Bom nível técnico marca última seletiva do Adestramento no Hipismo rumo a Lima 2019


Em clima de expectativa, a elite do adestramento brasileiro voltou a se encontrar no Concurso de Adestramento Internacional - CDI Laffranchi e Haras Crystel - em 22 e 23/6, na Sociedade Hípica Paulista, principal polo da modalidade no país. A Confederação Brasileira de Hipismo (CBH) define até quarta-feira, 26/6, os cinco conjuntos (cavalo/cavaleiro) do Time Brasil de Adestramento nos Jogos Pan-americanos de Lima, entre 27/7 e 11/8. 

Integraram o juri nessa última seletiva Francisco Guerra, juiz 5* da Espanha, a brasileira Claudia Mesquita e Sandra Smith de Oliveira Martins da Argentina, juizas 4*, o chileno Max Piraino Lyon e o argentino Cesar Lopardo, ambos juizes nível 3*.

Dos 11 conjuntos em pista nesse derradeiro desafio, seis já contabilizavam os índices técnicos definidos pela CBH. No Small Tour, as duas provas – Prix St. George e Intermediária I - foram válidas para registro do índice desejável de 69%. Dessa vez, apenas o cavaleiro pan-americano Mauro Pereira Junior montando Don Enrico AMM atingiu a meta ao alcançar com 69,853% na Intermediate I, em 23/6, sagrando-se vencedor. O conjunto também foi vice no dia anterior no Prix St. Georges, vencida pelo olímpico e medalhista pan-americano João Victor Marcari Oliva montando Biso nas Lezírias, 68,676%.

No Big Tour, série em que o índice técnico estabelecido pela CBH é 68% no Grand Prix, o cavaleiro olímpico e medalhista pan-americano Leandro Aparecido da Silva que montando Dicaprio registrou seu primeiro índice rumo ao Pan com a nota média final de 68,659%. O conjunto voltou a vencer no Grand Prix Special, 68,227%, no domingo, 23, disputa Nacional não válida como qualificativa. Nas duas provas o vice foi o cavaleiro olímpico Pedro Tavares de Almeida com Aoleo, com 67,138%, no Grand Prix, e 66,773% no GP Special. O olímpica Giovana Pass com Zingaro de Lys garantiu a 3ª colocação no Grand Prix, 67,101%.

Equilíbrio entre os conjuntos, em especial do Small Tour, marcou a seletivas do Pan. “Desde minha última vindo ao país durante as seletivas para a Rio 2016, observei uma boa evolução técnica dos cavaleiros e amazonas ", destacou o juiz Francisco Guerra. "Acredito que o Brasil tem boas chances de medalhas no Pan. Mas não pode se acomodar, tem que buscar uma melhoria constante para enfrentar adversários fortes, especialmente, o Canadá e México que vão também vão em busca de medalha e vaga para os Jogos de Tóquio 2020”, ponderou o experiente juiz.

“Depois das quatro seletivas, considerando-se as médias obtidas, o resultado é muito bom e acredito que vamos ter um time forte disputando medalha no Pan”, avalia a juíza Sandra Smith de Oliveira Martins, diretora de Adestramento da CBH. “Os eventos possibilitaram que cada cavaleiro criasse sua própria estratégia de participar de duas ou mais seletivas, trabalhando dentro do que melhor vinha do seu cavalo. Alguns conjuntos se mantiveram constantes, outros oscilaram um pouco, mas isso é muito normal”, observou.

A decisão de quem serão os quatro titulares e o reserva só acontece às vésperas dos Jogos. “Daqui até o embarque dos cavalos, dia 22 de julho, nosso objetivo é aproveitar esse intervalo para fazer os últimos acertos técnicos, veterinários e estratégicos. O trabalho será feito individualmente, e para não causar estresse, se decidiu que cada animal será mantido nos haras ou hípicas aonde estão acostumados. A concentração dos animais acontecerá dois dias antes do embarque, na Sociedade Hípica Paulista, para verificação final”, adiantou Sandra.

Ao longo das quatro seletivas, 24 conjuntos se candidataram a vaga no Time Brasil, dez deles atingiram os índices técnico estabelecidos pela CBH. Dos 19 candidatos do Small Tour que deram a largada na 1ª seletiva, em março, oito terminaram a maratona com registro de índice, apontando para elevação do nível técnico na modalidade.

Mauro Pereira da Silva Junior com Don Enrico que totaliza cinco índices na soma das quatro seletivas que participou. Com quatro índices e participação em três seletivas posiciona-se João Victor Marcari Oliva/Biso das Lezírias. Também medalhista pan-americano, João Paulo dos Santos montando Carthago Comando SN - conjunto pré-qualificado durante a seletiva para o Pan em Buenos Aires em novembro de 2018 - soma dois índices registrados nas duas seletivas que participou. Outros quatro conjuntos também somam dois índices: Luiza Tavares de Almeida/Baluarte do Vouga, Yara do Amaral Fernandes com Dileto HI, Paulo César dos Santos que registrou dois índices com cada uma de suas montarias, Fidel da Sasa JE e Espartano LS.

No Big Tour, que ao longo da disputa contou com cinco candidatos a vaga, dois conjuntos atingiram o índice no Grand Prix: os olímpicos Pedro Tavares de Almeida/Aoleo e Leandro Aparecido da Silva/Dicaprio.

Foto: CBH

Postar um comentário

Copyright © Surto Olimpico. Designed by OddThemes