Melhor defensor do NBB em 2018, Jimmy realiza sonho de jogar com Varejão e aposta em vitória sobre a Venezuela

Os primeiros passos de Jimmy Dreher de Oliveira no esporte foram bem longe da bola de basquete. Apesar de ter um jogador dentro de casa, o ala de 28 anos, que acaba de trocar Mogi das Cruzes por Franca, cismou em ser goleiro. O futuro debaixo das traves não parecia promissor e, depois de ver o irmão mais velho arranjar uma cesta no meio da rua para tentar seguir os passos do pai, Jimmy resolver deixar a teimosia de lado e tentar a sorte. A brincadeira deu certo e os primeiros arremessos em Joinville (SC) no início dos anos 2000 deram fruto. Após passagens por Seleções B e C, uma Copa América frustrada e de tomar do rival Alex Garcia o título de melhor defensor do país nas últimas duas temporadas, o jogador chegou aonde sempre sonhou.

- Vestir a verde e amarela sempre foi um sonho, mas quando comecei lá em Joinville sabia que estava muito longe. Eu via Leandrinho, Varejão, Splitter na TV, os caras da Seleção, e queria chegar lá com eles. Mas quando você é mais jovem e ainda muito cru não sabe se vai chegar. Tive a ajuda de caras como Rafael Mineiro, Fúlvio, Renato e o Matheus, principalmente, que foi como um pai para mim, e as coisas foram dando certo. Minha primeira vez na Seleção foi em Caracas, num Sul-Americano com o Gustavinho, um ano antes das Olimpíadas - lembrou o novo reforço de Franca.

Coincidentemente ou não, a estreia na seleção principal será na mesma cidade. Um dos 15 jogadores chamados pelo técnico Aleksandar Petrovic para os jogos válidos pela terceira janela das classificatórias das Américas para a Copa do Mundo FIBA 2019, Jimmy acredita que sua convocação foi um prêmio por sua dedicação e qualidade na defesa. O primeiro jogo será disputado nesta sexta, dia 29 de junho, contra a Venezuela, e o segundo, dia 2 de julho, diante da Colômbia.

Eleito o melhor defensor das duas últimas temporadas do NBB, Jimmy desbancou ninguém menos que Alex Garcia, dono de oito dos últimos dez prêmios.

- Brinquei com o Alex quando ele ganhou o sétimo prêmio seguido que ia roubar o posto dele e consegui. Meu pai sempre me falou que o melhor ataque no basquete é a defesa, e eu cresci com isso na cabeça. Acho que em Mogi, nos dois anos com o Paco Garcia, aprendi muito e também sofri muito até entender o que ele queria. Mas ele me deu alguns atalhos na defesa e me usou muito bem para marcar quem estivesse sempre pontuando muito. Fui aproveitando os minutos, comecei a pontuar e me tornei um jogador mais completo. Acho que estou na Seleção hoje principalmente por ser um excelente marcador - reconheceu.

Embora a Seleção tenha realizado o sonho de Jimmy de atuar com jogadores que ele só assistia pela televisão, como o pivô Anderson Varejão, por exemplo, o ala de Franca sempre teve outro objetivo tão desejado como vestir a camisa verde e amarela.

- Tinha um sonho de jogar o universitário nos EUA, mas nunca tive chance. Sempre batia na trave, mas não consegui - disse Jimmy, que vai encerrar a carreira sem realizar outro desejo.


- Um cara que eu sempre quis ter jogado junto foi o Marcelinho Machado, que infelizmente se aposentou. 

Se o ex-capitão rubro-negro não poderá mais estar do seu lado dentro de uma quadra, Hettsheimeir, seu mais novo companheiro em Franca e outro do seleto grupo que Jimmy sempre sonhou em jogar junto, estará com ele em Caracas. E desta vez na seleção principal.


- Estar na seleção B ou C já é muito bom. Se estiver na C, por exemplo, significa que você já está entre os 36 melhores jogadores do país e isso já é uma grande evolução. Mas o reconhecimento de estar na principal é muito bom e eu tenho que trazer esse peso de melhor marcador. Logo no primeiro treino o Petrovic brincou e disse que queria ver se eu era mesmo o melhor do país (risos). Mas isso é bom, porque acaba se tornando um desafio para mim. Não é a primeira vez que estou na Seleção, mas a primeira que estou na principal. Aquele nervosismo e ansiedade já acabaram e não existem mais. Sei que estou bem e tenho que aproveitar para dar o máximo - afirmou o ala.

Sobre o próximo jogo, Jimmy acredita que a Seleção Brasileira tem tudo para repetir a boa atuação diante da Venezuela no Rio de Janeiro, na segunda partida da primeira janela das classificatórias, e vencer nosso principal adversário no Grupo B fora de casa.

- Sabemos que os venezuelanos gostam de volume e de correr, mas o Brasil mostrou superioridade durante os 40 minutos na vitória da primeira janela. Temos que ir lá na casa deles e fazer a mesma coisa que fizemos em casa - concluiu Jimmy.

Foto: CBB



Postar um comentário

Copyright © Surto Olimpico. Designed by OddThemes