nacional de Desenvolvimento do Atletismo, em Bragança Paulista (SP). 


Lucas Vilar (SESI-SP), medalha de bronze nos Jogos Olímpicos da Juventude de Buenos Aires-2018, venceu os 200 m, com 20.58 (0.5). A melhor marca anterior era de Bruno Nascimento Pacheco, com 20.64 (1.3), desde 2005.


“Minha marca? Sensacional! É a minha melhor marca pessoal e eu vim aqui para isso. Deu tudo certo”, disse Lucas, campeão brasileiro sub-20 dos 100 m, que treina no SESI-SP, em Santo André (SP), com Darci Ferreira e Rosana Soares, no mesmo grupo de Felipe Bardi e Erik Cardoso, outros destaques da velocidade brasileira.


Lucas, de 19 anos, quer ir ao Pan-Americano Sub-23 em 2021 e pensa “acima de tudo de um dia estar nas Olimpíadas”. Ele nasceu na cidade de Limeira (SP) e sua família vive em Guariba (SP), onde treinou com Nelson Lemes até 2018.


Arielton Costa dos Santos (ASA-Sorriso) ficou com a medalha de prata, com 21.04, seguido de João Henrique Falcão Cabral (CT Maranhão), com 21.16.


Na prova feminina, Ana Carolina Azevedo (Orcampi) melhorou duas vezes o recorde do Campeonato. Na semifinal, ela completou a prova em 23.45 (0.3) e depois completou a final em 23.08 (0.1), recorde pessoal. A melhor marca anterior era de Lorraine Martins, com 23.55 (0.7), desde 2018. “Eu vim para fazer minha melhor marca e consegui o recorde do Campeonato. No ano que vem sairão os 22 segundos”, disse a velocista que treina com Katsuhico Nakaya, em São Paulo. 


Vida Aurora Caetano (Tornado-DF), medalha de prata nos 200 m, comemorou muito o seu resultado de 23.62. Explicou que é o seu personal best. O pai e treinador Evaristo Caetano lembrou que ela era a mais nova dentre as competidoras e ainda pode melhorar muito. Vida foi campeã brasileira sub-20 dos 100 e dos 200 m e eleita a melhor atleta da competição, disputada em novembro, também em Bragança Paulista. Gabriela Silva Mourão (Futuro Olímpico Arnaldo de Oliveira) terminou em terceiro lugar, com 23.74.


No decatlo, José Fernando Ferreira Santana (Projeto Atletismo Campeão) venceu a especialidade, com 7.332 pontos, melhorando em 178 pontos o recorde anterior, que era de Danilo Mendes Xavier, desde 2007. Conhecido como Baloteli, José Fernando foi vice-campeão do Troféu Brasil na semana passada em São Paulo.


“Foi bem cansativo porque tive apenas quatros dias de descanso após o Troféu Brasil e porque venho de uma lesão no púbis. Fiquei 16 dias parado antes do Troféu, fazendo fisioterapia de manhã, de tarde e de noite de domingo a domingo. Agora vou descansar e em 2021 competir pelo sonho de obter o índice olímpico. Foi minha primeira lesão e tenho de ser paciente para superar isso”, comentou o pernambucano.


Anderson Luiz Souza da Silva (Sport Club do Recife) ficou com o segundo lugar, com 6.559 pontos, seguido de Vitor Hugo da Costa (Instituto Ideal Brasil), com 6.197.


Gabriela Muniz (CASO) venceu os 20.000 m marcha atlética, com 1:44:45.48, novo recorde da prova. Gabriela, de 18 anos, foi campeã Sub-20 e terceira colocada no Troféu Brasil antes do ouro desta sexta-feira (13/12), na terceira etapa da competição. O recorde anterior pertencia a Liliane Priscila Barbosa (1:45.05.6), desde 2009.


A marchadora disse que achou a prova muito boa, embora difícil porque marchou no Troféu Brasil há sete dias. "Meu objetivo aqui era fazer os 10 km com a marca estabelecida pela World Athletics como índice para o Mundial de Nairóbi, no Quênia. Felizmente eu fiz os 10.000 m em 50.15 e o índice é 50.30", disse Gabi Muniz. O objetivo de Gabi é dedicar 2021 a preparação para o Mundial de Nairóbi, no Quênia, de 17 a 22 de agosto.


"Apesar dela ter tido dengue e COVID em junho e julho superou tudo na temporada. Voltou magrinha, fez suplementação, se recuperou, fez o trabalho planejado com sucesso. Está no caminho certo minha 'Caia'", disse a treinadora Gianetti Bonfim, que compara a personalidade atlética de Gabriela e de Caio Bonfim, seu filho e atleta. "Eu me inspiro muito no Caio, na Érica e na Gia também, que foi uma grande marchadora", afirmou Gabi, que treina em Sobradinho, Brasília.


Daniela Sales de Oliveira (CASO) ficou com a medalha de prata, com 1:50:28.86, e Thaissa Santos Cunha (Time Jundiaí) com a de bronze, com 1:58:23.54.


Nos 20.000 m marcha atlética masculina, a vitória ficou com Paulo Henrique Ribeiro (PM Colombo), com 1:37:27.77, com Murilo Ribeiro da Silva (PM Colombo), com 1:38:29.98, e Rubens Dantas de Barros (CASO), com 1:41:39.88. "Foi uma prova bem puxada, dois 20 mil metros seguidos, aqui e no Troféu Brasil - lá fui terceiro colocado", disse Paulo que treina com Sidmar Andrighetto Gielwo no Parque Municipal de Colombo. Seu objetivo é o índice para o Pan-Americano Sub-23 em 2021.


Um outro bom resultado da etapa foi o de Elton Petronilho (Pinheiros) no salto em altura. Elton, campeão brasileiro sub-20, venceu a prova com 2,18 m, recorde pessoal. Na semifinal dos 200 m, Ana Carolina Azevedo (Orcampi), que anhou os 100 m, bateu o recorde do campeonato com 23.45 (0.3) - a marca anterior pertencia a Lorraine Martins, com 23.55, de 2018.


Os demais vencedores do último dia: Salto triplo - Ketllyn Pamela Daniel Zanette (UCA) - 13,22 m (-0.6), 3.000 m com obstáculos - Jeovana Fernanda Leopoldina dos Santos (ABDA) - 11:11.40 e Thiago dos Santos Costa (APA-Petrolina) - 9:34.03, salto em altura - Sarah Suelen Fernandes Freitas (Projeto Atletismo Campeão) - 1,77 m, arremesso do peso - Leonardo Silva Pinheiro (APCEF/MG) - 16,54 m, lançamento do disco - Valquíria Aparecida Meurer (IEMA) - 50,58 m, heptatlo - Paloma Dias Cardoso (Espéria) - 5.119 pontos, 4x400 m feminino - Orcampi - 3:52.91, e 4x400 m - CASO-DF - 3:18.91.  João Henrique Gonçalves (AFE), com 15,53 m; 5.000 m - Edimar de Lima Souza (CEFAP), com 14:53.57; lançamento do dardo - Pedro Nunes Rodrigues (Endurance Sports), com 70,25 m; 400 m com barreiras - Francisco dos Reis Viana (Projeto Atletismo Campeão), com 51.40, e Marlene dos Santos (Orcampi), com 58.13.


Foto: Wagner Carmo/CBAt

Comente

Postagem Anterior Próxima Postagem