Surto História: Os Jogos Olímpicos e a Guerra Fria - Surto Olímpico

Pesquisar:

Arquivo do blog

Últimas Notícias

Surto História: Os Jogos Olímpicos e a Guerra Fria

Compartilhe
Por Rodrigo Farias

No final de 1945, a Segunda Guerra Mundial acaba. Após longos 6 anos de conflitos e 60 milhões de mortos, a paz, em nível aceitável, voltava ao globo. Após esse conflito, duas superpotências emergiram: Estados Unidos, o gigante capitalista do Oeste e a União Soviética, o gigante socialista do Leste. Assim como a mídia e a política, os Jogos Olímpicos não ficaram de fora desse embate. Nesses posts, abordaremos todos os casos que envolvem Olimpíadas e Guerra Fria à exceção dos boicotes de 1980 e 1984, que por serem os maiores, receberão textos mais detalhados.

- Helsinque, 1952: A União Soviética participa pela primeira vez dos Jogos Olímpicos. Alegando insegurança para seus atletas, o país ficou em uma vila olímpica separada de todos os outros países. O grande destaque veio na ginástica olímpica: os soviéticos ganharam a primeira de suas oito medalhas de ouro. A Alemanha foi outra que deu as caras novamente, só que apenas o seu lado Ocidental – e capitalista – pôde participar. Conquistaram 24 medalhas, porém nenhuma de ouro.

- Merlborne, 1956: Egito, Iraque e Líbano não compareceram aos Jogos em protesto a invasão do Egito por Inglaterra, França e URSS após a nacionalização do Canal do Suez. A invasão da URSS à Hungria, durante a Revolução Húngara de 1956, levou ao boicote de Espanha, Suíça e Holanda. As duas Alemanhas disputaram a Olimpíada como equipe unificada, arranjo que durou até os Jogos de 1968. No quadro geral, a URSS superou os americanos e empatou no quadro histórico.

- Tóquio, 1964: A África do Sul é impedida de disputar os Jogos devido ao regime do apartheid – tal bloqueio é revogado em 1994. Em 19 anos, de destruído a país-sede de Olimpíadas: esse é o Japão de 1964.

- Montreal, 1976: A República Popular da China e a República da China – Taiwan – após uma série de incidentes em Jogos anteriores, boicotaram a Olimpíada canadense devido às confusões quanto a legitimidade de cada uma delas. Logo após os Jogos, o COI considerou a República Popular da China o representante legítimo. Os países africanos não foram para o Canadá pelo fato do time de rugby da Nova Zelândia ter jogado com a África do Sul naquele ano. O COI não excluiu o país dos Jogos, o que levou o continente africano ao boicote.

- Moscou, 1980: Além do boicote causado pela invasão ao Afeganistão pela URSS, Taiwan boicotou a Olimpíada russa por causa do reconhecimento da República Popular da China como representante legítimo do país, em 1976.

- Los Angeles, 1984: Além do boicote do bloco socialista, Irã e Líbia boicotaram os Jogos, alegando razões políticas.

- Seul, 1988: A Coreia do Norte boicotou esses Jogos devido aos conflitos históricos com a Coreia do Sul e devido ao COI não ter concordado em transferir a sede de alguns esportes para o país do norte da Península. Em solidariedade, Cuba, Nicarágua, Etiópia e Madagascar aderiram ao boicote. Albânia  e Seychelles não foram para a Coreia do Sul, porém não alegou ter boicotado os Jogos, como forma de evitar as possíveis sanções por isso.



Um comentário:

  1. obg,seu post ajudou mt na minha pesquisa escolar sobre a relação entre guerra fria e jogos olimpicos,vlw!!

    ResponderExcluir