Durante etapa de Doha da Copa do Mundo, atletas de Israel são ignorados





Há três anos, no Mundial de piscina curta, a delegação de Israel recebeu um tratamento diferente em relação aos outros países por parte da organização do evento, realizado em Dubai, nos Emirados Árabes. Nesta semana, a cena se repetiu em Doha, no Qatar. Em uma etapa da Copa do Mundo, no último domingo e nesta segunda-feira, a palavra Israel e a bandeira do país foram ignoradas durante a transmissão do evento. As informações são do jornal israelense "Haaretz".

Segundo o jornal, os organizadores do evento teriam impedido os narradores da TV responsável pela transmissão da competição de falar a palavra "Israel" e mostrar a bandeira do país. Às vezes, a transmissão era interrompida e, em outros momentos, os atletas israelenses eram ignorados.

Na final do 50m costas, por exemplo, o israelense Guy Marcos Barnea foi o único nadador a não ser apresentado. O nome do atleta e a bandeira do país, que costumam aparecer na tela, também não foram mostrados. Na final dos 100m medley, a bandeira também não apareceu ao lado do nome de Amit Ivry antes da prova. Durante o percurso e no final da disputa, a nadadora foi ignorada pela transmissão, mesmo terminando em segundo lugar. Algumas vezes, Israel era apenas mencionado pela sigla ISR.

Um dos nadadores mais experientes da delegação de Israel, Gal Nevo também foi ignorado quando disputou os 200m medley e ficou revoltado com a situação enfrentada pelo seu país na competição.

"Para que a nossa bandeira e nome do país não aparecessem, os resultados de todas as provas que a gente disputou não estavam sendo divulgados. Isso aconteceu muitas vezes, e os nadadores de outros países começaram a perceber o que estava acontecendo."

Gal Nevo explicou, porém, que no segundo dia de disputas a situação se normalizou. O nadador acredita que a bandeira e o nome do país voltaram a aparecer devido à repercussão que o caso estava ganhando.

"Talvez os organizadores queriam impedir (a divulgação da bandeira e do nome do país), mas aparentemente eles também sentiram que a situação havia se tornado ridícula e começaram a atuar de forma lógica. Quando eu estava me preparando para minha última prova, ouvi: " Gal Nevo, de Israel ", o que não é como ouvir "Gal Nevo, de ISR".

Fonte: Globoesporte.com

0 Comentários