Últimas Notícias

World Athletics planeja aumentar restrições mas sem proibir atletas transgênero

Foto: Martin Rickett/PA Images

 

A World Athletics está considerando impor regras mais rígidas para atletas transgêneros no esporte, enquanto ainda abre espaço para sua inclusão em eventos femininos. O corpo diretivo está em negociações com as Federações Nacionais sobre os limites de testosterona para mulheres transgênero, mas suas propostas não chegam a uma proibição total.

 

De acordo com o The Telegraph , a Federação Internacional de Atletismo alcançou sua "opção preferencial", mas nenhuma decisão concreta foi tomada sobre o assunto e seguem buscando a melhor maneira de obter feedback construtivo, mas isso não significa que esta seja a opção que será apresentada ao Conselho ou de fato adotada".

 

A proposta mais recente da World Athletics veria o nível máximo de testosterona plasmática permitido em mulheres atletas transgênero e aquelas com diferenças no desenvolvimento sexual (DSD) reduzidas à metade, de 5 nanomoles por litro para 2,5. Outra mudança importante é que os atletas teriam que ficar abaixo do nível permitido por dois anos, em vez de 12 meses. Uma decisão final sobre o assunto é esperada para março.

 

Em junho de 2022, a World Athletics e a FIFA disseram que as duas organizações também devem revisar suas políticas de elegibilidade após a decisão da World Aquatics - então conhecida como Federação Internacional de Natação (FINA) - de proibir atletas transgêneros em eventos femininos.

 

De acordo com a decisão do órgão regulador global de natação, os indivíduos agora devem ter concluído a transição aos 12 anos de idade para competir em competições femininas, afirmando que a transição deve ocorrer antes da puberdade masculina.

 

O presidente da World Athletics, Sebastian Coe, enfrentou críticas de grupos de direitos dos transgêneros depois de elogiar a decisão da World Aquatics no ano passado. Após a decisão do World Aquatics, a International Rugby League baniu jogadores transexuais de competições femininas até novo aviso. O World Rugby também proibiu jogadores transgêneros de competições femininas.

 

Enquanto isso, a União Internacional de Ciclismo reduziu seu limite nos níveis de testosterona para mulheres transgênero e aumentou o período de transição. O Comitê Olímpico Internacional deu às Federações Internacionais a responsabilidade de formular políticas transgênero caso a caso, sem fazer recomendações gerais.


0 Comentários

.

APOIE O SURTO OLÍMPICO EM PARIS 2024

Sabia que você pode ajudar a enviar duas correspondentes do Surto Olímpico para cobrir os Jogos Olímpicos de Paris 2024? Faça um pix para surtoolimpico@gmail.com ou contribua com a nossa vaquinha pelo link : https://www.kickante.com.br/crowdfunding/ajude-o-surto-olimpico-a-ir-para-os-jogos-de-paris e nos ajude a levar as jornalistas Natália Oliveira e Laura Leme para cobrir os Jogos in loco!

Composto por cinco editores e sete colaboradores, o Surto Olímpico trabalha desde 2011 para ser uma referência ao público dos esportes olímpicos, não apenas no Brasil, mas em todo o mundo.

Apoie nosso trabalho! Contribua para a cobertura jornalística esportiva independente!

Digite e pressione Enter para pesquisar

Fechar