Procuradoria decide até sexta se leva Carol Solberg ao STJD do vôlei por fala política - Surto Olimpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Procuradoria decide até sexta se leva Carol Solberg ao STJD do vôlei por fala política

Compartilhe



 


A procuradoria do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) do vôlei deu-se prazo até a próxima sexta-feira para decidir se denuncia a jogadora Carol Solberg com base em dois artigos do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD): o 191 — deixar de cumprir o regulamento da competição — e o 258 — assumir qualquer conduta contrária à disciplina ou à ética desportiva não tipificada pelas demais regras do código.

Surte +:


- CBV usa termo racista para condenar protesto de 'fora Bolsonaro' de Carol Solberg


"Os fatos gerados pela conduta da atleta serão encaminhado para uma das equipes da Procuradoria para analise de possível infração aos artigos 258 e 191 do CBJD. O prazo é o do código. Para essa capitulação o prazo é grande. Porém, até sexta-feira a procuradoria denuncia ou arquiva", contou o procurador-geral Fábio Lira ao blog 'olhar olímpico'


O procurador esperava a súmula da decisão do terceiro lugar da etapa de Saquarema do circuito brasileiro de vôlei de praia em que na entrevista pós jogo Carol Solberg falou ' Fora, Bolsonaro' no microfone, mas a fala não consta na súmula. Ainda segundo o blog 'olhar olímpico', até o momento a Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) não enviou nenhum documento citando a fala de Carol para adicionar a um possível processo.


Essa não é a primeira vez que a CBV lidou com manifestação política de seus atletas. No mundial de vôlei masculino de 2018, os atletas Wallace e Maurício Souza fizeram o número do então candidato a presidente Jair Bolsonaro em foto após vitória sobre a França na primeira fase do campeonato. A CBV emitiu nota repudiando na época, mas de uma forma mais branda -"A CBV não compactua com manifestação política. Porém, a entidade acredita na liberdade de expressão e, por isso, não se permite controlar as redes sociais pessoais dos atletas, componentes das comissões técnicas e funcionários da casa." -  e o caso sequer foi cogitado à investigação do STJD do vôlei.


foto: Reprodução

Nenhum comentário:

Postar um comentário