Após faturar os 800m, Eduardo Moreira leva os 1500m no Brasileiro de Atletismo sub-20 - Surto Olimpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Após faturar os 800m, Eduardo Moreira leva os 1500m no Brasileiro de Atletismo sub-20

Compartilhe



Alguns bons resultados marcaram o Campeonato Brasileiro de Atletismo Sub-20 no sábado (7). a marcha atlética 10 km, o salto em distância (mesmo atrapalhado pelo vento), os 1.500 m e o arremesso do peso, todas no naipe masculino. O torneio prossegue até este domingo (8), no Estádio do Centro Nacional de Desenvolvimento do Atletismo (CNDA), em Bragança Paulista (SP).



Eduardo Ribeiro Moreira, o Dudu (Pinheiros), que já havia vencido os 800 m, com recorde do campeonato, ganhou sua segunda medalha, desta vez nos 1.500 m, com 3.55.51. "Minha estratégia era fazer um começo mais fraco de corrida, atrás, e avançar na última volta. Não foi minha melhor marca, mas gostei da prova, deu certo, até porque o tempo está seco."



Dudu disse que vai competir no Grande Prêmio Brasil Caixa de Atletismo, dia 6 de dezembro, em São Paulo, e está empolgado com a possibilidade de disputar um torneio internacional ainda este ano, já que o Mundial Sub-20 de Nairóbi foi adiado. E acrescentou que sua geração admira o campeão olímpico Joaquim Cruz, assim como ele. "Nós sempre falamos dele como referência." A medalha de prata ficou com Matheus Estevão da Silva Borges (Orcampi), campeão dos 3.000 m com obstáculos, com 3.57.75, e o bronze com Victor Hugo Alves Santos (AAARP), com 4.01.89.



Nos 10 km da marcha atlética, a vitória ficou com Paulo Henrique Ribeiro (PM Colombo), com 42.57.35, com Rubens Dantas de Barros (CASO), com 46.50.13, em segundo, e Heron Rodrigues Miranda (Balneário Camboriu), com 47.28.08, em terceiro.



"Eu esperava um tempo melhor, mas tomei duas placas, tive problemas com minha técnica, e me preocupei em fazer uma prova por medalha e não por tempo. Esse é o meu primeiro ouro em seis Brasileiros, o 4º sub-20, que eu disputei. Estou feliz", disse Paulo, que treina num parque na cidade de Colombo, no Paraná, e durante a pandemia treinou em estradas rurais. Está de olho no índice para o Pan-Americano Sub-23 de 2021.



Para o treinador João Sena, de Caio Bonfim e da CASO, os atletas estão fora de ritmo por causa da pandemia da COVID-19. "Com certeza, se tivéssemos outras competições, o Paulo e o Rubens teriam marchado para 44 minutos. Mas está todo mundo bem - Paulo e Rubens são 'veteranos' já e o Heron uma jovem revelação. Estão mostrando que vão ser grandes marchadores, que é o que a gente quer para as seleções do futuro", disse Sena, elogiando a coragem da CBAt de realizar o Brasileiro Sub-20 e as equipes por participarem. "Nós viemos aqui por causa da coragem de fazer atletismo. No Troféu Brasil vou estar com o Caio, o Rubens estreando nos 20 km, a Gabriela Muniz, a Elianay... o grupo todo."



No arremesso do peso, a vitória ficou com Maurício Marchry (ADRA-SC), com 18,09 m, que é de Tubarão, Santa Catarina, e montou sua própria academia, com pneus, concreto e toras de madeira. O atleta foi bem superior na prova que teve Luiz Felipe Martins Severino (Clã-Delfos) em segundo, com 16,76 m, e Frederico Eleandro Costa (Instituto Foz), em terceiro, com 16,16 m.



Gabriel Luiz Boza (Memorial) venceu o salto em distância com 7,50 m, sua melhor marca pessoal, mas com vento forte (2.6) em Bragança Paulista, acima do permitido. Dos 12 atletas que participaram da competição 10 deles fizeram suas melhores marcas pessoais. A medalha de prata ficou com Matheus de Barros (ASEMPAR/Paranavaí), com 7,42 m (2.9), e a de bronze com Aylson da Silva Aguiar, com 7,34 m (1.0).



"Gostei do meu desempenho, principalmente na parte psicológica. Voltei de lesão e estava com um 'peso' na perna, mas consegui me concentrar e ser campeão no último salto", afirmou Gabriel, que ainda é sub-18 e tem como melhor marca 7,54 m - seu objetivo é conseguir o índice, de 7,58 m, para o Mundial Sub-20 de Nairóbi, no Quênia, em 2021. 



O treinador Nélio Moura que treina Gabriel disse que o atleta foi indicado pelo fundista Altobeli da Silva. "Ele foi correr uma prova lá em São José dos Pinhais na minha cidade e conversamos", contou Gabriel. "Ainda está se desenvolvendo, mas estava bem antes da pandemia da COVID-19, saltou 7,54 m em março, a primeira marca do mundo. Com a pandemia ele foi para casa e ficou sete meses treinando sozinho. Voltou há 15 dias, deu uma subidinha, mas pode ir bem no sub-18 e tenho bastante confiança de que possa brigar pelo índice para o Mundial", disse Nélio.


A tarde indica mais sete campeões na competição




A quarta etapa do Campeonato Brasileiro Caixa Sub-20 de Atletismo apontou na tarde deste sábado (7/11) mais sete campeões do evento, que termina neste domingo (8/11), no Estádio do Centro Nacional de Desenvolvimento do Atletismo (CNDA), da CBAt, em Bragança Paulista (SP). A competição reúne 503 atletas de 18 Estados e Distrito Federal e marca a retomada do calendário nacional da modalidade após o período de pandemia da COVID-19.


O paulista Jonathan da Silva (ASPMP-SP), por exemplo, conquistou o bicampeonato do decatlo, com recorde pessoal de 6.820 pontos. Ele teve um bom resultado no salto com vara, com 4,30 m (tinha 4,00 m), mas não melhorou o resultado das outras nove provas. “No geral, não posso dizer que saiu como eu queria, mas treinei muito bem o salto com vara para chegar aqui e fazer uma boa competição”, comentou.


“Estou muito feliz com a marca. Ainda tenho como melhorar em tudo. Gosto de fazer o decatlo e para o próximo ano penso em me qualificar para o Pan Sub-23, e viso a Olimpíada de Paris, em 2024”, complementou o atleta, que começou no pentatlo em Osasco, é treinado pelo irmão Lucas da Silva Catanhede e defende Pindamonhangaba.


Já a pernambucana Maria Lucineida da Silva Moreira (Projeto Atletismo Campeão-PE) ganhou a sua segunda medalha de ouro na competição nos 5.000 m (venceu na sexta-feira os 3.000 m), com 17:41.21. “Foi uma prova boa e difícil porque o sol estava muito quente e o ar muito seco, mas foi bom porque ganhei mais um ouro. Estou muito feliz, trabalhamos muito para chegar até aqui. O ano passado fui ouro nos 3.000 m e prata nos 5.000 m”, lembrou Lucineida, que vive na cidade de Pesqueiras, que se despede das competições sub-20.


O paulista Douglas Hernandes Mendes (Balneário Camboriú-SC) também conquistou o bicampeonato brasileiro. Ele venceu os 400 m, com 47.07. Já no feminino, a vitória foi de Marina Severina Pereira de Siqueira (CASO-DF), com 57.51.


O lançamento do disco foi vencido pelo catarinense João Victor Dalandrea dos Santos (ACARISUL-SC), com 51,42 m.


No revezamento 4x100 m feminino, vitória da equipe do Centro Olímpico-SP. Letícia Quingostas de Oliveira, Nicole Vieira de Jesus, Ana Luiza dos Santos e Juliana Estevão da Silva Oliveira completaram a prova em 47.89.


No masculino, a Orcampi-SP foi a campeã. Erick Silva de Jesus, Álvaro Fernando Cruz Nery, Guilherme Coelho da Silva e Marcos Paulo Leal Ferreira formaram o quarteto, que ganhou a prova com o tempo de 42.14.


No heptatlo, após as quatro primeiras provas, Ana Luísa Couto Soares Ferraz (Orcampi) ocupa a liderança, com 3.047 pontos.


A Orcampi (SP), que lidera a classificação masculina, com 76 pontos, assumiu o primeiro lugar na colocação geral, com 123 pontos, seguida do SESI-SP (92), IPEC-PR (77), Centro Olímpico-SP (67) e ASEMPAR-PR (55). No feminino, a liderança é do IPEC, de Londrina, com 61 pontos.


Foto: CBAt/Wagner Carmo

Nenhum comentário:

Postar um comentário