Últimas Notícias

Vice-presidente do COI é culpado por interferência nas eleições da World Sailing

Foto: Dios Vincoy Jr.

 

Um painel independente apontou que o vice-presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Ng Ser Miang, foi considerado culpado de não agir com integridade e de interferir em uma complicada eleição mundial de Vela em 2020, que viu o dinamarquês Kim Andersen derrotado por pouco pelo chinês Quanhai Li.

 

Gareth Farrelly, advogado londrino e ex-jogador de futebol da Premier League, foi o responsável por presidir o painel e decidiu que, após mais de dois anos lidando com o caso, Ser Miang e Dieter Neupert, ambos membros da Comissão Mundial de Ética da Vela, eram culpados das acusações de conflito de interesses, conforme apontado a eles por Kim Andersen.

 

Neupert, um advogado suíço que era o presidente interino da Comissão Mundial de Ética da Vela na época, e Ser Miang, vice-presidente do COI, receberam uma advertência oficial e foram multados em € 1.000 euros cada. Andersen alegou que Ser Miang tentou ativamente derrubá-lo de sua posição e que ele foi apoiado por Neupert, alegando que a dupla havia cometido "violações grosseiras" do código de ética da World Sailing.

 

Uma série de acusações éticas foram feitas contra Andersen durante as eleições em 2020, incluindo seu papel na classe finlandesa sendo eliminado do programa olímpico após Londres 2012, e que ele "abusou" das assinaturas dos vice-presidentes da World Sailing, Perry e Gary Jobson, e que ele havia quebrado as regras ao assinar um acordo não autorizado com uma empresa de consultoria.

 

Ng Ser Miang, ex-marinheiro e natural de Cingapura, teria enviado um e-mail a um membro da Comissão Eleitoral Mundial de Vela citando o diretor de ética e conformidade do COI, Pâquerette Girard Zappelli, e advertindo que as alegações contra o titular Andersen e outro candidato, Scott Perry, poderiam prejudicar a reputação da organização se eles fossem eleitos.

 

Neupert tornou-se personagem controverso depois de aparecer nos documentos vazados do Panama Papers e de ser citado como procurador para fundos offshore de propriedade de Vasily Anisimov, um oligarca russo e apoiador próximo do presidente Vladimir Putin. Ele foi acusado de fornecer documentos confidenciais à Comissão Mundial de Ética da Vela à mídia durante a campanha eleitoral.

 

A World Sailing afirmou publicamente que Ser Miang havia "aproveitado mal" sua posição "para intervir na eleição e na política de uma Federação Internacional autônoma". Kim Andersen apresentou sua queixa à Comissão de Ética em 25 de setembro de 2020, um mês antes do início da votação na eleição presidencial em que foi derrotado por Li no segundo turno por 68 votos a 60.

 

O Painel Independente disse em seu julgamento que tanto Ser Miang quanto Neupert deveriam ter se afastado do caso, uma vez que as acusações de conflito de interesses foram feitas, em vez disso, Neupert administrou a correspondência de Andersen e continuou a consultar seus representantes, bem como outros membros da Comissão de Ética, mesmo com a denúncia sendo contra ele e Ser Miang e que os dois até votaram na decisão em 8 de outubro.

 

A decisão oficial final foi assinada por Neupert e havia resultado de que a reclamação de Andersen foi derrotada por sete votos a um na Comissão de Ética, mesmo sendo alegado que o vice-presidente do COI e Neupert deveriam ter se retirado das discussões por terem seus nomes envolvidos. Somente em dezembro de 2020 e janeiro de 2021 respectivamente que Ser Miang e Neupert renunciaram à Comissão de Ética.

 

"Os Requeridos falharam em agir com a máxima integridade e responsabilidade durante a execução de seu papel", decidiu o Painel Independente em seu julgamento, finalizado em 29 de novembro do ano passado, mas publicado recentemente pela World Sailing.

 

De acordo com o relatório do Painel Independente, Ser Miang não respondeu a perguntas de dois Oficiais de Investigação Disciplinar diferentes durante o longo curso do caso enquanto conduziam suas investigações, mas não havia como ele ser forçado a cooperar.


“É claro que este caso foi altamente politizado dentro da World Sailing e relacionado a questões de governança em relação ao funcionamento da Comissão de Ética. O Oficial de Investigação Disciplinar observou que as acusações contra o Sr. Anderson não foram comprovadas e causaram danos à sua reputação. O Sr. Anderson reclamou com justa causa, mostrando que houve uma campanha para influenciar a eleição e prejudicar sua reputação", finalizou o relatório.


0 Comentários

.

APOIE O SURTO OLÍMPICO EM PARIS 2024

Sabia que você pode ajudar a enviar duas correspondentes do Surto Olímpico para cobrir os Jogos Olímpicos de Paris 2024? Faça um pix para surtoolimpico@gmail.com ou contribua com a nossa vaquinha pelo link : https://www.kickante.com.br/crowdfunding/ajude-o-surto-olimpico-a-ir-para-os-jogos-de-paris e nos ajude a levar as jornalistas Natália Oliveira e Laura Leme para cobrir os Jogos in loco!

Composto por cinco editores e sete colaboradores, o Surto Olímpico trabalha desde 2011 para ser uma referência ao público dos esportes olímpicos, não apenas no Brasil, mas em todo o mundo.

Apoie nosso trabalho! Contribua para a cobertura jornalística esportiva independente!

Digite e pressione Enter para pesquisar

Fechar