Grand Prix de Judô - Budapeste - Último dia: Mayra Aguiar é ouro e retorna ao Top 1 do ranking mundial


A judoca brasileira Mayra Aguiar ampliou sua coleção de medalhas no Circuito Mundial IJF ao conquistar, neste domingo (14), na Hungria, o título do Grand Prix de Budapeste na categoria meio-pesado feminina (-78kg). Foi a quinta medalha da brasileira na temporada 2019. Com o ouro de Rafaela Silva e as pratas de Ketleyn Quadros (-63kg) e João Macedo (-81kg), o Brasil fechou o torneio em segundo lugar no quadro geral de medalhas, perdendo apenas para o Japão, que teve cinco ouros e três pratas em Budapeste.

Além das medalhas, o país ainda teve os quintos lugares de Eleudis Valentim (-52kg), Maria Portela (-70kg) e Beatriz Souza (+78kg), além dos sétimos de Larissa Pimenta (-52kg) e Maria Suelen Altheman (+78kg). Ou seja, todas as judocas convocadas para o Mundial chegaram ao bloco final de disputas por medalhas do Grand Prix de Budapeste. O evento, encerra as ações internacionais de preparação da equipe planejadas pela CBJ em parceria com o Comitê Olímpico do Brasil.

Mayra em casa em Budapeste

De volta ao palco onde sagrou-se bicampeã mundial em 2017, Mayra mostrou que realmente se sente em casa na capital húngara e não deu chances às adversárias. 

"Foi um dia maravilhoso. Relembrei o Mundial de 2017, saindo, mais uma vez, com o ouro. Então, é um gostinho muito especial mesmo", comemorou a gaúcha. 

Na estreia, ela derrotou Fei Chen, da China, com um waza-ari e foi soberana diante da jovem Patrícia Sampaio, de Portugal, vencendo-a por ippon nas quartas-de-final. 

A semifinal foi uma prévia do que Mayra pode esperar nos Jogos Pan-Americanos de Lima, já que enfrentou a cubana Kaliema Antomarchi, sua principal adversária no continente nos últimos anos desde que a americana Kayla Harrison pendurou o quimono. 

Sem maiores ameaças, Mayra entrou agressiva e liquidou o duelo com um ippon para encontrar, na final, a japonesa Ruika Sato, número 7 do mundo. 

Paciente e atenta, a brasileira preferiu não se expor e apostou na tática para dominar a pegada. Antecipou ataques e forçou três punições por passividade para vencer mais um duelo contra a japonesa. Completaram o pódio a cubana Antomarchi e a britânica Natalie Powell, com os bronzes. 

"Enfrentei adversárias duríssimas, possíveis adversárias tanto nos Jogos Pan-Americanos, quanto no Mundial. Por isso, eu já entrei nessa competição sabendo que seria um ótimo treinamento também para as duas principais competições do ano. Estou saindo daqui super feliz, empolgada e com muita vontade", analisou Mayra ao final do dia. 

Budapeste foi sua última competição antes do Pan e do Mundial. Em Lima, Mayra lutará no dia 11 de agosto e, em seguida, embarcará para o Japão com a seleção para lutar o Campeonato Mundial de Tóquio no dia 31 de agosto. 

Beatriz Souza para em chinesa e fica com quinto lugar

A segunda e última chance de medalha para o Brasil em Budapeste veio com a peso pesado Beatriz Souza (+78kg), que disputou a medalha de bronze com Yan Wang, mas foi superada pela chinesa. 

Bia venceu Sara Alvarez, da Espanha, e Rochele Nunes, que defende Portugal, para chegar à semifinal, onde foi derrotada pela japonesa Wakaba Tomita, que ficou com o ouro. 

Outros brasileiros subiram no tatame

Maria Suelen Altheman também (+78kg) lutou neste domingo e terminou em sétimo lugar, perdendo a repescagem justamente para a chinesa Wang, algoz de Bia na disputa de terceiro. 

Matheus Assis foi outro brasileiro que lutou no último dia de Budapeste, mas parou na primeira luta diante do húngaro Apor Toth. 

A seleção brasileira de judô retornará ao Brasil nesta segunda-feira, 15, e se apresentará em São Paulo para dois dias de concentração onde se reunirão com toda a comissão técnica para os ajustes finais antes de Lima e Tóquio. No dia 06 de agosto, a equipe partirá para Lima e, no dia 12 de agosto, para a aclimatação em Hamamatsu, no Japão, até o Mundial.

Vejamos como foi o último dia de competições.

MULHERES

-78kg


Nossa bicampeã mundial e duas vezes medalhista olímpica, Mayra Aguiar, foi dominante em Budapeste. Na final, encarou a forte judoca japonesa Ruika Sato, prata no Master do ano passado. A vitória veio apenas no Golden Score, após a japonesa sofrer o terceiro shido e ser desclassificada. Com o resultado, a brasileira irá retornar ao posto de melhor judoca do ranking mundial, posição tomada pela holandesa Guusje Steenhuis há poucas semanas.

Antes de se sagrar campeã, na primeira semifinal, Mayra derrotou a ex-medalhista mundial Kaliema Antomarchi (CUB) por ippon, ao encaixar um sasae-tsurikomi-ashi. A cubana, então, foi para a disputa da medalha de bronze e não deu chances para a chineza Ma Zhenzao, vencendo por um waza-ari.

A segunda medalha de bronze veio com Natalie Powell (GBR), que venceu Patrícia Sampaio (POR), aplicando um harai-goshi e pontuando com ippon.


Uma curiosidade muito bacana sobre esse pódio é que ele, praticamente, repetiu o mundial ocorrido ali mesmo, em Budapeste, há dois anos. Na ocasião, Mayra foi campeã mundial e as atletas Natalie Powell e Kaliema Antomarchi foram medalhistas de bronze. A mudança fica por conta da medalhista de prata. Hoje, Ruika Sato ficou com o segundo lugar. Há dois anos, foi Mami Umeki, que, coincidentemente, também é japonesa. Portanto, a nacionalidade, ao menos, foi repetida 100%.

Confiram o raro clique:


+ 78kg

Ex-campeã mundial júnior, a japonesa Wakaba Tomita ganhou sua primeira medalha de ouro no circuito internacional de Judô sênior. A vítima foi a supreendente Nihel Cheikh Rouhou (TUN), que deixou para trás ninguém menos do que a poderosa Idalys Ortiz (CUB), nas semifinais. Porém, não foi páreo para a jovem nipônica, de apenas 22 anos. A vitória veio após a terceira punição a tunisiana.


As medalhas de bronze foram conquistadas pela própria Idalys Ortiz e por Yan Wang (CHN), que derrotou Beatriz Souza, em uma luta duríssima.

HOMENS 

-90kg 

Número um do mundo e campeão mundial, Nikoloz Sherazadishvili (ESP) tem deixados os espanhóis orgulhosos com as boas performances e esperançosos de um bom resultado em Tóquio/2020. Não é para menos. Dominante em sua categoria, o espanhol conquistou sua segunda medalha de ouro em Grand Prix ao derrotar Shoichiro Mukai (JPN). 

A vitória veio em um contra-ataque. O japonês tentou aplicar um ko-soto-gake, sendo interceptado por Nikoloz, que conseguiu pontuar com ippon.


Completaram o pódio o cubano Ivan Felipe Silva Morales, garantindo a terceira medalha do país caribenho no dia, e por Beka Gviniashvili (GEO), que derrotou o atleta Islam Bozbayev (KAZ).

-100kg

Mais uma final com presença japonesa. No entanto, Aaron Wolf teve mais sorte que seu compatriota da -90kg. Aaron enfrentou Grigori Minaskin (EST). O estoniano estava fazendo história, por ser o primeiro judoca de seu país a chegar a uma final do circuito mundial de judô. Wolf não levou esse dado em consideração e, usando duas vezes o uchi-mata, o japonês liquidou o embate e levou o ouro para a Ásia. 


Simeon Catharina (NED) e Guham Cho (KOR), campeão mundial, completaram o pódio e receberam as medalhas de bronze.

+ 100kg

Medalhista de prata do Grand Slam de Ecaterimburgo, Or Sasson (ISR) foi além no Grand Prix de Budapeste e abocanhou a medalha de ouro. Kokoro Kageura (JPN) foi o adversário do israelense, porém não evitou a terceira derrota japonesa em finais no dia. Este foi o quarto título de Grand Prix de Sasson.


Campeão mundial júnior, Gela Zaalishvili, da sempre forte Geórgia, venceu Bekmurod Oltiboev (UZB). A segunda conquista ficou com outro jovem. Richard Sipocz (HUN), atleta da casa, que com apenas 18 anos deixou em êxtase o ginásio, deixando para tráz Anton Krivobokov (RUS).

Fonte/Foto: CBJ - IJF

Postar um comentário

Copyright © Surto Olimpico. Designed by OddThemes