Mundial de Atletismo Paralímpico 2019 - Dia 2


Nesta sexta-feira, 8, segundo dia do Campeonato Mundial de Atletismo Paralímpico, em Dubai, o Brasil faturou quatro medalhas: dois ouros, uma prata e um bronze. Os paulistas Thiago Paulino e Júlio César Agripino foram campeões no arremesso de peso e nos 1.500m, respectivamente. O rondoniense Mateus Evangelista garantiu a prata no salto em distância, e a sul-matogrossense Gabriela Mendonça, bronze na mesma prova.

O time verde e amarelo terminou esta sexta-feira como o segundo colocado no quadro geral de medalhas, com o total de seis conquistas: três ouros, uma prata e dois bronzes. Na liderança está a China com três ouros, três pratas e um bronze. Em terceiro, a Finlândia e suas três medalhas douradas. Além dos pódios desta sexta-feira, o Brasil já acumulava o ouro de Rayane Soares nos 400m (T13) e o bronze de Alessandro Rodrigo no arremesso de peso (F11), ambos angariados na quinta-feira, abertura do Mundial.

Ao todo, 43 atletas brasileiros estão entre os 1.400 inscritos de 120 países. A competição é realizada no Dubai Club for People of Determination desde a quinta-feira, 7, até o dia 15 de novembro. Catorze representantes do país entram em cena neste sábado, 10, terceiro dia de competição. Destes, três dividirão raia na mesma prova.

Trata-se da promissora decisão dos 400m da classe T47 (amputados de braço abaixo do cotovelo). Petrúcio Ferreira, Thomaz Ruan e Yohansson Nascimento superaram as eliminatórias, disputadas nesta sexta-feira, e estarão alinhados no bloco de partida, a partir 12h33 (de Brasília), na busca pelo ouro. Confira, mais abaixo, a programação completa dos brasileiros neste sábado.

Eles têm a responsabilidade de manter a rotina de ouro que o Brasil estabeleceu e que nesta sexta-feira teve continuidade, inicialmente, com o paulista de Diadema, Júlio Cesar Agripino.

Ele foi primeiro atleta a faturar o ouro nesta super sexta-feira, nos 1.500m da classe T11 (cegos). Guiado pelo gaúcho Lutmar Paes completou a distância em 4min07s02 e se sagrou campeão mundial. Compuseram o pódio o queniano Samwel Kimani, com 4min08s47 (prata), e o polonês Aleksander Kossakowski (4min08s71).

“Foi eletrizante. Ditamos o ritmo da prova inteira. Fui orientado a mudar a estratégia para não repetir o que aconteceu em Lima. Trabalhamos bem na pista, mantivemos o ritmo, principalmente na segunda volta. Gastei o restinho de energia no fim quando o Lutimar me incentivou, ele dizia naquela reta final ali: ‘Você vai ser campeão mundial’”, relatou Júlio, que ainda correrá os 5.000m em Dubai, na próxima quinta-feira, 14, penúltimo dia de competição.

Júlio foi diagnosticado com ceratocone, doença degenerativa na córnea, aos 7 anos. Ele era atleta do atletismo convencional e migrou para o paradesporto por incentivo de treinadores. Nos Jogos Parapan-Americanos de Lima 2019, ele tropeçou em um adversário no fim dos 1.500m e caiu. Nesta sexta-feira, Júlio abrilhantou sua estreia em Mundiais com um ouro no peito.

O segundo ouro desta super sexta-feira veio do campo. O paulista Thiago Paulino confirmou o favoritismo no arremesso de peso da classe F57 (amputados de membros inferiores). Ele chegou à prova como atual campeão e recordista mundial e o recém-conquistado bicampeonato parapan-americano, em Lima. Todos os predicados de um favorito incontestável.

Em uma prova com 12 participantes, ele foi o sétimo a arremessar. Nesta classe, os competidores competem presos às suas cadeiras e realizam todas as seis tentativas de uma vez só, e não intercalando-se, como no atletismo olímpico, por exemplo. Isto faz com que a competição seja uma das mais longas do programa do Mundial.

Paulino esperou mais de uma hora até poder se apresentar. Realizou as seis tentativas, a melhor de todas chegou a 14,68m, na terceira investida, e jamais foi importunado pelos rivais na sequência. O sírio Mohamad Mohamad foi o vice-campeão (14,29m) e o chinês Guoshan Wu, bronze (14m21).

“Uma semana atrás eu não sabia se poderia competir, estava com uma inflamação no cotovelo, mas a equipe médica do CPB e o pessoal que me apoia me ajudaram muito para estar aqui. Não queimei nem um arremesso sequer, as marcas foram boas, poderiam ser melhores, mas estou feliz. Missão cumprida”, comemorou Paulino, que não compete mais neste Mundial. Outra prova da qual é recordista mundial, o lançamento de disco, foi excluído do programa.

Natural de Orlândia, Thiago, 33 anos, amputou a perna esquerda abaixo do joelho devido a um acidente de moto, em 2010. No ano seguinte, começou a praticar atletismo após ser convidado por um amigo.

O salto em distância foi responsável por dois pódios brasileiros.
O primeiro veio da impulsão de Mateus Evangelista. Ele saltou 6,10m na penúltima tentativa e cravou posição na vice-liderança da disputa. O ucraniano Vladislav Zahrebelnyi ainda colocou pressão no brasileiro, com 6,07m também no penúltimo salto, porém não conseguiu melhorar a marca e terminou em terceiro. Melhor para Mateus, que repetiu o resultado de dois anos atrás, no Mundial de Londres, quando saltou exatamente 6,10m e também assegurou a prata.

“Eu fui encaixando o salto a cada tentativa, e mentalizei o meu melhor salto, que foi nos Jogos Paralímpicos do Rio 2016, quando eu fiquei com a prata, e deu certo. A prova aqui foi muito boa, os adversários do mais alto nível”, comentou Mateus.

Gabriela Mendonça, 21 anos, foi a responsável pela quarta e última medalha brasileira nesta sexta-feira. No salto em distância da classe T12 (baixa visão), ela alcançou 5,54m, sua melhor marca da vida, logo no primeiro salto. Isto lhe rendeu a medalha de bronze. A sul-mato-grossense ainda passou por momentos dramáticos na prova, após lesionar-se no pé direito na quarta tentativa. Resistiu até o sexto (e último) salto para garantir a medalha. O pódio foi composto pela argelina Lynda Hamri (5,58m) e a ucraniana Oksana Zobkovska abocanhou o ouro com o salto de 5,73m.

“Apesar da lesão, não pensei em desistir, lembrei-me de tantos treinos e tudo que fiz para estar aqui e o tanto que queria esta medalha”, disse Gabriela após a prova, a última do dia.

Confira, abaixo, os resultados dos brasileiros nesta sexta-feira, 8, segundo dia de Mundial de Atletismo, em Dubai:

Finais
Arremesso de peso (F57): Thiago Paulino - ouro
1.500m (T11): Júlio César Agripino – ouro
Salto em distância (T37): Mateus Evangelista – prata
Salto em distância (T12): Gabriela Mendonça - bronze
100m (T53): Ariosvaldo da Silva – 5º lugar
Arremesso de peso (F11/F12): Izabela Campos – 12º

Eliminatórias
400m (T47): Thomaz de Moraes – 2º lugar*
400m (T47): Yohansson Nascimento – 7º lugar*
400m (T47): Petrucio Ferreira – 1º lugar*
800m (T54): Leonardo de Melo – 20º lugar
*Classificado para final

Confira a programação dos brasileiros neste sábado, 9 (horário de Brasília)
Madrugada
2h03 – João Victor Silva, final do arremesso de peso (F37)
2h03 – Emanoel Victor de Oliveira, final do arremesso de peso (F37)
2h06 - Lorena Spoladore, final do salto em distância (T11)
3h33 – Vitor de Jesus, 400m (T37)
3h55 - Ariosvaldo da Silva, 400m (T53)
4h28 – Tascitha Cruz,  200m (T36)
4h46 - Fernanda Yara, 400m (T47)

Tarde
11h17 - Daniel Martins, 400m (T20)
11h52 – Fábio Bordignon, final dos 200m (T35)
12h33 - Petrucio Ferreira. Yohansson Nascimento e Thomaz de Moraes, final dos 400m (T47)
13h44 - Thalita Simplicio, 400m (T11)
13h52 - Jhulia Karol, 400m (T11)

Foto: CPB/EXEMPLUS

Postar um comentário

Copyright © Surto Olimpico. Designed by OddThemes