De olho nos Jogos de Tóquio, Alison dos Santos alcança objetivos importantes - Surto Olímpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Pesquisar:

Últimas Notícias

De olho nos Jogos de Tóquio, Alison dos Santos alcança objetivos importantes

Compartilhe


Depois de mais de um ano sem competir, por causa dos problemas provocados pela pandemia global do novo coronavírus, Alison Brendomdos Santos, do Pinheiros, começou de forma excelente 2021. No domingo (9), o paulista de 20 anos, conhecido como Piu no meio do atletismo, bateu os recordes brasileiro e sul-americano dos 400 m com barreiras com a marca de 47.68, no tradicional Mt.Sac Relay, em Walnut, Califórnia, Estados Unidos. É a 26ª melhor marca da história.

Com atuações brilhantes, Alison alcançou vários objetivos desde o dia 3 de abril, quando venceu a prova dos 400 m (45.78) em Chula Vista, onde participa de um Camping de Treinamento e Competições.

O resultado garantiu a convocação do atleta para o Campeonato Mundial de Revezamentos da Silésia, na Polônia, onde integrou a equipe brasileira no 4x400 m misto. Alison foi decisivo para a conquista da medalha de prata, pegando o bastão em quinto lugar e completando a prova na segunda colocação, com uma chegada espetacular.

Antes do recorde sul-americano, já havia corrido a prova em 48.15 no dia 24 de abril, no Drake Relay, em Des Moines, recorde pessoal e sul-americano sub-23 e, no dia, a melhor marca do mundo de 2021.

Em Walnut, conseguiu os objetivos de se tornar o primeiro brasileiro a correr os 400 m com barreiras em menos de 48 segundos e de superar o recorde nacional, que pertencia a Eronilde Araújo, com 48.04, desde 1995 – cinco anos antes de Piu nascer. De quebra, bateu ainda a melhor marca sul-americana, que era do panamenho Bayano Ali Kamani, com 47.84, desde o Mundial de Helsinque-2005.

No Mt. Sac, torneio válido pela série ouro da World Athletics Continental Tour-2021, Alison ficou em terceiro. O norte-americano Rai Benjamin, nascido em Antigua & Barbuda, foi o campeão, com 47.13, seguido de Kyron McMaster, das Ilhas Virgens Britânicas, com 47.50. Os três lideram o ranking mundial de 2021.

“Tenho trabalhado cada vez mais focado e empenhado em atingir meus objetivos. Estou batalhando para levar o nome do Brasil ao pódio, ter resultados e inspirar pessoas. São treinos pesados, mas faço com amor e tudo acaba sendo mais leve”, afirmou Piu, finalista do Mundial de Atletismo de Doha, campeão do Sul-Americano de Lima, dos Jogos Pan-Americanos de Lima e da Universíade de Nápoles – todos em 2019.

A meta agora é manter os treinamentos em alto nível em Chula Vista, com os olhos voltados para a Olimpíada de Tóquio, onde Piu é uma das esperanças do atletismo brasileiro. “Espero que ele alcance sempre o seu melhor resultado nas competições mais importantes. Estamos treinando muito forte para suportar bem os três tiros em dias consecutivos no Japão”, comentou o treinador Felipe de Siqueira da Silva. 

“O resultado foi muito bom no domingo, mas pensava que seria difícil correr agora essa marca. Fizemos uma viagem muito dura da Polônia para os Estados Unidos, onde chegamos só na sexta-feira. Quase ele não participa. Tivemos de avaliar bem e ele mostrou estar tranquilo.”

Para o treinador, Alison ainda tem o que melhorar. “Ele cometeu alguns erros e tem de corrigi-los para continuar evoluindo. Não podemos esquecer que ele tem apenas 20 anos e tomar cuidado com a carga de treinamento e com o período de recuperação pós-prova”, concluiu.

De volta à preparação ao Chula Vista Elite Athlete Training Center, do Comitê Olímpico dos Estados Unidos, a próxima competição será a etapa de Doha, no Catar, da Liga Diamante, o principal circuito de competições da World Athletics, no dia 28 de maio. No dia 21, ele viaja de San Diego para Lisboa, em Portugal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário