Lance Armstrong acusa governo dos EUA de ignorar alegações de doping






Lance Armstrong perdeu os sete títulos da Volta da França, todos os patrocínios e foi banido do esporte. Na última quarta-feira, o ciclista participou pela primeira vez de um evento público da modalidade, nos Estados Unidos, e não foi bem recebido. No mesmo dia, o ex-atleta deu uma declaração polêmica e que promete movimentar o mundo do esporte e da política nos próximos meses. De acordo com reportagem do "The Guardian", o governo americano estava disposto a fechar os olhos para o doping para aproveitar a publicidade de sua carreira através de um patrocínio junto ao serviço postal do país.

O atleta foi apoiado pelo serviço postal americano de 1998 a 2004 (o apoio a sua equipe começou em 1995, mas ele só entrou no time em 1998), e uma ação federal que diz que o atleta quebrou os termos do contrato ao ser pego no doping. O caso pode valer até US$ 120 milhões (quase R$ 250 milhões), três vezes o valor de patrocínio pago a Armstrong, US$ 40 milhões (quase R$ 90 milhões).

"O governo admite que, antes de novembro de 2000, estava ciente de que autoridades francesas tinham começado uma investigação preliminar sobre as alegações de que a equipe de ciclismo teria usado drogas para melhorar o desempenho. Mas o governo nõa era meramente ciente dessas acusações. Apesar do seu conhecimento e preocupação, o oficial dos Estados Unidos não fez absolutamente nada. Na verdade, a única coisa que o governo fez foi entrar em um novo acordo de patrocínio de quatro anos, com vantagens especiais para o Tour de France" - diz relatório de defesa de Armstrong.

Fonte: Globoesporte.com
Foto: AP 

Postar um comentário

To Top