Últimas Notícias

Apesar de problemas com alimentação, atletas e dirigentes aprovam o evento-teste do Rugby Sevens


Ao fim do evento-teste, a instalação e as operações receberam avaliações positivas de jogadoras, dirigentes e organizadores. O gramado foi bastante elogiado. A única ressalva foi em relação à alimentação das atletas, que gerou problemas no primeiro dia e demandou mudanças por parte do Comitê Rio 2016.

“O campo está excelente. A parte de procedimentos e protocolos dos jogos funcionou bem. No que diz respeito à área de jogo, o evento é um sucesso”, destacou Sami Arap, presidente da Confederação Brasileira de Rugby. “Estamos satisfeitos com a parte de resultado e os voluntários estão muito bem, melhor do que o esperado até. O principal teste é a área de competições e o retorno é muito bom. O sistema de irrigação não foi muito utilizado por causa da chuva que tem caído no Rio e o sistema de drenagem foi estressado ao último nível. Tudo funcionou bem, o estado do gramado é excelente”, disse Gustavo Nascimento, diretor de instalações do Rio 2016.

Logística de refeições

No sábado (05), algumas atletas reclamaram da logística da alimentação, que acabou demorando e atrasando as refeições no intervalo das partidas. “A alimentação demorou um pouco, tinha pouca gente para nos servir”, citou Cecilia Verocai, da seleção do Uruguai, no sábado. “Não sei o que houve, mas acabei comendo muito tarde e foi complicado, pois tive que jogar logo depois”, afirmou a argentina Josefina Padellaro. “Faltou um pouco de organização com a comida”, opinou Natalia Justiniano, do Paraguai.

“Houve uma falha de comunicação ou de entendimento da modalidade. O rúgbi é diferente. Você tem 120 atletas no fim de semana, se movimentando, mais um staff de árbitros e voluntários. Essas pessoas precisam se alimentar. Quando elas foram para a infraestrutura de alimentação, só havia um food truck para atender. Houve um atraso substancial”, apontou Sami Arap.

O problema chegou até os organizadores, que fizeram as alterações necessárias para adequar o serviço à necessidade das atletas. “Planejamos o evento para ter um serviço de alimentação equipe a equipe, mas todas apareceram juntas e não tínhamos capacidade para atender todos ao mesmo tempo”, explicou Gustavo Nascimento, diretor de instalações do Rio 2016.

“Hoje já consertamos. Evento-teste é isso. Você programa, a coisa não acontece da forma como você programou. O grande teste é avaliar o poder de reação da equipe. Realmente foi muito chato. O atleta está no calor, no intervalo, querendo se alimentar o mais rápido possível. Ontem não tínhamos o poder de reação, mas foi consertado”, comentou Nascimento.

World Rugby aprova experiência

A World Rugby, federação internacional da modalidade, fez comentários positivos em relação aos dois dias de evento-teste no Estádio de Deodoro. Diretor de competições e performance da entidade, Mark Egan acompanhou as partidas e citou a evolução das obras nas últimas semanas.

“Seis semanas atrás tínhamos algumas preocupações, mas o trabalho feito neste período foi excelente. Estamos satisfeitos de uma maneira geral”, afirmou Egan. “O campo de jogo foi muito bem, a estrutura médica e dos atletas está excelente e o sistema de resultados funcionou”, citou o dirigente.

Como o Estádio de Deodoro é uma instalação temporária e ainda não conta com as arquibancadas que serão utilizadas nos Jogos, com capacidade para 15 mil pessoas, o evento-teste contou com algumas estruturas temporárias. Mas nada que tenha preocupado a World Rugby, segundo Mark Egan.

“Estamos operando em um ambiente que não será o mesmo que teremos durante os Jogos, mas entendemos isso. É uma instalação temporária, não faz sentido ter a arquibancada aqui durante seis meses”, apontou. Nas próximas semanas, a entidade máxima do rúgbi e o Comitê Rio 2016 vão se reunir para detalhar o cronograma de montagem das arquibancadas.

Para Mark Egan, o mais importante até os Jogos será respeitar o cronograma para o fim das obras. “Não há mais espaço para atrasos. Todo dia é crítico. Temos que ter certeza de que tudo que foi planejado será executado. Vamos voltar para visitas regulares, mas estamos bastante confiantes de que tudo vai ser entregue como prometido”, encerrou Egan.

Foro: Brasil 2016

0 Comentários

.

APOIE O SURTO OLÍMPICO EM PARIS 2024

Sabia que você pode ajudar a enviar duas correspondentes do Surto Olímpico para cobrir os Jogos Olímpicos de Paris 2024? Faça um pix para surtoolimpico@gmail.com ou contribua com a nossa vaquinha pelo link : https://www.kickante.com.br/crowdfunding/ajude-o-surto-olimpico-a-ir-para-os-jogos-de-paris e nos ajude a levar as jornalistas Natália Oliveira e Laura Leme para cobrir os Jogos in loco!

Composto por cinco editores e sete colaboradores, o Surto Olímpico trabalha desde 2011 para ser uma referência ao público dos esportes olímpicos, não apenas no Brasil, mas em todo o mundo.

Apoie nosso trabalho! Contribua para a cobertura jornalística esportiva independente!

Digite e pressione Enter para pesquisar

Fechar