De olho nas vagas para Tóquio 2020, Luta do Brasil inicia as disputas do Mundial da modalidade - Surto Olimpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

De olho nas vagas para Tóquio 2020, Luta do Brasil inicia as disputas do Mundial da modalidade

Compartilhe

Seis atletas brasileiros disputam a partir de sábado (14/9), às 2h, o Campeonato Mundial de Wrestling 2019, em Nur Sultan, capital do Cazaquistão. O campeonato é a primeira seletiva para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 e seis atletas vão representar o Brasil no torneio. No wrestling feminino lutam: Kamila Barbosa até 50kg, Giullia Penalber até 57kg, Lais Nunes até 62kg e Aline Silva até 76kg. Já Sargis Khachatryan até 55kg e Marat Garipov até 60kg lutam no estilo greco-romano. Para garantir vaga nos Jogos Olímpicos, os atletas precisam terminar entre os cinco primeiros em sua categoria de peso. Logo, o lutador precisa chegar até a disputa de medalhas, já que no wrestling, ao final das disputas existem dois terceiros lugares e dois quintos lugares.

“Garantir vaga para os Jogos Olímpicos logo na primeira oportunidade significa modificar a preparação inteira. Conquistei o quinto lugar em 2018, mas cada competição é uma competição, então tenho que procurar fazer o melhor para poder conseguir a classificação”, frisou Lais, atual número dois do ranking mundial, medalhista de bronze nos Jogos Pan-americanos e cabeça de chave em sua divisão de peso neste Mundial. 

Sargis Khachatryan é o primeiro a lutar no Mundia e único atleta em uma categoria não olímpica. Ainda em processo final de naturalização, Sargis possui o passaporte esportivo e pode representar o Brasil em torneios internacionais, mas não poderia disputar os Jogos Olímpicos sem estar 100% naturalizado. Já Marat Garipov, natural do Cazaquistão, concluiu o processo em 2016 e vai lutar pelo Brasil, no país onde nasceu.

“O wrestling no Cazaquistão é como o futebol para o povo brasileiro. Tenho certeza que os torcedores vão torcer por mim. Sonho lutar os Jogos Olímpicos e quando decidi vir para o Brasil foi para manter esse objetivo vivo. Bati na porta da Confederação pedindo uma oportunidade e me receberam muito bem. Espero retribuir com a vaga”, afirmou Garipov, bronze no torneio Thor Masters, disputado na Dinamarca este ano.

Cinco dos seis atletas nacionais participaram do campo de treinamento internacional realizado na mesma cidade do torneio desde o dia 4, sob o comando dos técnicos da seleção Angel Torres Aldama e Nisdany Perez. Aline Silva, medalhista de prata mundial em 2014, chega ao país asiático no dia 15 e completa a delegação. A atleta realizou a reta final de preparação no Canadá e vai tentar repetir o feito de 2015, quando ficou em quinto lugar e assegurou a vaga para os Jogos Olímpicos do Rio 2016.

“Estou muito feliz com o apoio recebido aqui no Canadá. Logo depois da prata nos Jogos Pan-americanos de Lima decidi ir para o Canadá para fase final de preparação para o Mundial para aprimorar movimentos dentro do meu estilo de lutar. Os técnicos estão muito atenciosos comigo, especialmente Martine Dugrenier (cinco vezes medalhistas mundial e atualmente treinadora) e sou grata a todos. Estou bem fisicamente e pronta para ver o que vai dar”, projetou Aline, que neste ciclo chegou a ficar dois anos longe das competições internacionais e voltou em 2019, com medalha nos quatro torneios internacionais que disputou, Canada Cup, Torneio Internacional de Sassari, na Itália, no Yasar Dogu, na Turquia e nos Jogos Pan-americanos de Lima.

O Campeonato Mundial é a única seletiva olímpica para Tóquio neste ano. Os atletas brasileiros quem não conquistarem a vaga terão mais duas oportunidades em 2020. A seletiva continental que acontece em Ottawa, no Canadá, de 13 a 15 de março e na seletiva mundial em Sófia, na Bulgária, de 30 de abril a 3 de maio do próximo ano.

Foto: Divulgação

Nenhum comentário:

Postar um comentário