Lucas Pinho corre para ser o futuro do meio-fundo do Atletismo do País - Surto Olimpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Lucas Pinho corre para ser o futuro do meio-fundo do Atletismo do País

Compartilhe

O mato-grossense Lucas Pinho Leite é um jovem atleta de sucesso. Um dos melhores meio-fundistas do País nas categorias sub-18 e sub-20, ele planeja lutar pelo índice para o Campeonato Mundial de Nairóbi, no Quênia, inicialmente previsto para 2020 e remarcado para 2021 em função da pandemia global da COVID-19.

Bicampeão brasileiro dos 800 m e 1.500 m e campeão sul-americano dos 1.500 m – ambas as conquistas no sub-20, Lucas, aos 18 anos completados no dia 20 de fevereiro, deixou a cidade de Barra do Garças, onde mora, para treinar nas imediações do sítio de sua família em Alto Araguaia, distantes 187 km, por causa da pandemia.

“Estou muito bem na casa dos meus pais. Consegui manter os treinos, não tão fortes, mas bons para não perder a forma e poder atingir minhas metas em 2021”, disse o atleta nascido na Chapada dos Guimarães e que treina com Sivirino Souza dos Santos na Barra do Garças Associação de Atletismo.

Além do índice para o Mundial, as metas de Lucas incluem novas vitórias no Campeonato Brasileiro e no Sul-Americano e buscar medalhas no Pan-Americano da categoria e no Troféu Brasil Caixa de Atletismo nas duas provas.

Lucas Pinho começou a praticar atletismo em 2014, aos 12 anos, ao ser convidado por Sivirino para treinar no Barra do Garças. Ele aceitou o convite e passou a morar na casa dos atletas da entidade, construída na Vila Olímpica da cidade para acolher jovens com talento para o atletismo e que não têm condições de levar o esporte adiante.

Os resultados não demoraram a surgir. Em 2015, por exemplo, foi campeão dos 1.000 m dos Jogos Escolares da Juventude, em Fortaleza. Na sequência, venceu os 2.000 m dos Jogos Escolares Sul-Americanos em Assunção, no Paraguai, dando início a importantes resultados também nas competições organizadas pela Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt), como no Campeonato Brasileiro Sul-18, disputado no Recife, em 2018, quando venceu os 800 m e os 1.500 m. Neste mesmo ano, ganhou o Sul-Americano Sub-18 de Cuenca, no Equador, nos 1.500 m.

Campeão sub-20 da Copa Brasil Caixa de Cross Country, realizada em fevereiro de 2020 em Serra, no Espírito Santo, ele disputou o Campeonato Pan-Americano da modalidade em Victoria, no Canadá, terminando em 22º lugar. Integrou em 2018 a equipe brasileira nos Jogos Olímpicos da Juventude, em Buenos Aires, na Argentina, e no Campeonato Pan-Americano Sub-20 de San José, na Costa Rica, em 2019.

“O Lucas retornou para a casa de seus pais no final de maio por causa da pandemia. Agora em agosto ele volta para Barra do Garças para fazer treinos específicos”, lembra o treinador Sivirino Santos, fundador e coordenador do Projeto Vivendo o Atletismo, criado em 2003. “Ele é um menino de grande potencial e muito aplicado.”

O projeto tem atualmente 27 atletas na residência, conta com a ajuda de oito acadêmicos e de quatro professores, além de parcerias importantes como a Unimed Araguaia, a Escola Coopema, a Unident, a Climad Med, o Instituto de Cardiologia Dr. Pedro Ribeiro e a Mercearia Gabi, que atendem os atletas para consultas e exames e fornecem alimentos para a realização de cinco refeições diárias.

Foto: CBAt/Wagner Carmo

Nenhum comentário:

Postar um comentário