Campeões olímpicos do vôlei e do vôlei de praia comentam desafios e expectativas faltando menos de um ano para Tóquio 2020


Modalidades com diversas medalhas olímpicas para o Brasil ao longo da história, o vôlei, tanto na quadra quanto na praia, passou por mudanças ao longo deste ciclo, iniciado após Rio-2016. Campeões na edição em solo fluminense, Alison Cerutti, Bruno Schmidt e Ricardo Lucarelli reconhecem o cenário e os desafios visando ao lugar mais alto do pódio, novamente. E, a um ano da abertura dos Jogos de Tóquio, o trio revela suas expectativas e as dificuldades enfrentadas nesse período.

Medalhista de ouro, no Rio (2016), e prata, em Londres (2012), Alison Cerutti passou por muitas mudanças neste ciclo. Após o fim das parcerias com Bruno Schmidt e, depois, com André Stein, o Mamute, há poucos meses, iniciou a corrida visando aos Jogos de Tóquio-2020 ao lado de Álvaro Filho, cujos bons resultados já estão aparecendo.

“Eu não chego como favorito, mas chego como nome de peso. O momento, agora, não é meu, mas eu quero muito mais do que eles. O que me conforta e me dá tranquilidade é que eu treinei para aquilo já. Eu já estudei para a prova, então, eu sei como chegar lá. Eu quero muito chegar lá. E não tem nada que vai me parar”, comenta o atleta, um dos protagonistas da série especial ‘Se Prepara’, em que conta bastidores de treinamento, alimentação e desta nova fase.

Atualmente, Mamute figura na segunda posição na corrida olímpica brasileira. À frente dele e Álvaro, está a dupla Bruno Schmidt e Evandro. Campeão em 2016, o Mágico sabe os desafios de se manter no topo, principalmente por conta da ascensão de outros países na modalidade. “No vôlei de praia, a gente costuma dizer que tem de fazer tudo de novo. E melhor ainda. Quando atinge um objetivo grande, você fica no foco, na vitrine de todo mundo. Você quer manter o posto, pois não quer viver de passado. Eu sempre quero buscar o melhor e, com o passar do tempo, tem de fazer sacrifícios para estar em seu melhor”, analisa o atleta brasiliense.

No caso de Lucarelli, este ciclo olímpico envolveu forças físicas e mentais, principalmente por conta da lesão no tendão de Aquiles, que o afastou das quadras durante meses. Recuperado, voltou ao auge na Seleção e no clube, conquistando até o título inédito com o Taubaté na Superliga Masculina de Vôlei. Agora, mira Tóquio, em 2020, para voltar novamente ao lugar mais alto do pódio.

“Eu acredito que a Olimpíada é o marco da carreira do atleta. Não tenho como descrever o que o atleta faz para estar no auge. Tanto que se chama ciclo olímpico, durante esses quatro anos, há preparação. A importância dos Jogos é incrível. A expectativa desse período te faz superar limites durante a competição. O combustível é exatamente esse”, afirma o atleta.

Foto: Red Bull

Postar um comentário

Copyright © Surto Olimpico. Designed by OddThemes