De Olho no Gol – Com as 32 seleções definidas, a expectativa para o sorteio da Copa




Por Rodrigo Huk (@rodrigo_huk)

Na quarta-feira o Uruguai tornou-se o 32º país a garantir oficialmente sua vaga para a Copa do Mundo de 2014. Com isso, o próximo passo será pensar no sorteio dos grupos, que ocorre no dia 6 de dezembro, e será rodeado de tensão, principalmente pela iniciativa da FIFA em definir os cabeças de chave através do polêmico ranking da federação. Como resultado disso, seleções sensações do momento, mas com um histórico não tão rico, como Bélgica, Colômbia e Suíça, tomaram os possíveis espaços de Itália, Holanda, França e/ou Inglaterra na posição 1 da montagem dos grupos.

Entre os 32 classificados, 25 países estiveram presentes na África do Sul em 2010, sendo que a única estreante será a Bósnia. Tomando por base o sistema utilizado pela FIFA nas últimas Copas, os potes para o sorteio do dia 6 serão os seguintes:



O ponto chave do sorteio é o pote 3, que possui limitações continentais. Chile e Equador não podem ficar nos grupos de Uruguai, Brasil, Argentina e Colômbia, então necessariamente serão adversários de cabeças de chave europeus na primeira fase. O inverso ocorre com a França, que necessariamente estará no grupo de um cabeça de chave sul-americano, ou seja, 25% de chances de enfrentar o Brasil.

Analisando possíveis cenários positivos e negativos é possível apontar a seleção brasileira em um grupo da morte com Estados Unidos, França e Itália/Inglaterra/Holanda. Enquanto um início fácil de Copa seria contra Honduras, Argélia e Grécia. 

Mas a preocupação não se resume à primeira fase. Um grupo tranquilo pode significar adversários de peso nas oitavas de finais, potencializado pela divisão dos potes, que pode criar um grupo da morte logo ao lado da chave brasileira, colocando uma pedreira no caminho da amarelinha no primeiro confronto mata-mata.

Um fenômeno marcante dos últimos anos no futebol foi o nivelamento entre diversas equipes, em algo parecido com o que acontece no vôlei masculino. Tanto Suíça quanto Bélgica e Colômbia poderiam incomodar dentro de seus grupos, mesmo não ocupando a posição em que estão atualmente nos potes. Potencial parecido tem o Chile, com um dos melhores elencos de sua história, provado na campanha das eliminatórias e amistosos recentes contra Inglaterra e Brasil. 

Na contramão disso o pote 2 aparece como um refresco. Os Estados Unidos já não vivem mais o grande momento visto em 2009 e 2010, e o México vem extremamente enfraquecido, com uma seleção que sequer teve uma base formada e utilizada constantemente nos últimos anos, apelando para nomes da liga local para disputar a repescagem. E dificilmente as seleções asiáticas poderiam complicar um jogo valendo contra uma potência.

Sem dúvida nenhuma o pote 4 será o mais temido. Holanda, Itália, Inglaterra e Portugal formam o quarteto da morte. A Rússia ainda aparece com potencial de ser uma pedra no sapato dos cabeças de chave, enquanto Bósnia, Croácia e Grécia formariam o caminho mais fácil, que não seria necessariamente fácil, tendo em vista o forte jogo físico imposto pelas três seleções.

Um fato é que para 2014 há uma grande possibilidade de termos os grupos mais equilibrados dos últimos tempos na Copa do Mundo, tanto pela disposição das seleções nos potes quanto pelo o nivelamento das equipes no cenário mundial atual. A confirmação deve vir no dia 6 de dezembro, na Costa do Sauípe, às 13h30. Espero que sem Alex Atala atrapalhando participando.

0 Comentários