Comitê Neozelandês apoia liberdade de manifestação dos atletas nas Olimpíadas - Surto Olimpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Comitê Neozelandês apoia liberdade de manifestação dos atletas nas Olimpíadas

Compartilhe

O Comitê Olímpico da Nova Zelândia (NZOC) disse que apóia os atletas enquanto eles compartilham suas vozes, com o Conselho da organização pedindo um maior envolvimento na defesa dos direitos humanos dos atletas.

O Conselho do NZOC discutiu a questão em relação à campanha Black Lives Matter, que começou nos Estados Unidos e se espalhou para países ao redor do mundo, incluindo a Nova Zelândia. O presidente do comitê, Mike Stanley, disse que a organização apoia os atletas quando eles falam sobre questões ligadas aos direito humanos.

"Como organização, defendemos o respeito, isso significa respeito por quem somos, de onde viemos e por nossos concorrentes em todo o mundo", disse ele. "Apoiamos nossos atletas enquanto eles compartilham suas vozes e procuramos maneiras de fortalecer ainda mais nosso compromisso com a igualdade".

Diana Puketapu, membra do Conselho do NZOC, e Sarah Cowley Ross, presidente da Comissão de Atletas do NZOC, pediram um envolvimento adicional para permitir que os atletas apoiem pedidos de mudança.

"Estamos pedindo um maior envolvimento com os atletas olímpicos e da Commonwealth aqui e em todo o mundo no papel que o esporte e os atletas podem desempenhar no apoio aos direitos humanos" disse Puketapu.

Cowley Ross acrescentou: "É importante que os atletas se sintam empoderados e compreendam o papel que podem desempenhar como líderes comunitários. Fiquei orgulhosa de ver tantos atletas usando suas plataformas e estamos ansiosos para encontrar caminhos adicionais para apoiar seus pedidos de mudança."

"Estamos empenhados em contribuir para a discussão mais ampla da Comissão de Atletas do COI sobre a voz e advocacia dos atletas, para garantir que a perspectiva da Nova Zelândia seja ouvida" acrescentou. A posição do NZOC difere da posição atual do Comitê Olímpico Internacional (COI).

O artigo 50 do COI declara: "Nenhum tipo de demonstração ou propaganda política, religiosa ou racial é permitida em quaisquer locais olímpicos, instalações ou outras áreas". De acordo com as diretrizes da Regra 50, desenvolvidas pela Comissão de Atletas, anunciadas em janeiro, os competidores que se manifestaram nos Jogos foram ameaçados com ações disciplinares.

As críticas às regulamentações que proíbem manifestações específicas nos Jogos - incluindo joelhos ou punhos - intensificaram-se à luz dos protestos em todo o mundo após a morte de George Floyd nos Estados Unidos.

A FIFA e a NFL optaram por permitir o ajoelhamento como um protesto pacífico. O COI indicou que poderia alterar sua posição no futuro, depois que o presidente do COI, Thomas Bach, anunciou que um processo de consulta será conduzido pela Comissão de Atletas do COI.

Bach afirmou que a Comissão "dialogará com atletas de todo o mundo para explorar maneiras diferentes de como os atletas olímpicos podem expressar seu apoio aos princípios consagrados na Carta Olímpica de maneira digna". O presidente do COI alertou para a necessidade de diferenciar entre o que ele chamou de "manifestações divisivas" e formas adequadas de protesto.

As diretrizes da Comissão de Atletas do COI definem um protesto como "exibindo mensagens políticas, incluindo sinais ou braçadeiras", "gestos de natureza política, como um gesto manual ou ajoelhado" e "recusa em seguir o protocolo de cerimônias".

Foto: Olympic.org

Nenhum comentário:

Postar um comentário