Médico brasileiro ajudou no sucesso da Seletiva das Américas de Wrestling no inicio da pandemia - Surto Olimpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Médico brasileiro ajudou no sucesso da Seletiva das Américas de Wrestling no inicio da pandemia

Compartilhe

Em um ano que deveria ser de comemorações e conquistas por vagas e medalhas olímpicas, o mundo do esporte foi obrigado a parar em virtude da pandemia causada pela Covid-19. Das quatro seletivas olímpicas previstas para o mês de março, África e Oceania, Europa, Ásia e Pan-americana, apenas uma foi realizada e com sucesso. O que poucos sabem é que um brasileiro teve papel crucial na realização do Pan-americano 2020 (6 a 9 de março) e da Seletiva Olímpica Pan-americana de Wrestling (13 a 15 de março), ambos em Ottawa, no Canadá. O doutor da Confederação Brasileira de Wrestling e da United World Wrestling, José Alfredo Padilha, comandou o departamento médico da UWW e auxiliou nas tomadas de decisões que permitiram a realização dos torneios com sucesso.

“As equipes estavam preparadas e todos os atletas também queriam lutar. A primeira medida foi solicitar termômetro pra medir a temperatura dos atletas e equipamento de proteção individual (EPI), a máscara, para todos que iriam participar do exame médico realizado no momento da pesagem. Além do exame de rotina que verifica a pele do lutador, acrescentamos perguntas diretamente ligadas aos sintomas da doença e se o atleta teve contato com alguém que tivesse tido a doença”relembrouPadilha.

No congresso técnico, Padilha apresentou dados da doença aos chefes da delegação, e explicou os cuidados de prevenção que deveriam ser tomados. No dia 13 de março, que marcou o início da Seletiva Pan-americana, Sophie Trudeau, a esposa do Primeiro Ministro canadense, Justin Trudeau, testou positivo, e a pandemia passou a dominar o noticiário local, gerando uma preocupação ainda maior nos organizadores do evento.

“Entrei em contato com Stan Dziedic, membro da UWW e que atuou como delegado técnico e responsável pela competição, que também compartilhava da preocupação com a doença e decidimos realizar uma reunião da UWW com o membro do Bureau, Pedro Gama Filho, Francisco Lee, presidente da United Wrestling das Américas, com o Comitê Organizador Local e as autoridades sanitárias locais. Houve uma resposta positiva e decisão em conjunto manter a realização da Seletiva, mas sem público para evitar aglomeração”, explicou Padilha.

Presidente da Confederação Brasileira de Wrestling e membro do Bureau da UWW, Pedro Gama Filho foi convidado a participar da reunião pouco antes dos atletas do estilo greco-romano entrarem em ação. O temor era uma determinação nacional para não realização do evento, ou seja, um órgão canadense equivalente ao Ministério da Saúde no Brasil, vetar a realização do torneio. No entanto, o torneio seguiu normalmente.

“Existia a preocupação de presevar os melhores lutadores das Américas, mas também havia o desejo de permitir que os atletas competissem e pudessem lutar pelas vagas olímpicas. Foi uma decisão realizada em conjunto e seguindo todas as recomendações das autoridades canadenses. Acredito que a Seletiva Pan-americana do wrestling foi um dos últimos torneios realizados no mundo e apesar da preocupação tudo correu bem”, rememorou Pedro Gama Filho.

O cuidado foi além dos três dias de realização do torneio. Afinal, no caso específico da Covid-19, existe um período de incubação e os atletas poderiam manifestar sintomas depois da competição, ao regressarem a seus países de origem.

“Como é um vírus de fácil contágio, tínhamos que nos preocupar com quem competia no dia e também com quem ia lutar nos dias posteriores. Alguns poucos dirigentes e treinadores usaram máscara e luva, e os lutadores competiram pelas vagas olímpicas sem problemas. Mesmo depois do torneio, as equipes continuaram sendo monitoradas visto que a despedida das delegações, ou seja, dia para deixarem o Canadá foi dia 16 e não houve nenhum caso confirmado”, explicou Padilha, também chefe do departamento médico durantes os Jogos Olímpicos Rio 2016.

Ainda cedo para voltar a rotina de treinos em equipe
Sobre o retorno dos treinamentos em equipe do wrestling no Brasil, Padilha afirma que ainda é cedo, principalmente no caso do wrestling, um esporte de combate, em que os atletas realizam muitos contatos. Segundo o médico, os cuidados devem ser mantidos já que e a doença segue fazendo vítimas fatais dia após dia. Como profissional que preserva em primeiro lugar a vida, Padilha reforça as orientações da Organização Mundial de Saúde e do Ministério da Saúde.

“ O wrestling é um esporte de contato. Se olharmos a curva de casos doença, publicada no dia 27 de abril pelo Ministério da Saúde percebemos que ainda está em ascensão. O jeito de evitar a doença e sua pior conseqüência a morte, visto que ainda não temos vacina, é seguir as orientações do Ministério da Saúde que no momento são: permanecer em casa se possível, evitar aglomerações, uso de máscara no deslocamento de vias públicas, uso de álcool gel e lavar bem as mãos”, encerrou Padilha.

Nenhum comentário:

Postar um comentário