Grand Prix de Judô - Tbilisi - Dia 02 - Brasileira naturalizada portuguesa leva título e o Brasil sai zerado


Após ter empolgado com um ótimo início de competição, subindo três vezes ao pódio, o Brasil subiu ao tatame com esperança de novas conquistas. Maria Portela (-70kg), Marcelo Contini (-73kg) e Eduardo Barbosa (-73kg) foram os representantes brasileiros no segundo dia de disputas, porém todos acabaram perdendo ainda na primeira luta.

A peso médio Maria Portela, vice-campeã do Grand Slam de Ecarimburgo, na Rússia, há duas semana, esbarrou na israelense Yarden Mayersohn, sendo desqualificada por ter recebido três punições durante a luta, depois de chegar a estar em vantagem nesse critério. 

A sorte de Contini e Eduardo Barbosa não foi diferente. O primeiro sofreu um revés diante do francês Guillaume Chaine nas punições (3-1). Já Eduardo, perdeu por ippon no combate com o ucraniano Dmytro Kanivets. 

Porém, não podemos dizer que o Brasil não brilhou. Barbara Timo, brasileira naturalizada portuguesa, que por muito tempo defendeu a seleção, saiu vitoriosa na categoria +70kg, agora representando a esquadra Lusa. 

Bárbara, inclusive, chegou a conquistar alguns títulos pelo Brasil, como dois Grand Prix (Zagreb/2017 e Tashkent/2013), além de outros pódios. O último, vestindo as cores tupiniquins, foi há um ano, em Ecaterimburgo, quando saiu com a medalha de bronze, atrás de sua compatriota Maria Portela que, naquela ocasião, foi a campeã.

Por Portugal, essa foi a segunda medalha de Timo na IJF World Tour, seguindo o bronze no Grand Slam de Paris, ainda esse ano.

Bárbara passou diversos anos na seleção brasileira, mas sem conseguir a vaga de titular, pertencente a Maria Portela nos últimos ciclos olímpicos, recebeu o convite português para se naturalizar e está fazendo bonito. 

No último dia de competição, Rafael Macedo (-90kg), Rafael Buzacarini (-100kg) e Beatriz Souza (+78kg) serão o Brasil.

Como sempre fazemos, vamos aos resultados de hoje.

CATEGORIAS FEMININAS 

-63kg

A medalhista de ouro do Campeonato Mundial Junior Sanne Vermeer (NED) conquistou sua primeira medalha de ouro na IJF World Tour, vencendo, na final, a compatriota Geke Van Den Berg (NED), medalhista de bronze no Grand Prix de Marraquexe. A jovem e talentosa Vermeer aplicou um waza-ari na companheira de equipe e a imobilizou por mais 10 segundo, finalizando a luta.

Ex-campeã europeia, Martyna Trajdos (GER) ficou com a primeira medalha de ouro. Maylin del Toro Carvajal (CUB) garantiu a outra medalha de bronze para os cubanos.

-70kg 


A experiente atleta brasileira, Maria Portela, ficou ainda na primeira luta. Porém, não podemos dizer que o país não esteve representado no pódio. Bárbara Timo, que, sem espaço para conquistar a titularidade na seleção do Brasil, se naturalizou portuguesa pelo sonho olímpico de Tóquio/2020, tem mostrado serviço. Após a medalha de bronze no Grand Slam de Paris, agora derrotou a medalhista olímpica de bronze Laura Vargas Koch (GER), já no Golden Score. Timo, que já tinha dos ouros em Grand Prix no currículo, ainda defendendo as cores brasileiras, venceu a quatro vezes medalhista de ouro em Grand Prix após forçar o terceiro shido à alemã. A conquista da brasileira foi ainda mais abrilhantada com a vitória maiúscula sobre Yuri Alvear, simplesmente tricampeã mundial.

Alice Bellandi (ITA), atual campeã mundial júnior, e Maria Perez (PUR), que já conquistou uma medalha de prata em mundial sênior, ficaram com o bronze em Tbilisi. 

CATEGORIAS MASCULINAS 

-73kg 

Guillaume Chaine (FRA), apenas número 43 do mundo, surpreendeu com sua performance, para conquistar o título em Tbilisi. O francês venceu na final o cubano Magdiel Estrada, dono de uma medalha de prata no Grand Prix de Havana, aplicando um o-uchi-gari, recebendo a pontuação de um waza-ari e mantendo a vantagem até o final do tempo. Essa foi sua primeira medalha dourada no IJF World Tour. A segunda medalha de ouro da equipe francesa na competição, de quebra, colocou o país em primeiro lugar provisório no quadro de medalhas. 

Danies Iartcev (RUS) e Valeri Iashvili (GEO) também subiram ao pódio, conquistando as medalhas de bronze em disputa.

-81kg 


E o dia foi mesmo laranja. Depois de Sanne Vermeer, foi a vez de Frank De Wit (NED) subir ao lugar mais alto do pódio. Na final o holandês lutou contra Timo Cavelius (GER), que teve uma performance surpreendente, sendo atualmente o nº 108 do ranking mundial. Vencedor, por duas vezes, de Grand Slam, este foi o primeiro título de Grand Prix de Wit. A luta foi encerrada após o alemão receber o terceiro shido, por um ataque falso.

O canadense Antoine Valois-Fortier, bronze em Londres/2012, conquistou sua primeira medalha em competições da IJF desde a vitória no Grand Prix de Hohhot, em 2017, tendo ficado com o bronze em Tbilisi. A segunda medalha bronzeada foi para Taly Grigalashvili (GEO), deixando enlouquecida a torcida caseira.

Ippon bonito é pra se mostrar

Embora o desempenho aquém dos brasileiros, o dia de competições teve belos ippons. Separamos duas belezuras de golpes do francês Alpha Oumar Djalo. Embora a bonita plasticidade, o francês ficou apenas em 5º lugar, mas seus golpes merecem medalha de ouro. Confiram:



Não se esqueçam que amanhã tem mais. E o Surto Olímpico traz todos os detalhes para vocês.

Fotos: CBJ/IJF
Vídeo: CBJ

Postar um comentário

Copyright © Surto Olimpico. Designed by OddThemes