Mundial de Atletismo Paralímpico 2019 - Dia 7


O saldo desta quarta-feira, 13, sétimo dia do Mundial de Atletismo em Dubai, foi de três ouros, duas pratas e três bronzes para o Brasil. A competição é realizada no Dubai Club for People of Determination desde a quinta-feira, 7. A Seleção Brasileira conta com 43 competidores entre os 1.400 inscritos de 120 países no Mundial de Dubai, que segue até esta sexta-feira, 15.

Faltando dois dias para o fim da competição, o Brasil ocupa a segunda colocação no quadro-geral de medalhas, com 12 ouros, oito pratas e 13 bronzes. Superado apenas pela China, com 23 ouros, 19 pratas e nove bronzes. A terceira colocada é a Ucrânia, com nove ouros de um total de 19.

O ouro que encerrou a jornada do dia veio de forma surpreendente no lançamento de disco da classe F37 (paralisados cerebrais). João Victor Teixeira encaixou o sexto e último lançamento a 52,76m e subiu da quarta posição para a liderança, suplantando de uma só vez o paquistanês Ali Haider e o australiano, que empatavam na primeira colocação até então com exatos 51,43m.

“Cheguei ao último lançamento na quarta colocação e tinha acabado de queimar a quinta tentativa. Falei com o treinador (João Paulo Alves) que orientou a mudar o posicionamento e não deu outra. Eu só ouvi a gritaria dos amigos na delegação”, comemorou o lançador que é de Curicica, na Zona Oeste do Rio de Janeiro.

O ouro não foi a primeira medalha de João Victor em Dubai. Ele herdou o bronze no arremesso de peso da classe F37. A prova foi realizada no sábado, segundo dia de Mundial, e o atleta do Rio de Janeiro havia terminado em quarto lugar. O ouro fora para o grego Apostolos Charitonidis, com 15,43m, mas o resultado foi invalidado pelo Comitê Paralímpico Internacional (IPC, na sigla em inglês), que o considerou de uma classe acima (F38), para competidores com menor grau de comprometimento físico-motor. Assim, o ouro foi para o russo Albert Khinchagov (15,25m); a prata, ao tunisiano Ahmed Moslah (14,40m) e João Victor pegou o bronze.

João, 25 anos, iniciou aos 7 no atletismo convencional. Oito anos depois, fez uma cirurgia para a retirada de um coágulo. Logo após, sofreu convulsões que resultaram na paralisia cerebral e comprometeu o lado esquerdo do corpo. Depois de um ano e meio de recuperação, voltou para o atletismo, dessa vez no paralímpico.

Dobradinhas
Assim como ocorreu nos dois dias anteriores, os atletas do país protagonizaram dobradinhas nos pódios árabes. Hábito que teve início na segunda-feira, quarto dia de competição. Nesta quarta-feira, as provas de 100m da classe T11 (para cegos) no masculino e os 200m no feminino levaram duas bandeiras brasileiras às respectivas cerimônias de premiação.

Entre os homens, o veterano Lucas Prado, 34, campeão paralímpico em Pequim 2008, voltou a ganhar um ouro em campeonatos mundiais na prova que é sua especialidade. A última vez que ele ocupou este posto foi em Lyon 2013, quando estabeleceu o recorde do campeonato de 11s08.

Na noite desta quarta-feira de Dubai ele não só foi campeão como derrubou o próprio recorde em treze centésimos. Timothee Adolphe, da França, foi o vice-campeão (11s03) e o carioca Felipe Gomes, bronze, com 11s14.

“Eu vim para buscar a medalha de ouro. A preparação foi difícil, tive machucados e lesões. Abri mão do Mundial de Londres 2017 para cuidar da saúde. Agora estou mais experiente, já tenho 34 anos, não dá mais para correr três provas, tenho que escolher. A partir de agora o treinamento vai ser focado nos Jogos de Tóquio e quem sabe o recorde mundial vem lá”, disse Lucas, que perdeu a visão em 2002, após um descolamento de retina.

No feminino a chance de dobradinha era ainda maior. Três brasileiras estavam na pista: Jerusa Geber (guiada por Gabriel Garcia), Lorena Spoladore (Renato Benhur) e Thalita Simplício (Felipe Veloso). Contra elas a chinesa Cuiqing Liu, que já havia sido derrotada por Thalita na final dos 400m e por Jerusa, nos 100m.

Dessa vez, no entanto, Liu mostrou superiodidade. Após a largada, assumiu a dianteira com folga, mas quando parecia que ia ganhar com facilidade, Thalita e Felipe chegaram fortes e só não tiraram o ouro da chinesa por uma diferença de três centésimos. Liu cruzou a linha de chegada em 24s89, contra 24s92 de Thalita. A terceira colocação seria de Jerusa, porém a arbitragem entendeu que houve interferência de Gabriel Garcia na corrida da atleta do Acre na saída da curva e a dupla foi desclassificada. Melhor para Lorena e Renato, que herdaram o bronze.

A quarta-feira contou ainda com o bronze de Táscitha Cruz nos 100m T36, com 14s38. Superada pela argentina Yanina Martínez (14s02) e a chinesa Yiting Shi, a campeã, com 13s62. Minutos depois, foi a vez de Vitor de Jesus ser prata nos 200m da classe T37 (paralisados cerebrais). Ele quebrou recorde das Américas com 22s77, enquanto que o russo Andrei Vdovin fez o melhor tempo do mundo nesta temporada com 22s60.

A primeira medalha desta quarta-feira foi conquistada enquanto ainda era madrugada no Brasil. O paulista Alessandro Rodrigo faturou o décimo ouro brasileiro e bateu o recorde mundial do lançamento de disco da classe F11.

Alessandro chegou à prova como campeão mundial e campeão paralímpico, mas havia perdido o recorde mundial para o cubano naturalizado italiano Oney Tapia em 2018. Na terceira tentativa lançou o disco a 46,10m para estabelecer o recorde mundial. 

“Toda prova quando se entra como favorito, como era o caso hoje (quarta-feira) aqui, a pressão vem em dobro, comigo não foi diferente. Mas nunca tento demonstrar, porque nós viemos para melhorar a marca e para a medalha ouro, se fosse o recorde melhor ainda. Mas ainda esperava que pudéssemos ir mais longe”, comentou Alessandro, que no primeiro dia de Mundial foi bronze no arremesso de peso F11.

Nesta quinta-feira, penúltimo dia do Mundial de Dubai, seis brasileiros disputaram finais, das quais quatro serão em provas de campo.

Abaixo seguem os resultados dos brasileiros que competiram nesta quarta-feira, 13, sétimo dia do Mundial de Atletismo, em Dubai:

Finais
Lançamento de disco (F11): Alessandro Rodrigo - ouro
Lançamento de disco (F37): João Vitor Teixeira - ouro
100m (T11): Lucas Prado - ouro
100m (T11): Felipe Gomes - bronze
200m (T11): Thalita Simplício – prata
200m (T11): Lorena Spoladore – bronze
200m (T11): Jerusa Geber – desclassificada
200m (T37): Vitor de Jesus - prata
200m (T37): Christian da Costa – 5º lugar
100m (T36): Táscitha Cruz - bronze
100m (T37): Verônica Hipólito – 7º lugar
200m (T47): Fernanda Yara – 8º lugar
Eliminatória
100m (T63): Vinícius Rodrigues – 1º lugar*
*Classificado para final

Confira a programação dos brasileiros nesta quinta-feira, 14 (horário de Brasília):

Madrugada
2h00 - Claudiney Batista, final do lançamento de dardo (F56)
2h00 - Cícero Nobre, final do lançamento de dardo (F56)
2h03 - Elizabeth Gomes, final do lançamento de disco (F52)
2h09 - Júlio César Agripino, final dos 5.000m (T11)
3h09 - Fábio Bordignon, 100m (T35)
3h45 - Verônica Hipólito, 200m (T36)
4h02 - Marivana Nóbrega, final do arremesso de peso (F35)

Tarde
11h03 - Rodrigo Parreira, final do salto em distância (T36)

Foto: CPB/Alê Cabral

Postar um comentário

Copyright © Surto Olimpico. Designed by OddThemes