Mesa-tenistas paralímpicos do Brasil conhecem arena que vão jogar em Tóquio e fazem primeiro 'aquecimento'


Parte da Seleção Brasileira de tênis de mesa paralímpico conheceu na sexta-feira , 20, o Ginásio Metropolitano de Tóquio, local que serão realizadas as disputas da modalidade nos Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020, que começam na próxima terça-feira, 24.

Sete mesa-tenistas do país puderam acessar pela primeira vez as áreas internas da arena desde que chegaram à capital japonesa e realizaram um treino na área destinada ao aquecimento dos atletas, utilizada para se preparem antes das partidas.

A equipe brasileira com todos os atletas paralímpicos fará um treino na área dos jogos de tênis de mesa apenas na próxima segunda, 23, já que foi realizada uma agenda de treinos pelo Comitê Organizador dos Jogos.
"Já deu para entrar no clima dos Jogos, coração acelerou de ver a área de jogo. Muito feliz de estar aqui, consegui treinar bem. Gostei muito da arena. Ansiosa para chegar o treino de segunda", afirmou Jennyfer Parinos, mesa-tenista da classe 9.

O Ginásio Metropolitano de Tóquio, localizado na região de Shibuya, foi originalmente construído para os Jogos Olímpicos de Tóquio 1964 e tem, atualmente, capacidade para 7 mil pessoas. Porém, devido à pandemia da Covid-19, não haverá público durante a realização do evento neste ano.

"Hoje já deu para começar a reencontrar a turma [dos outros países] que a gente vê nos circuitos mundiais durante um ciclo paralímpico, que foi de cinco anos neste atual. O local é emblemático e estamos curiosos de botar o pé lá [na área dos jogos] e começar a escrever a nossa história. Já dá para sentir os ares do que a gente vai sentir realmente depois", completou Israel Stroh, mesa-tenista da classe 7.

Foto: Alê Cabral/CPB

APOIE O SURTO OLÍMPICO EM PARIS 2024

Sabia que você pode ajudar a enviar duas correspondentes do Surto Olímpico para cobrir os Jogos Olímpicos de Paris 2024?

Faça um pix para surtoolimpico@gmail.com e nos ajude a levar as jornalistas Natália Oliveira e Laura Leme para cobrir os jogos in loco.

Composto por cinco editores e sete colaboradores, o Surto Olímpico trabalha desde 2011 para ser uma referência ao público dos esportes olímpicos, não apenas no Brasil, mas em todo o mundo.

Apoie nosso trabalho! Contribua para a cobertura jornalística esportiva independente!

Postar um comentário

To Top