Comissão de atletas do COI realiza pesquisa sobre protestos nas Olimpíadas - Surto Olimpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Comissão de atletas do COI realiza pesquisa sobre protestos nas Olimpíadas

Compartilhe

A Comissão de Atletas do Comitê Olímpico Internacional (COI) realizou uma pesquisa para ampliar sua base de dados sobre protestos durante os Jogos Olímpicos. O objetivo é obter ampliar a base de dados com mais consultas, após a forte pressão que a entidade sofreu para relaxar a Regra 50 da Carta Olímpica, que proibe manifestações no evento. 

A pressão passou a ocorrer após a morte do ex segurança, negro, George Floyd, nos Estados Unidos. 

Essa pesquisa permitirá que o corpo tenha respostas diretamente da comunidade de atletas em geral. Ela deverá ser divulgada até o fim de setembro deste ano. 

Danka Barteková, atual vice-presidente da Comissão de Atletas do COI, informou que quando o processo de consulta foi iniciado, ela conversou com vários grupos de atletas, incluindo representantes da Panam Sports, Canadá e Irlanda. 

Para ela, a pesquisa permite que a comissão possa avaliar diversas opiniões sobre a regra polêmica. 

"Queremos sua contribuição e sua ajuda para ampliar o alcance da consulta", disse a atiradora eslovaca, medalhista de bronze em Londres 2012. "Que idéias você tem como atletas e representantes de atletas sobre como podemos enfrentar qualquer tipo de discriminação? 

"Como podemos dar aos atletas uma plataforma durante os Jogos para falar sobre o que é importante para eles?", indagou. 

A regra 50 da Carta Olímpica declara: "Nenhum tipo de demonstração ou propaganda política, religiosa ou racial é permitida em quaisquer locais, locais ou outras áreas olímpicas".

O próprio COI já havia se comprometido a dialogar com os atletas para que seja possível explorar maneiras para os atletas expressarem sua posição. 

Thomas Bach, presidente do COI não descartou a possibilidade de acontecerem protestos nos pódios olímpicos, alertando para a diferenciação de manifestações divisivas e protestos adequados. 

Foto: Reprodução

Nenhum comentário:

Postar um comentário