Comitê Paralímpico Brasileiro comemora Parapan de Lima acima das expectativas: "Excelente termômetro para avaliar o planejamento"



Os Jogos Parapan-Americanos de Lima 2019 se encerraram neste domingo, 1º de setembro, e entram para a história como o que o Brasil mais conquistas acumulou. Após nove dias de competição, nossos atletas chegaram à inédita marca de 308 medalhas, entre as quais 124 de ouro, 99 de prata e 85 de bronze. Nunca nenhum país somou tantas vitórias em uma única edição de Parapan.

Desde os Jogos Parapan-Americanos do Rio de Janeiro 2007, quando a competição passou a ser realizada na mesma sede do Pan-Americano, a delegação Brasil é imbatível no topo do quadro de medalhas. Contudo, nunca superado 257 láureas e 109 ouros, recordes alcançados na edição de quatro anos atrás, em Toronto, Canadá.

“Foi uma competição desafiadora e, certamente foram os Jogos Parapan-Americanos mais difíceis que o Brasil já disputou. Foi uma campanha memorável do Brasil. Nossos atletas lograram mais êxitos do que nós prevíamos ou imaginávamos”, comentou Mizael Conrado, presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro, ex-jogador de futebol de cinco (para cegos), bicampeão paralímpico (Atenas 2004 e Pequim 2008). 

Desde o sábado, 24, dia seguinte à cerimônia de abertura no Estádio Nacional de Lima, o Brasil ficou à frente dos rivais, com uma média de 34 pódios diários. Neste cálculo, a média de ouros diárias era de 13 ocasiões. Das 17 modalidades em disputa, os brasileiros dominaram o quadro de medalhas em 11: Atletismo, natação, bocha, levantamento de peso , tênis de mesa, judô, parabadminton, parataekwondo, goalball, além dos coletivos futebol de cinco (para cegos) e futebol de sete (paralisados cerebrais).

“Lima é o primeiro estágio dos grandes eventos do ciclo, serve como um excelente termômetro para avaliar nosso planejamento, que foi estabelecido em 2017 projetando os oito anos subsequentes. Tínhamos uma expectativa aproximada do que realmente alcançamos aqui, mas atingimos a meta, superamos a excelente campanha de Toronto 2015”, comentou Alberto Martins da Costa, diretor-técnico do CPB e chefe da missão brasileira nos Parapan de Lima. 

Entre as performances individuais dos atletas brasileiros, duas chamam a atenção, ambas na natação. Daniel Dias alcançou a inédita marca de 33 medalhas de ouro em 33 provas disputadas em Parapans, desde o Rio 2007. Phelipe Rodrigues foi o competidor que mais ouros leva na bagagem de volta para casa. Ele participou de oito provas, ganhou sete ouros e um bronze.

Foto: Daniel Zappe/Exemplus/CPB

Postar um comentário

Copyright © Surto Olimpico. Designed by OddThemes