Como o COI está promovendo a igualdade de gênero no esporte


O Dia Internacional da Mulher sempre é valioso para reflexões sobre os avanços dos direitos das mulheres. Diante disso, o Comitê Olímpico Internacional (COI) fez algumas ponderações acerca de sua agenda de ações para garantir igualdade de gênero e inclusão das mulheres no esporte olímpico. 

Nos últimos 30 anos, o COI afirmou que fez progressos significativos em direção à meta de igualdade de gênero no esporte, com a adoção da Agenda Olímpica 2020 reafirmando seu objetivo de alcançar não apenas a igualdade em termos de atletas competindo nos Jogos, mas também vendo mais mulheres nomeadas para cargos de liderança em todo o Movimento Olímpico. 

Em 2017, lançou uma revisão abrangente do estado atual da igualdade de gênero no Movimento Olímpico, o Projeto de Avaliação da Igualdade de Gênero, um documento com 25 recomendações que abrangem áreas como participação, financiamento, governança e representação, que estão focadas em alcançar resultados tangíveis para fortalecer a igualdade de gênero em todo o Movimento Olímpico. 

"Embora os últimos anos tenham visto melhorias na igualdade de gênero no esporte, precisamos de mais e precisamos fazê-lo rapidamente", disse a membro do COI Marisol Casado, presidente do Grupo de Trabalho sobre Igualdade de Gênero da entidade. “Essas 25 recomendações visam a mudanças substanciais e rápidas”, concluiu.

Criando mais oportunidades


Já existem resultados tangíveis do progresso na arena esportiva, com o crescimento da participação feminina nos Jogos Olímpicos como sendo os resultados mais visíveis dos esforços do COI para melhorar a igualdade de gênero.

O número de mulheres competindo nos Jogos aumentou significativamente nos últimos 30 anos - de 26,1% na Seul 1988 para um recorde de 45,2% no Rio 2016. Em outubro passado, também houve um marco histórico nos Jogos Olímpicos da Juventude (YOG). Buenos Aires 2018 foi o primeiro evento olímpico de gênero totalmente equilibrado - tanto no campo de esportes, como no Comitê Organizador e em toda a cobertura esportiva dos eventos masculinos e femininos.

Um dos maiores impulsionadores dessa mudança foi o compromisso do COI de criar mais oportunidades para atletas do sexo feminino, expandindo o programa olímpico para incluir mais eventos femininos. Desde 1991, todos os novos esportes que pretendem participar do programa olímpico devem participar de eventos femininos, enquanto o COI também trabalhou em estreita colaboração com as Federações Internacionais de Esportes (IFs) para estimular o envolvimento das mulheres no esporte por meio de mais oportunidades de participação na Olimpíada. 

Com as mudanças no programa do evento para Tóquio 2020 a participação feminina aumentará para 48,8%, com o dobro do número de eventos mistos comparados ao Rio 2016, enquanto Pequim 2022 também verá um aumento nos eventos femininos e mistos para alcançar um recorde de 45,44% de representação feminina nos Jogos de Inverno.

A busca não é apenas para alcançar a paridade estatística, mas também que todas as oportunidades oferecidas para atletas e esportistas femininas nos Jogos Olímpicos tenham um impacto contínuo.

No entanto, como os esforços para aumentar o número de eventos disponíveis para as mulheres nos Jogos ajudaram a aumentar a participação de atletas do sexo feminino, o Projeto de Revisão da Igualdade de Gênero vai além e pontua uma série de outras questões relacionadas ao extracampo do esporte, como formatos de disputa, uniformes, equipamentos/uniformes e treinadores.

Construindo caminhos para a liderança


A porcentagem de mulheres em posições de liderança em órgãos governamentais e administrativos no esporte permaneceu relativamente baixa. Aumentar o número de mulheres em cargos de decisão dentro do Movimento Olímpico foi, portanto, destacado como um dos principais alvos do COI.

A esse respeito, o COI está tentando servir de exemplo para outros órgãos esportivos, aumentando o número de mulheres em seus próprios cargos de decisão. A representação feminina nas comissões do COI subiu para 42,7%, uma alta histórica que equivale a um aumento de 98% desde 2013. Em 2018, as mulheres ocuparam 30 posições a mais nas 26 comissões do COI do que em 2017, com membros femininos presentes em cada comissão. A partir de 1º de janeiro de 2019, 33 por cento dos membros do COI são mulheres.

Além de aumentar a representação feminina em seus próprios cargos de tomada de decisões, o COI também iniciou fóruns de liderança e programas de treinamento para mulheres em IF's, Federações Nacionais e Comitês Olímpicos Nacionais (NOCs), para ajudá-las na preparação para cargos de gerência.

Embora grandes avanços tenham sido feitos na luta pela igualdade de gênero no esporte, especialmente nos Jogos Olímpicos, o COI afirma que continua pressionando por mais progresso em outras áreas.

“O COI e muitas partes interessadas do Movimento Olímpico já deram grandes passos; Estamos fechando a lacuna de gênero em muitos aspectos do esporte e parabenizamos os IFs e NOCs que já realizaram ações efetivas. No entanto, sempre há mais que pode ser feito e só podemos progredir se trabalharmos juntos, em parceria”, comentou Thomas Bach, presidente do COI.

Olhando para o YOG Buenos Aires 2018, havia inúmeros exemplos de atletas do sexo feminino e masculino trabalhando juntos no crescente número de eventos mistos no programa olímpico - demonstrando que é possível que, no futuro não tão distante, haja igualdade de condições para os esportistas.

Fotos: Divulgação

Postar um comentário

Copyright © Surto Olimpico. Designed by OddThemes