Coluna Surto Mundo Afora - Cancelamento das Olimpíadas será devastador para gerações do esporte - Surto Olimpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Coluna Surto Mundo Afora - Cancelamento das Olimpíadas será devastador para gerações do esporte

Compartilhe
  
Por Bruno Guedes

Após o adiamento das Olimpíadas que começariam em 24 julho para o próximo ano, surgiram temores de que ela seja cancelada em definitivo. É o que afirma Haruyuki Takahashi, membro do Comitê Organizador de Tóquio 2020, em entrevista ao diário japonês Nikkan Sports. Segundo ele, caso a Covid-19 não seja controlada até 2021, a decisão radical poderia ser aplicada. Caso isto ocorra, seus efeitos seriam devastadores para o esporte e poderiam impactar não só esta, mas a futura geração.

Sem vacina e com nenhum medicamento conseguindo controlar a pandemia, atividades esportivas estão voltando de forma gradual em diversos países, porém sem público. Mas no começo do mês de junho, a China voltou a apresentar casos numerosos da Covid-19. Além do sinal de alerta no continente, atletas e delegações inteiras reagiram com muito receio de que uma segunda e mais devastadora onda possa, novamente, colocar todos em isolamento social. 

Takahashi afirmou para a Nikkan que além de uma nova data para o evento ser considerada, até mesmo o seu cancelamento está em pauta. Caso não tenhamos as Olimpíadas de Tóquio, o que seria inédito desde 1944, seus efeitos serão de anos. Até o momento o Japão gastou cerca de US$ 12,6 bilhões com a estruturação do megaevento. Por causa do adiamento, mais US$ 3 bilhões custarão aos cofres nipônicos para a reprogramação. Números que fogem não só a esfera do aceitável, como amplia o debate sobre os custos com o setor esportivo.

A economia global entrou em colapso por causa da pandemia. Especialistas estimam que seja a maior devastação econômica desde a Segunda Guerra Mundial. Outros são mais drásticos: desde a Quebra da Bolsa em 1929. Por conta disso, setores considerados não essenciais pelo capital financeiro serão diretamente afetados até tudo se normalizar, caso isso ocorra um dia.

Tais acontecimentos acabam gerando uma enorme bola de neve. Isto porque, além de formar ídolos, o esporte fomenta a receita de muitas capitais pelo mundo. De acordo com o Sports Value, o setor movimenta US$ 756 bilhões por ano. Sem as atividades esportivas, esses valores despencam e afetam outros setores. A publicação lembra que para cada US$ 1 gerado diretamente nas grandes ligas dos EUA, por exemplo, US$ 2,5 produzem efeitos indiretos na economia geral da cidade.

Grande parte desses números milionários são oriundos de patrocinadores e marcas que usam o esporte como ferramenta para promoção. Não só em entidades, mas também em competidores e sua formação. Mas o redirecionamento financeiro que cortará verbas do esporte será inevitável. E o seu impacto pode durar décadas. 

Além desta geração estar comprometida por conta do cancelamento de diversas competições ao longo de 2020, o adiamento das Olimpíadas pode derrubar esportistas e legados que foram erguidos ao longo das últimas décadas. Sem o evento, o dinheiro vai diminuir, sair por completo ou sendo aos poucos retirado. Poderá não mais haver um estímulo privado para manutenção de apoios cruciais para esses desportistas. 

Um exemplo são os atletas individuais. Estes são diretamente dependentes de um aporte econômico que vem de patrocinadores que, neste momento, sofrem com os efeitos da pandemia. São empresas de grande e médio porte que agora precisam repensar seus investimentos. Algumas nem vão conseguir se recuperar. Sem evento e dinheiro, por que investir no esporte? E a causa disso será o desaparelhamento esportivo.

Estima-se queda de até 60% nos patrocinadores em algumas modalidades, relata a Sports Value. Muitos competidores dependem dos patrocínios para viver exclusivamente do esporte. E o de alto rendimento não permite que um atleta divida seu dia com trabalhos alternativos. Outrossim, a estrutura gerada por essa ajuda vai desde a parte física de treinos até profissionais diversos, como médicos, treinadores e outros. Um choque gigante.

A base dessa pirâmide também será afetada com a fuga do dinheiro: a formação de talentos. A queda da receita e do investimento vai impactar também as próximas gerações, já que os problemas econômicos vão amputar boa parte do desenvolvimento de futuros atletas. E aí, vai desde aquela feita em escolas e setores públicos, até a parte privada, envolvendo clubes e associações.

Um levantamento da NBC, em abril, previa uma perda de até US$ 1 bilhão nas grandes ligas americanas, como NBA, NHL e MLB. Porque  foi justamente durante a temporada destas competições que a Covid-19 gerou o isolamento social e cancelamento em massa das disputas. Os prejuízos, segundo a rede de TV, seriam sentido principalmente nas categorias de base destas associações, onde já houve uma diminuição de fluxo financeiro.

A Nova Zelândia, que se tornou um exemplo de combate ao novo coronavírus, se antecipou aos acontecimentos e injetou cerca de US$ 157 milhões no esporte, de acordo com a agência Reuters. Este valor é para ser empregado na formação de atletas e suporte aos profissionais, segundo o Ministro do Esporte local, Grant Robertson.

A verdade é que o estrago já está feito. A Covid-19 tirou centenas de milhares de vidas e deixou heranças malditas. Uma delas será paga pelas próximas gerações. Mas os atletas atuais já sentem seus efeitos muito além dos sintomas do coronavírus.

Foto: Divulgação

Nenhum comentário:

Postar um comentário